Sobre o programa

O Ciências do Envelhecimento é um programa interdisciplinar de pós-graduação da Universidade São Judas (USJT) destinado aos interessados em fazer mestrado e doutorado. Esse programa visa à formação de docentes, pesquisadores e profissionais especializados em estudos nas ciências associados ao envelhecimento, por meio do aprofundamento e da produção de conhecimentos em diversas áreas, tais como: Psicologia, Educação, Ciências Biológicas, Educação Física, Fisioterapia, Nutrição, entre outras que demandem saberes associados ao processo de envelhecer. A visão interdisciplinar do programa permitirá uma formação distinta e situada numa realidade contemporânea. 

O curso de mestrado e doutorado em Ciências do Envelhecimento é destinado a todos portadores de Diploma de Graduação, que tenham interesse em estudar às ciências associados ao envelhecimento e produzir conhecimentos em diversas áreas, tais como: Psicologia, Educação, Ciências Biológicas, Educação Física, Fisioterapia, Nutrição, entre outras que demandem saberes associados ao processo de envelhecer. 

O objetivo do Curso de Mestrado e doutorado em Ciências do Envelhecimento é formar e capacitar docentes, pesquisadores e profissionais especializados nos estudos de ciências do envelhecimento, por meio do aprofundamento e da produção de conhecimentos sob uma perspectiva interdisciplinar, por meio da investigação dos aspectos biológicos, nutricionais, funcionais, psicológicos, sociais, culturais e educacionais para o idoso e do processo de envelhecer. A visão interdisciplinar do envelhecer permitirá que o egresso do programa tenha um perfil distinto, único, inserido na realidade contemporânea.  

O programa de Pós-graduação stricto sensu em Ciências do Envelhecimento (PGCE) da USJT oferece atualmente os cursos de Mestrado e doutorado, reconhecidos pela Capes (nota 5), dentro da Área de Concentração em Ciências do Envelhecimento e a partir de Linhas de Pesquisa: 

1. Aspectos educacionais, psicológicos e socioculturais do envelhecimento;  
2. Doenças associadas ao envelhecimento; 
3. Saúde e funcionalidade no envelhecimento.

Mestrado e Doutorado em Ciências do Envelhecimento

Saiba tudo sobre nosso
Mestrado e Doutorado em Ciências do Envelhecimento

  • Processos Seletivos

    • Doutorado

      Processos Seletivo – Doutorado 2024.1

      •Inscrições: 22 de Janeiro de 2024 a 14 de fevereiro de 2024

      Lista de Aprovados

      Lista de Contemplados com Bolsa

      Resultado de Convocados para a Entrevista

      Edital – Doutorado

    • Mestrado

      Processos Seletivo – Mestrado 2024.1

      •Inscrições: 06 de dezembro de 2023 a 14 de fevereiro de 2024

      Lista de Aprovados

      Lista de Contemplados com Bolsa

      Edital – Mestrado

    • Minter e Dinter USJT-CESAA

      A Universidade São Judas e o Centro de Educação e Pesquisa Almeida & Aguiar abriram turmas de Mestrado e Doutorado Interinstitucionais, regulamentados pela CAPES/MEC. As turmas iniciarão em março/2024, no CESAA.

      O CESAA é uma Instituição de Ensino, Pesquisa e Extensão que atua na oferta de cursos de pós-graduação, localizada na cidade de Campina Grande – PB, inscrita no CNPJ nº 34.034.872/0001-92. O CESAA atua no ensino superior, mediante a oferta de mestrados e doutorados, baseado em dois pilares: a) qualidade, por meio de curso bem recomendados pela CAPES/MEC, ofertados por Universidades brasileiras e com um corpo docente altamente qualificado; b) segurança jurídica, por ofertar cursos devidamente autorizados e reconhecidos pela CAPES/MEC, o que confere a certeza de um diploma plenamente válido, dispensando qualquer revalidação

      Para acessar os editais, acesse o site do CESAA: https://cesaapb.com/

  • Doutorado

    • Sobre o Programa

      O curso de doutorado do PGCE foi aprovado pela CAPES em 2023 (Portaria MEC 2149, D.O.U 26/12/2023) com nota 5. A área de concentração é “Ciências do Envelhecimento” e as linhas de pesquisa são: Aspectos educacionais, psicológicos e socioculturais do envelhecimento, Doenças associadas ao envelhecimento e Saúde e funcionalidade no envelhecimento.
      A formação interdisciplinar permeia as três linhas de pesquisa por meio dos projetos de pesquisa e da estrutura curricular do curso com disciplinas obrigatórias, disciplinas optativas que atendem as três linhas e disciplinas específicas para cada linha, mas que permitem a participação de todos os alunos com as mais variadas formações. As disciplinas apresentam, analisam e discutem os temas, teorias e métodos científicos dentro das perspectivas multi, pluri e interdisciplinar com o objetivo de gerar novos conhecimentos, conceitos que integrem as diversas áreas de conhecimento para a compreensão do processo de envelhecer.

      Os projetos de pesquisa estão coerentes com as linhas de pesquisa e integrados com a grade curricular na medida em que as disciplinas discutem assuntos, teorias e métodos de pesquisa utilizados pelos mestrandos nos seus projetos. Neste sentido, alunos e docentes participam de mais de um projeto de pesquisa, de áreas diferentes, por exemplo: Psicologia e Nutrição; Nutrição e Educação Física; Fisioterapia, Nutrição e Psicologia; Nutrição, Psicologia e Educação Física; Biomedicina, Biologia e Psicologia; Biologia e Nutrição. Nas disciplinas são discutidos e elaborados trabalhos, artigos, materiais didáticos e outros produtos técnicos e científicos relacionados aos temas dos projetos e à complexidade do objeto de estudo, que é o envelhecimento.

      Além disso, no programa existe a prática de coorientação entre o corpo docente o que favorece a elaboração de trabalhos e artigos produzidos nas disciplinas e, também, na coorientação das dissertações, mantendo a premissa da interdisciplinaridade em todos os momentos do curso. A convivência entre os doutores e os mestrandos de diversas áreas de conhecimento, as discussões teóricas e metodológica dos projetos de pesquisas, as análises críticas com enfoque multi e interdisciplinar dos aspectos biológicos, funcionais, nutricionais, educacionais, psicológicos e socioculturais sobre o envelhecimento, como um fenômeno multideterminado e multifacetado garantem a concepção interdisciplinar do PGCE.

