São Judas mostra como usa a tecnologia para dar continuidade ao calendário acadêmico

Em momento de isolamento social, a instituição promove atividades humanizadas em ambiente virtual

A migração das aulas presenciais para o ambiente virtual é uma alternativa de sucesso em diversos países. Em um momento de restrição do convívio social e aglomerados coletivos, continuar com as atividades educacionais usando recursos digitais podem fazer toda a diferença para as pessoas e para a sociedade. Para mostrar como tem sido a experiência online dos alunos e professores, a São Judas irá realizar o ‘São Judas Experience’, entre os dias 23 e 27 de abril, com o objetivo de destacar a metodologia usada pela Universidade e como o uso intensivo da tecnologia tem ajudado estudantes a continuarem seus estudos com qualidade e de forma humanizada. Confira a lista de cursos e inscreva-se por aqui.

Por ser referência no ensino híbrido, a São Judas tem conhecimento e soluções para que as atividades acadêmicas continuem por meio de recursos digitais, sendo realizadas ao vivo e no mesmo período da aula. Os educadores estão empenhados e preparam suas aulas considerando todas as possibilidades: propondo trabalhos e atividades colaborativas, criando vídeos síncronos e links com objetos de aprendizagem que estão no repositório da Instituição ou são de livre acesso. Vale destacar a integração da tecnologia aos estudos em outros momentos, como com a utilização da biblioteca virtual, do Ulife e do Google Classroom. Grande parte das aulas também foram adaptadas para que possam ser acessadas por meio de um smartphone conectado à internet.

A Universidade também criou o Workplace (rede social corporativa), na qual todos os professores podem trocar experiências. “Estou surpresa com as aulas remotas, no que tange a participação dos alunos, tanto em sala de aula virtual, quanto à interação via microfone, câmera e chat. Noto que, pelo chat, os alunos mais tímidos também manifestam suas dúvidas, o que, às vezes, em sala de aula presencial, não acontecia. Dentro desse contexto percebo que o aluno tem mais acesso ao que foi desenvolvido em sala de aula, como gravação do encontro síncrono e material digitalizado, a interação do estudante é maior e o rendimento desse minuto de aula é incrivelmente alto”, destaca Thaís Cavalheri, professora de Engenharia da São Judas.