      A formação do corpo docente e sua experiência profissional, acadêmica e científica, possibilita a adoção de uma perspectiva interdisciplinar e, portanto, a inserção do programa na Área Interdisciplinar da CAPES (Área 45) e na área temática da Câmara IV: Saúde e Biológicas. Vale a pena destacar que o PGCE da USJT é o único programa de Pós-Graduação Stricto Sensu com nota 5 pela avaliação quadrienal 2017/2021 de uma universidade privada com o enfoque em gerontologia na cidade de São Paulo.

    • Missão

      A missão do curso de Mestrado do PGCE contempla formar docentes para o ensino superior com capacidade analítica e reflexiva sobre o envelhecimento em suas diferentes esferas e contextos, bem como profissionais capacitados para a pesquisa científica na área de Ciências do Envelhecimento e para o mercado de trabalho, com habilidades para planejar ações, analisar as conjunturas em que as pessoas idosas estão inseridas, desenvolver e aplicar programas e ações contextualizadas por meio de intervenções adequadas à diferentes instâncias sejam institucionais públicas ou privadas, sociais, familiares, individuais, e outros que demandem atuação efetiva sobre o processo de envelhecer.

      Para o curso de doutorado, além do que já foi descrito anteriormente, é fator predominante para o PGCE a formação de pesquisadores independentes, de alto nível e que possam contribuir de forma significativa para a sociedade, especialmente a local, estabelecendo no âmbito acadêmico um modelo que visa a contribuição para uma sociedade mais digna e justa. A visão interdisciplinar do envelhecer permite aos envolvidos uma abordagem contemporânea conectada às reais demandas da sociedade.

    • Objetivo

      O objetivo do curso é formar doutores em ciências do envelhecimento que terão um papel estratégico para propor e atuar em políticas públicas, programas de intervenção e projetos inovadores, criativos e com embasamentos teóricos e práticos consistentes, que supram desafios contemporâneos relacionados ao envelhecimento da população brasileira e os impactos na sociedade. Além disso, o curso de Doutorado visa promover a formação do pesquisador capacitado para elaboração supervisionada de um trabalho de conclusão sob a forma de uma tese, que represente contribuição original e significativa, por meio de estudos sistemáticos e da produção de conhecimentos interdisciplinares em ciências do envelhecimento. A visão interdisciplinar do envelhecer permitirá que o egresso do programa tenha um perfil distinto, único, circunscrito na realidade contemporânea e atrelado ao processo de envelhecer.

      Os objetivos específicos são: produzir conhecimento e analisar criticamente as evidências científicas para contribuir com a educação, a saúde e a qualidade de vida das pessoas idosas e ao processo de envelhecer; formar profissionais capacitados para atuar no mercado de trabalho com um olhar intergeracional e com foco na população idosa e envelhescente; desenvolver habilidades e competências na capacitação de docentes para atuar no Ensino Superior, de forma crítica, investigativa e inovadora; formar pesquisadores compromissados com os princípios e normas éticas na realização de pesquisas científicas, com competência teórica e técnica para avaliar os métodos utilizados nas investigações e capaz de analisar criticamente trabalhos e artigos científicos; estimular a participação em eventos, grupos de estudo e pesquisa, a divulgação do conhecimento produzido e criação de redes colaborativas e parceria com instituições nacionais e internacionais; incentivar, apoiar e criar condições para desenvolver pesquisas com potencial impacto nacional e internacional; desenvolver habilidades e competências na redação do discurso científico; realizar ações e intervenções para disseminar o conhecimento técnico-científico para a comunidade e a população idosa; produzir estudos e pesquisas dentro do enfoque interdisciplinar e formar profissionais que atuem de forma interdisciplinar.

      As ações desenvolvidas pelo PGCE permitem a seus integrantes a possibilidade de acolher demandas relativas ao envelhecimento e propor intervenções efetivas às necessidades populacionais, especialmente a do entorno da USJT com inserção do pesquisador na sociedade, melhor formação dos discentes e integração da comunidade acadêmica e da sociedade. Cabe destacar, que outras ações com base na proposta inclusiva, como a propiciada pelo ambiente virtual tem alcançado populações de diferentes localidades e regiões do país. Como exemplo podemos citar a formação de cuidadores e o acolhimento de pessoas idosas institucionalizadas que permitem a capacitação e ampliação das perspectivas do envelhecer ultrapassando “os muros” institucionais, chegando in loco às necessidades das diferentes comunidades.

    • Área de Concentração

      A área de concentração em “Ciências do Envelhecimento” tem como objetivo desenvolver o conhecimento sobre o envelhecer de forma interdisciplinar, considerando a heterogeneidade do processo as diferentes dimensões: biológicas, nutricionais, funcionais, psicológicas, sócio culturais e educacionais, seja em condições de senescência ou senilidade.

      É importante destacar o conceito de “ciências”, como sendo todo o conhecimento adquirido por meio da pesquisa e realização de estudos. Atrelado a esta definição e numa perspectiva teórico-prática o entendimento do processo de envelhecimento tem como base a inter-relação das diferentes disciplinas e áreas do saber que mobilizam as investigações e que se entrelaçam nas várias vertentes da existência humana, e em especial no envelhecer.

      Neste contexto, as ciências do envelhecimento podem ser consideradas uma área do saber que envolve um produto complexo, multifatorial e influenciado por diferentes condições e aspectos estruturais, funcionais e ambientais do processo de envelhecer, e que merecem atenção durante a investigação, e em possíveis propostas de prevenção e intervenção. Nesta perspectiva, o PGCE da USJT tem focado tanto em estudos, quanto na formação dos egressos, de forma dinâmica e atuante na realidade brasileira, com intuito de desenvolver produtos que primam por proporcionar conhecimento sobre o envelhecimento. Os egressos se tornam profissionais capazes de apresentar e desenvolver estratégias, intervenções e capacitações que promovam condições adequadas para um envelhecimento funcional, mesmo que esta fase da vida perpasse por condições atípicas, como as observadas nos processos de doença.

    • Linhas de Pesquisa

      Atualmente o PGCE possui três linhas de pesquisas:

      1) “Aspectos educacionais, psicológicos e socioculturais do envelhecimento”, linha mais antiga do Programa que busca investigar e analisar aspectos educacionais, psicológicos e as influências socioculturais no âmbito do envelhecimento. São realizados estudos que abordam as interfaces e os aspectos interdisciplinares do processo de envelhecer, considerando a produção de conhecimentos inovadores que primam pela saúde, cuidado, redes de apoio, inclusão, aprendizado, direito, ética e comunicação no envelhecimento.

      2) “Doenças associadas ao envelhecimento”, linha com o objetivo de investigar diferentes aspectos associados às doenças comumente presentes no processo de envelhecer. Os projetos desenvolvidos nesta linha de pesquisa abrangem propostas interdisciplinares que visam estudar os fatores de riscos, prevenção, diagnóstico e desenvolvimento de modalidades de intervenção e tratamento para as doenças associadas ao envelhecimento.

      3) “Saúde e funcionalidade no envelhecimento” linha que também foi reestruturada tem o objetivo de investigar aspectos e contextos associados à saúde da pessoa idosa com foco na autonomia, manutenção da capacidade funcional e promoção do envelhecimento saudável que permite o bem-estar em idade avançada. Os estudos desenvolvidos nesta linha perpassam propostas de avaliação e intervenção com enfoque interdisciplinar em diferentes aspectos, como: bioquímicos, biomecânicos, funcionais, imunológicos, microbiológicos e nutricionais do indivíduo ao longo do processo de envelhecer.

      A estrutura interdisciplinar permeia as três linhas de pesquisa do Programa por meio dos projetos de pesquisa e da estrutura curricular do curso com disciplinas obrigatórias e optativas que atendem as três linhas, além de disciplinas específicas para cada linha, mas que permitem a participação de alunos com as mais variadas formações. As disciplinas apresentam, analisam e discutem os temas, teorias e métodos científicos dentro das perspectivas multi, pluri e interdisciplinar, com o objetivo de gerar novos conceitos que integrem as diversas áreas de conhecimento para a compreensão do processo de envelhecer com uso de metodologia ativas e inovadoras em educação (Team based learning; Problem based learning; aplicativos como: Socrative, Kahoot e Plickers; sala de aula invertida, entre outros) com intuito de estimular a busca ativa e construção do conhecimento pelos próprios discentes, o que favorece a autonomia aos doutores em Ciências do Envelhecimento.

      A convivência entre os docentes e discentes de diversas áreas de conhecimento favorece as discussões teóricas e metodológicas dos projetos de pesquisas e extensão. As análises críticas com enfoque multi e interdisciplinar dos aspectos biológicos, funcionais, nutricionais, educacionais, psicológicos e socioculturais do envelhecimento, garante a concepção interdisciplinar do PGCE. Portanto, um profissional com formação sólida e integradora é estimulada pela coesão e coerência entre as linhas, os projetos de pesquisa e extensão, a estrutura da grade curricular e a área de concentração do programa.

    • Estrutura Curricular

      A estrutura curricular para a obtenção do título de doutor determina que o discente deverá integralizar, ao menos, 80 (oitenta) créditos, distribuídos da seguinte forma: doze créditos obtidos em disciplinas obrigatórias, quatro créditos obtidos em disciplinas optativas gerais; oito créditos obtidos em disciplinas optativas especificas da linha de pesquisa; doze créditos obtidos em atividades de práticas de pesquisa (orientação); oito créditos obtidos no exame de qualificação; e dez créditos obtidos na defesa da Tese.

      Como citado acima, as disciplinas dividem-se em obrigatórias, optativas gerais e optativas de linha, sendo que o aluno deverá cursar todas as disciplinas obrigatórias e mais a quantidade necessária de optativas para totalizar a quantidade de créditos exigida em disciplinas. Todas as disciplinas são ministradas por pelo menos dois professores com formações diferentes. Cada disciplina equivale a dois ou quatro créditos, sendo que cada crédito corresponde a 15 horas-aula.

      As disciplinas obrigatórias para o curso de Doutorado foram divididas em:

      ● “Políticas públicas em envelhecimento” busca contextualizar o processo de formação das políticas públicas, substratos, contextos e efetividade em programas sociais (quatro créditos);
      ● “Seminários interdisciplinares de tese”, cuja característica é a análise crítica de projetos e pesquisas, a partir da discussão com os demais discentes, docentes do Programa e outros convidados, sob a supervisão de dois docentes responsáveis com formações distintas (quatro créditos).
      ● “Estado da arte da pesquisa interdisciplinar em envelhecimento” busca aprofundar o desenvolvimento de habilidades que capacitem o discente a examinar a literatura científica de forma crítica, bem como conduzir revisões sistemáticas e meta-análises (quatro créditos);
      As disciplinas optativas gerais abarcam as três linhas do programa por possuírem um eixo temático comum e permitem aprofundamento na área de concentração e formação holística do doutor em Ciências do Envelhecimento. As disciplinas optativas específicas das diferentes linhas de pesquisa fornecem sustentação à formação do pesquisador com núcleo temático específico.

      São ofertadas 12 disciplinas optativas gerais: Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento (quatro créditos); Metodologia da Pesquisa (quatro créditos); Didática e Docência no Ensino Superior (dois créditos); Redação, produção e comunicação científica (dois créditos); Bioestatística aplicada às ciências do envelhecimento (quatro créditos); Tópicos avançados em envelhecimento (dois créditos); Métodos e Técnicas de Pesquisa Qualitativa (dois créditos); Instrumentos de Avaliação Interdisciplinares (dois créditos); Promoção a saúde e o bem viver no envelhecimento (dois créditos); Bioética no Envelhecimento e Morte (dois créditos); Abordagem Interdisciplinar no cuidado em saúde de pessoas idosas (dois créditos) e Bases epistemológicas da pesquisa científica em ciências do envelhecimento (dois créditos).

      Para cada linha de pesquisa, são ofertadas disciplinas optativas específicas. São seis as disciplinas optativas para a Linha de Pesquisa “Aspectos Educacionais, Psicológicos e Socioculturais do Envelhecimento”: A proteção legal do envelhecer no Brasil (dois créditos); Velhice e institucionalização (dois créditos); Aspectos psicológicos do envelhecimento (dois créditos); Processos Educacionais, socioculturais e Intervenções Psicopedagógicas no Envelhecimento (dois créditos); Redes de Apoio e Cuidado à pessoa idosa (dois créditos); Imagem, velhice e sociedade (dois créditos).

      As quatro disciplinas optativas para a Linha de Pesquisa “Doenças associadas ao envelhecimento” são: Doenças crônicas e morbidades associadas ao Envelhecimento (quatro créditos); Reabilitação Neurológica e neuroplasticidade no envelhecimento (dois créditos); Doenças neurodegenerativas no envelhecimento: causas e intervenções (dois créditos); Estudo das relações entre microrganismos e hospedeiros idosos (dois créditos).

      Já as três disciplinas optativas para a Linha de Pesquisa “Saúde e Funcionalidade no Envelhecimento” são: Aspectos biomecânicos e nutricionais da pessoa idosa (quatro créditos); Adaptações moleculares e fisiológicas no envelhecimento (quatro créditos); Autonomia na perspectiva da Promoção de Saúde (dois créditos).

      Além disso, os discentes devem participar das práticas de pesquisa que são ofertadas semestralmente. As Práticas de Pesquisa constituem atividades programadas de orientação por meio de reuniões regulares com grupos de pesquisa do orientador, co-orientador ou professor especialmente designado pelo coordenador, que possam fomentar discussões referentes à pesquisa e a possibilidade de produção de artigos científicos e proposição de novos projetos. Os objetivos das práticas de pesquisa são:

      ● Trabalhar aspectos relativos à prática da pesquisa;
      ● Trocar experiências com alunos de pós-graduação e graduação que estejam fazendo iniciação científica e trabalho de conclusão de curso nas linhas de pesquisa do orientador, favorecendo a integração entre os projetos;
      ● Preparar o texto a ser apresentado no exame de qualificação;
      ● Preparar a própria dissertação para a defesa.

      Uma atualização importante na estrutura curricular, foi a implementação da oferta das disciplinas obrigatórias às sextas-feiras (8h10 às 18h) e sábados (9h00 às 12h50), com frequência mensal, totalizando quatro encontros ao longo do semestre. Essa mudança possibilitou o início e término de módulos afins, com maior integração do grupo e a possibilidade de abordar vários tipos de metodologias ativas de aprendizagem sobre a temática. Além disso, a oferta de disciplinas optativas no período noturno também tem possibilitado atrair candidatos que exercem atividades remuneradas ao longo do dia.

      Uma outra prática opcional que será adotada para o doutorando do PGCE e que fará parte da estrutura curricular é o Estágio de Docência na USJT, uma atividade complementar programada com caráter altamente formativo e que visa o aprimoramento da qualificação para exercer a atividade docente. O tempo mínimo para cumprimento do estágio de docência é de 30 horas e o máximo de 60 horas, e as atividades serão supervisionadas pelo orientador em conjunto com o professor responsável pela disciplina de graduação, embora seja vetada a realização do referido estágio com o orientador. É importante destacar que o discente não poderá ministrar aulas teóricas e/ou práticas, bem como assumir responsabilidade por atividades de avaliação ou substituir em qualquer atividade o professor responsável pela disciplina da graduação. Todos os doutorando que optarem pelo estágio docência entregarão relatórios semestrais, declarando todas as atividades realizadas durante o estágio, com parecer dos professores das disciplinas e ciência do orientador.

      Para qualificação e defesa da tese é obrigatório a aprovação no exame de proficiência em língua estrangeira que é semestralmente realizado para os discentes do PGCE.

    • Perfil do Egresso

      O PGCE tem em seus objetivos formar um doutor com habilidades e competências dentro de uma perspectiva Interdisciplinar do envelhecimento. Assim, a premissa central para o egresso está em proporcionar compreensão do fenômeno envelhecimento como um processo interdisciplinar, de modo que o egresso seja capaz de agregar ao seu arcabouço teórico e à prática profissional, competências oriundas da multidimensionalidade do envelhecer.

      Neste sentido, o egresso por meio de sua formação será capaz de:

      ● produzir conhecimento científico de forma ética, tendo por base o compromisso social de melhoria para as temáticas cujo envelhecer seja oportuna, visando a melhora da qualidade de vida de pessoas e instituições sejam regionais, estaduais, e/ou do território nacional;
      ● atuar na pesquisa e na vida profissional com ética, competência e criticidade, quer individualmente, quer em equipe multi ou interdisciplinar;
      ● capacitar recursos humanos para o ensino-pesquisa-extensão nas instituições de ensino superior, de pesquisa, de empresas e de organizações que atuam na área da saúde e educação.

      Dentro dos aspectos acima expostos, o perfil do egresso desejado compreende
      as seguintes habilidades e competências:

      ● ser um educador cujo ensino seja pautado em uma postura investigativa; dominar o estado da arte da sua área de atuação;
      ● realizar pesquisas de impacto nacional e internacional; coordenar equipes, liderar e participar de grupos de pesquisa no Diretório da CAPES;
      ● trabalhar e desenvolver redes colaborativas em âmbito nacional e internacional; interagir com outros centros de excelência, não só para usufruir da parceria, mas para colaborar e contribuir na produção de conhecimentos;
      ● captar fomento e realizar a gestão financeira;
      ● dominar métodos científicos e criar tecnologias para a construção do conhecimento;
      ● utilizar dos conhecimentos científicos em favor da comunidade e sociedade;
      ● ter inserção social, criar e manter redes colaborativas;
      ● atuar de maneira pedagógica, científica e técnica, propiciando a compreensão e ampliação da produção de conhecimentos, com postura fundamentada nos preceitos éticos que regem a sociedade e a humanidade;
      ● promover os processos de investigação que possibilitem o aperfeiçoamento pedagógico e científico pelo gerenciamento do próprio desenvolvimento profissional;
      ● conduzir estudos científicos voltados à pessoa idosa, de modo interdisciplinar; avaliar criticamente estudos e pesquisas realizadas com essa população;
      ● sugerir, coordenar e implementar intervenções, tanto em nível público quanto privado, que promovam a melhor inserção da pessoa idosa, bem como ações nos níveis preventivos de buscar melhorias na saúde física, psicológica e social que promovam uma melhora na qualidade de vida da pessoa idosa;
      ● saber utilizar com destreza e dinamismo metodologias inovadoras na prática da docência.

      O doutor egresso do PGCE possuirá conhecimentos teóricos e práticos para a interpretação dos contextos associados ao envelhecimento, com saber aprofundado e crítico da literatura científica de temas relacionados às ciências do envelhecimento em âmbito interdisciplinar. Poderá analisar e identificar indicadores aplicados à saúde no envelhecimento, e com isso, realizar planejamento, avaliação e desenvolvimento de programas de intervenção para a atenção à saúde para esta fase da vida, que visem minimizar complicadores na interface saúde, doença, autonomia e funcionalidade, com vista nos modelos interdisciplinares de conhecimento para o envelhecimento.

      O doutor egresso do PGCE será hábil em planejar, analisar, desenvolver, e aplicar soluções para os problemas e contextos associados ao envelhecimento. Além disso, será hábil em articular soluções por meio de intervenções ajustadas às diferentes instâncias das instituições, da sociedade, da família, e do indivíduo.

  • Mestrado

    • Missão e Objetivos

      Missão

      A missão do Programa de Mestrado em Ciências do Envelhecimento contempla formar docentes para o ensino superior com capacidade analítica e reflexiva sobre o processo de envelhecimento em suas diferentes esferas e contexto, bem como profissionais capacitados para a pesquisa científica na área de Ciência do Envelhecimento.

      Com habilidade para planejar ações, analisar as conjunturas em que as pessoas idosas estão inseridas, também desenvolver e aplicar programas e ações contextualizadas, por meio de intervenções adequadas às diferentes instâncias seja institucionais (públicas ou privadas), sociais, familiares, individuais, e outros que demandem atuação efetiva sobre o processo de envelhecer. 

      Os objetivos específicos são: 

      • produzir conhecimento e analisar criticamente as evidências científicas para contribuir com a educação, a saúde e a qualidade de vida dos idosos no seu processo de envelhecimento;
      •  

      • desenvolver habilidades e competências na capacitação de docentes para atuar no Ensino Superior, de forma crítica, investigativa e inovadora;
      •  

      • formar pesquisadores compromissados com os princípios e normas éticas na realização das pesquisas, com competência teórica e técnica para avaliar os métodos utilizados nas investigações e capaz de ler criticamente os trabalhos e artigos científicos;
      •  

      • estimular a participação em eventos, em grupos de estudo e pesquisa, a divulgação do conhecimento produzido e criação de redes colaborativas e parceria com instituições nacionais e internacionais;
      •  

      • incentivar, apoiar e criar condições para desenvolver pesquisas com potencial de impacto nacional e internacional;
      •  

      • desenvolver habilidades e competências na redação do discurso científico; 
        realizar ações e intervenções para disseminar o conhecimento técnico-científico para a comunidade e a população idosa;
      •  

      • produzir estudos e pesquisas dentro do enfoque interdisciplinar e 
        formar profissionais que atuem de forma interdisciplinar.
      • Comitê de Ética em Pesquisa (CEP)


         

    • Informações importantes sobre Exames e Defesas

      Exame de proficiência em língua estrangeira

      O exame de proficiência em língua estrangeira é realizado semestralmente, sob responsabilidade da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade São Judas Tadeu. O objetivo do exame de proficiência em língua estrangeira é avaliar se o aluno está apto a ler, compreender e traduzir um texto escrito da área de conhecimento de uma das linhas de pesquisa, escrito originalmente em outra língua. O exame pode ser feito nos idiomas inglês, francês, espanhol, italiano e alemão, sendo inglês o preferencial. O discente deve realizar o exame de proficiência em língua estrangeira antes de sua qualificação.

      Exame de qualificação

      O exame de qualificação tem como objetivo avaliar a maturidade do aluno na sua área de investigação e o estágio de desenvolvimento do projeto. Deve ser realizado por todos os discentes regulares e deve, preferencialmente, ser realizado no final do primeiro ano do curso. O exame é realizado na forma de apresentação oral, cuja avaliação é feita por uma banca de 3 professores, presidida pelo orientador. A realização do exame de qualificação deve ocorrer 30 dias após o agendamento.

      Defesa

      O trabalho de conclusão de curso é uma dissertação de mestrado para apresentar o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado, com o objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento de literatura existente e a capacidade de sistematização do candidato, visando estabelecer um amplo conhecimento sobre o assunto.

    • Visão

      A visão do em Ciências do Envelhecimento da São Judas é tornar-se um Programa de Pós-Graduação de excelência, contribuindo para o avanço e a integração do conhecimento na área de Ciências do Envelhecimento. Além disso, por meio dos pilares de uma Universidade, promover atividades de pesquisa, ensino e extensão em âmbito nacional e internacional, com o intuito de viabilizar a proposta da abertura de um Doutorado Ciências do Envelhecimento na Universidade. Depois disso, o planejamento estratégico foi pensado para que se alcance a nota para 6 na avaliação quadrienal de 2025. 

    • Objetivos

      Os objetivos principais do programa é de formar mestres e docentes para o ensino superior com capacidade de desenvolver trabalhos de caráter científico, tecnológico e inovador na área de Ciências do Envelhecimento. Essa formação possibilitará ao futuro profissional elaborar projetos de pesquisa e lecionar em Instituições do ensino superior, bem como atuar e dialogar com setores e organizações da sociedade que atuam na área de concentração do Programa, e com outras áreas da Saúde e do Envelhecimento. Portanto, consolida como objetivo geral promover a integração dos ambientes científico e profissional por meio de realização de pesquisas, conscientização e capacitação de recursos humanos na área de Ciências do Envelhecimento. 

      Para cumprir esse objetivo geral, foram estabelecidos os seguintes objetivos específicos: 

      • Formar profissional qualificado com conduta legal e construtiva para atuação em Ciências do Envelhecimento, tanto para a educação superior quanto para o mercado profissional. 
      • Formar cidadãos não apenas profissionalmente, mas agregar valor quanto à postura ética e de virtudes ímpares essenciais para a atuar no processo de Envelhecimento.

       

    • Disciplinas

      As disciplinas, também chamada de Master Degree (MD) dividem-se em obrigatórias, optativas gerais e optativas de linhas, sendo que o Discente deverá cursar todas as disciplinas obrigatórias e mais a quantidade necessária de optativas para totalizar os créditos mínimos exigidos em disciplinas. Adicionalmente, as Práticas de Pesquisa também podem ser consideradas disciplinas de caráter obrigatório. As atividades programadas complementares e as disciplinas fora do montante estabelecido como exigência mínima deverão ser concluídas antes da data estabelecida para a defesa da Dissertação.  

      Há disciplinas que correspondem a 4 (quatro) créditos e outras que correspondem a 2 (dois) créditos cada. 1 (um) crédito corresponde a 15 (quinze) horas. 

      Disciplinas (Master Degree – MD) obrigatórias  

      1. Ciência e Pesquisa – MD Core – 2 créditos 
      2. Metodologia da pesquisa – MD Área – 4 créditos 
      3. Seminários interdisciplinares de dissertação – MD Seminários – 4 créditos 
      4. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento – MD Específica – 4 créditos  
      5. Didática e docência no ensino superior – MD Específica – 2 créditos  

      Disciplinas (Master Degree – MD) Optativas Gerais 

      1. Abordagem Interdisciplinar no cuidado em saúde de idosos – MD Específica – 2 créditos 
      2. Bioética no envelhecimento e morte – MD Específica – 2 créditos 
      3. Bioestatística aplicada às ciências do envelhecimento – MD Específica – 4 créditos 
      4. Instrumentos de avaliação interdisciplinares – MD Específica – 2 créditos 
      5. Métodos e Técnicas de Pesquisa Qualitativa – MD Específica – 2 créditos 
      6. Promoção da saúde e qualidade de vida no envelhecimento – MD Específica – 2 créditos 
      7. Redação, produção e comunicação científica – MD Específica – 2 créditos 
      8. Tópicos avançados em envelhecimento – MD Específica – 2 créditos 

      Disciplinas (Master Degree – MD) Optativas da Linha de Pesquisa: Aspectos educacionais, psicológicos e socioculturais do envelhecimento  

      1. A proteção legal do envelhecer no Brasil – MD Específica – 2 créditos 
      2. Imagem Corporal e Envelhecimento – MD Específica – 4 créditos 
      3. Processos educacionais, socioculturais e intervenções psicopedagógicas no envelhecimento – MD Específica – 2 créditos 
      4. Psicologia do envelhecimento – MD Específica – 4 créditos 
      5. Rede de Apoio e cuidado ao idoso – MD Específica – 2 créditos 

      Disciplinas (Master Degree – MD) Optativas da Linha de Pesquisa: Doenças associadas ao envelhecimento  

      1. Biologia celular e molecular do envelhecimento – MD Específica – 2 créditos 
      2. Doenças crônicas e morbidades associadas ao Envelhecimento – MD Específica – 4 créditos 
      3. Doenças neurodegenerativas no envelhecimento: causas e intervenções – MD Específica – 4 créditos 
      4. Reabilitação Neurológica e neuroplasticidade no envelhecimento – MD Específica – 2 créditos 

      Disciplinas (Master Degree – MD) Optativas da Linha de Pesquisa: Saúde e funcionalidade no envelhecimento

      1. Estudo das relações entre microrganismos e hospedeiros idosos – MD Específica – 2 créditos 
      2. Fisiologia do envelhecimento – MD Específica – 4 créditos 
      3. Nutrição, exercício e funcionalidade no envelhecimento – MD Específica – 4 créditos 
      4. Saúde e idosos institucionalizados – MD Específica – 2 créditos 

    • Coordenação

      Coordenadora:

      Profa. Dra. Adriana Machado Saldiba de Lima 

      Nutricionista e Doutora em Ciências pela FMUSP. Pós-Doutorado pela FMUSP em parceria com a New York University.  

      Estuda as doenças crônicas e degenerativas do envelhecimento em pesquisas clínicas e na área básica, dando ênfase aos aspectos nutricionais, ao metabolismo de lípides e à formação dos produtos de glicação avançada. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – nível 2. 

      Grupo de Estudo: Grupo de estudos sobre os Produtos de Glicação Avançada (GEAGE): http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/648986
      Email: [email protected]

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/1629689723349571  

      Vice-coordenadora:

      Profa. Dra. Marta Ferreira Bastos    

      Biomédica e Doutora em Ciências (Biologia Molecular) pelo programa de Ciências Farmacêuticas da UNIFESP. Pós-Doutorado no Laboratório de Imunoquímica do Instituto Butantan. Estudou respostas inflamatórias e osteodegenerativas ligadas à cavidade oral com fomento FAPESP. Atualmente estuda os aspectos imuno-inflamatórios associados ao envelhecimento e o impacto dos tratamentos estéticos e de rejuvenescimento sobre autoestima e qualidade de vida de idosos. Atualmente é gestora do LaMPeB.  

      Grupo de estudo em Saúde Estética e Envelhecimento.  

      Email: [email protected] 

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/6109233147317737 

    • Docentes
      • Docentes permanentes

      Profa. Dra. Angelica Castilho Alonso  

      Fisioterapeuta e Profissional de Educação Física. Doutora em Fisiopatologia Experimental pela FMUSP. Pós-doutorado pela FMUSP. 

      Tem experiência nas áreas de Gerontologia, Fisioterapia esportiva, Biomecânica, Ortopedia e Traumatologia. Atualmente coordena um projeto de pesquisa com fomento da FAPESP intitulado ” Efeito da suplementação proteica associado ao exercício resistido sobre o controle glicêmico, produto de glicação avançada, composição corporal, equilíbrio postural e força muscular em idosos portadores de Diabetes Mellitus Tipo 2: Ensaio Clínico Randomizado.  

      Gupo de Estudo: Grupo de Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento (GEISE) 

      Email: [email protected] 

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/9010521937866021 

       

      Profa. Dra. Débora Gozzo  

      Mestre em Direito pela USP. Mestre em Direito pela Westfälische Wilhelms-Universität – Münster/Alemanha. Doutora em Direito pela Universität Bremen/Alemanha (título devidamente revalidado pela USP). Pós Doutora pelo Max-Planck-Institut für ausländisches und internationales Privatrecht/Alemanha, com fomento da Alexander von Humboldt-Stiftung. Fellow do Käte Hamburger Kolleg – Universidade de Bonn/Alemanha. Fellow do Max Planck-Institut – Hamburgo/Alemanha. Visiting Professor das Universidades de Mannheim/Heidelberg, Bonn e Bucerius Law School/Alemanha. Membro da Sociedade Brasileira de Bioética. Advogada.  

      Estuda a questão da bioética frente ao idoso e suas necessidades, levando em conta os avanços das novas tecnologias.  

      Grupo de Pesquisa:  Do início ao fim da vida: uma discussão bioética sobre as inovações tecnológicas no século XXI.  

      Email: [email protected]  

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/2984148722309517 

       

      Prof. Dr. Guilherme Carlos Brech 

      Fisioterapeuta, Mestre e Doutor em Ciências – Ortopedia e Traumatologia pela FMUSP. Pós-Doutorado pelo Programa de Ciências do Envelhecimento da USJT. Pós-Doutorado pela FMUSP. Estuda doenças crônicas e degenerativas do envelhecimento, idosos institucionalizados (ILPI) e COVID-19 em pesquisas clínicas, dando ênfase aos aspectos do sistema musculoesquelético, biomecânicos e funcionais.  

      Coordena o Projeto de Extensão Programa Ciências do Envelhecimento nas Mídias Sociais. Auxilia na coordenação do Projeto de Extensão Conexão Instituição de Longa Permanência. Auxilia na coordenação do Grupo de Estudos Interdisciplinares em Saúde e Envelhecimento (GEISE) desenvolvido em parceria com o Laboratório de Estudo do Movimento no Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas de São Paulo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.   

      E-mail: [email protected]  

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/5870090832606170 

       

      Profa. Dra. Iris Callado Sanches 

      Profissional de Educação Física, Mestre em Ed. Física (USJT) e Doutora em Ciências (FMUSP). Desenvolve projetos com treinamento físico nas alterações cardiometabólicas da privação hormonal ovariana associada a fatores de risco (obesidade / aterosclerose), treinamento físico na interação entre fármacos (tamoxifeno / cetamina) e modulação autonômica cardiovascular, fatores de risco cardiometabólicos e nível de atividade física em transsexuais, influência da história familiar positiva da Doença de Parkinson em fatores de risco cardiometabólicos e nível de atividade física. Tem projeto com fomento CNPq. 

      Grupo de Estudo: Fisiologia cardiovascular e exercício para promoção da saúde e reabilitação – USJT 

      Email: [email protected] 

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/3251235669398295
       

      Prof. Dr. José Maria Montiel 

      Psicólogo, Mestre e Doutor em Psicologia com ênfase em Avaliação Psicológica em Contextos de Saúde Mental – USF/SP. Pós-Doutorado pelo Instituto de Biociências – Departamento de Tecnologias e Desenvolvimento Humano – UNESP/Rio Claro. Tem experiência Psicologia Cognitiva e Neuropsicologia Cognitiva, atuando nos seguintes temas: desenvolvimento de instrumentos para Avaliação Psicológica e Avaliação Neuropsicológica de Funções Cognitivas, no processo de Envelhecer Humano, e nos Processos de Aprendizagem. 

      Grupo de Estudo: Núcleo de Pesquisa em Saúde e Desempenho Humano 

      Email: [email protected]  

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/4836172904369929
       

      Profa. Dra. Priscila Larcher Longo 

      Bióloga, Mestre e Doutora em Ciências (Microbiologia) pelo Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP. Pós-doutorado pelo ICB da USP com estágio na Ohio State University (College of Dentistry). Possui experiência científica em pesquisa clínica, microbiologia oral, genética molecular, resposta imunológica, microbiota, probióticos, velhices LGBTQIA+. Editora da Revista Colloquium: Health and Education.   

      Grupos de Estudo: Microbiota e Sistema Nervoso Central e Gerontologia LGBTQIA+ 

      Email: [email protected]  

      Link para Lattes:http://lattes.cnpq.br/0462568149831870 

       

      Profa. Dra. Rita de Cássia de Aquino 

      Nutricionista e Doutorado em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Nutrição Clínica, com ênfase em Atendimento Nutricional e Avaliação de Consumo Alimentar de Idosos. Coordenadora do Programa de Iniciação Científica. Coordenadora do Projeto de Extensão Comensalidade. 

      Grupo de Estudo: GEANI-Grupo de Estudo de Avaliacao Nuricional de Idosos 

      Email: [email protected] 

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/3574501623080697 

       

      Prof. Dr. Rodrigo Jorge Salles  

      Psicólogo, possui residência em saúde do idoso pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Mestre e Doutor em Psicologia Clínica pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Estuda aspectos psicossociais do processo de envelhecimento a partir de delineamentos qualitativos de pesquisa, com ênfase em temas como a dinâmica psíquica nos processos de luto, a experiência de institucionalização na velhice, gênero e sexualidade na longevidade e a saúde mental do cuidador de idosos. Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicanálise e Envelhecimento (GEPPE). 

      Email: [email protected] 

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/8935665554406291 

      Profa. Dra. Sandra Regina Mota Ortiz  

      Bióloga pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Doutora em Fisiologia pelo ICB da USP. Especialização em Neurociências e Comportamento. Pós-doutorado em Neurofisiologia e Neuroanatomia pelo ICB da USP. Especialização em Neurociências e Comportamento. Especialização em Educação para o Ensino Superior. Tem experiência na área de Morfologia, com ênfase em Anatomia e na área de Fisiologia com ênfase em Neurofisiologia, Neurociências e Comportamento.
       

      Grupo de Estudo: Neurociências e Envelhecimento 

      Email: [email protected] 

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/5473750086356603 

      •  Docentes colaboradores: 

      Profa. Dra. Bruna Gabriela Marques  

      Professora colaboradora do Programa. Possui Doutorado, Mestrado (2012), Bacharelado (2009) e Licenciatura (2011) em Educação Física pela Universidade São Judas – USJT.  Na extensão coordena o Projeto Sênior para a Vida Ativa da USJT. Tem experiência na área de Educação física atuando, principalmente com envelhecimento, saúde pública, educação em saúde, intergeracionalidade, educação popular em saúde e Fotovoz.   

      Co-organizadora do grupo de estudo pesquisas qualitativas participativas. 

      Email: [email protected]  

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/3792359187685445 

       

      Prof. Dr. José Lúcio Martins Machado 

      Médico formado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí com Residência Médica em Cirurgia Geral na Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP e Cirurgia Pediátrica. CMO da Inspirali do Grupo Ânima. Tem experiência na área de ensino, inovação e educação médica. 

      Email: [email protected] 

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/9929706338666879 

       

      Profa. Dra. Kátia Bilhar Scapini  

      Fisioterapeuta e Doutora em Ciências – Cardiologia pela FMUSP. Pós-Doutorado pelo Programa de Educação Física da Universidade São Judas.Possui experiência em docência no ensino superior (graduação e pós-graduação). Atua principalmente nos seguintes temas: fisiologia cardiovascular, exercício físico preventivo e terapêutico, reabilitação cardiopulmonar, treinamento muscular respiratório, modulação autonômica cardiovascular, doença renal crônica, doença de Parkinson, envelhecimento e revisão sistemática/metanálise. 

      Email: [email protected] 

      Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/3573467430209908 

      Link para a foto dos docentes 

      https://drive.google.com/drive/folders/1Yxz2UfOQbFgBfOAAK8oKGEmFfhF5dbGK?usp=sharing 

       

       Periódico 

      Revista Colloquium: Health and Education, criada em 2020, é uma publicação de natureza científica de acesso aberto, editada trimestralmente pela Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade São Judas, organizada pelos Programas de Educação Física e Ciências do Envelhecimento, com o propósito de divulgar o conhecimento produzido por profissionais da área da saúde e educação. 

      Para mais informações: https://educacaoecienciasdasaude.emnuvens.com.br/recs/about/submissions 

      Contato: [email protected] 

    • Discentes e egressos

      Atualmente, o curso de Mestrado em Ciências do Envelhecimento conta com a participação de 50 alunos regulares. Além disso, desde a sua implementação em 2010, 109 mestres já foram formados mestres em Ciências do Envelhecimento. 

      Perfil do egresso 

      • ser um educador cujo ensino seja pautado em uma postura investigativa;  
      • dominar o estado da arte da sua área de atuação;  
      • realizar pesquisas de impacto nacional e internacional;  
      • coordenar equipes, liderar e participar de grupos de pesquisa no Diretório da CAPES; 
      • trabalhar e desenvolver redes colaborativas em âmbito nacional e internacional;  
      • interagir com outros centros de excelência, não só para usufruir da parceria, mas para colaborar e contribuir na produção de conhecimentos;  
      • captar fomento e realizar a gestão financeira;  
      • dominar métodos científicos e criar novas tecnologias para a construção do conhecimento;  
      • utilizar dos conhecimentos científicos em favor da comunidade e sociedade;  
      • ter inserção social, criar e manter redes colaborativas;  
      • atuar de maneira pedagógica, científica e tecnicamente, propiciando a compreensão e ampliação da produção de conhecimentos, com postura fundamentada nos preceitos éticos que regem a sociedade e a humanidade;  
      • promover os processos de investigação que possibilitem o aperfeiçoamento pedagógico e científico pelo gerenciamento do próprio desenvolvimento profissional;  
      • conduzir estudos científicos voltados ao idoso, de modo interdisciplinar;  
      • avaliar criticamente estudos e pesquisas realizadas com essa população; 
      • sugerir, coordenar e implementar intervenções, tanto em nível público quanto privado, que promovam a melhor inserção do idoso, bem como ações nos três níveis preventivos de modo a buscar melhor saúde física, psicológica e social para a qualidade de vida do idoso; 
      • saber utilizar com destreza e dinamismo metodologias inovadoras na prática da docência.
    • Infraestrutura e laboratórios

      Os laboratórios que estão à disposição a todos os discentes do Programa de Mestrado em Ciências do Envelhecimento são: 

      Laboratório Multiusuário de Pesquisa Básica (LaMPeB) 

      O LaMPeB foi idealizado com intuito de aproximar pesquisadores e aumentar as características multidisciplinares dos estudos na área de Ciências do Envelhecimento, com metodologias de áreas básicas como a: Histologia, Imunologia, Microbiologia e Biologia Molecular. O LaMPeB conta com os seguintes equipamentos: refrigerador, leitor de glicemia, colesterol e triglicérides (Accutrend GCT), leitor de lactato (Accutrend Lactate), micrótomo, estufas para fixação e secagem de secções histológicas, estufas para colorações, micropipetas, lupa estereoscópica (Zeiss), microscópios binoculares (Zeiss), micro-ondas para realização de técnicas histológicas, histoquímicas e imunohistoquímicas. O laboratório conta ainda com um sistema computadorizado de captura e análise de imagens composto por um microscópio (Zeiss) acoplado à câmera de vídeo e ao computador equipado com o software Axio Vision (Zeiss). Conta também com um espectrofotômetro de microplacas Epoch com a placa Take3 e Software Gen5 (BIOTEK) que permite a dosagem e análise de qualidade de pequenos volumes de DNA, RNA e proteínas, além da leitura de testes bioquímicos e imunoenzimáticos.  Recentemente, foi adquirido o Leitor de autofluorescência da pele AGE Reader (Diagnoptics Technologies B.V) com verba oriunda do auxilio regular a pesquisa FAPESP processo no. 2020/14516-2 utilizado em diferentes projetos do PGCE. 

      Laboratório de Pesquisa Interdisciplinar da Saúde (LPIS) 

      O Laboratório de Pesquisa Interdisciplinar da Saúde são realizadas pesquisas em humanos nas subáreas da fisiologia, bioquímica, nutrição, educação física, fisioterapia e psicologia. Usado por docentes e discentes do Programa de Ciências do Envelhecimento. Entre os equipamentos deste laboratório adquiridos com verba da própria USJT destacam-se: esteiras e bicicletas ergométricas para humanos, adipômetros, aparelho para análise de bioimpedância, frequencímetros (inclusive com acuidade de registro de intervalo de pulso batimento-a-batimento), aparelhos para aferição de pressão arterial (manuais e automáticos) e computadores equipados com software de registro e análise de sinais biológicos e de estatística, bem como balanças para determinação da composição corporal e estimativa de indicadores metabólicos e contadores de movimentos triaxiais. 

      A estrutura desse laboratório é fundamental na execução de projetos que envolvem a mensuração de variáveis como: medidas antropométricas, como massa corporal, estatura, diâmetros ósseos, circunferências, e espessura de dobras cutâneas; avaliação aeróbia – potência aeróbia (VO2máx, VO2pico) e capacidade aeróbia (velocidade crítica, máxima fase estável de lactato sanguíneo, limiar de lactato e limiar ventilatório) para exercícios em esteira, em situação de campo e cicloergômetro; estimativa do gasto e da contribuição energética, aeróbia e anaeróbia em diferentes atividades associadas ao processo de envelhecimento. Além disso, também está disponivel um Baropodômetro, que possibilita analisar a relação entre a percepção plantar, a percepção corporal e o equilíbrio; bem como o software E-Prime que possui diversos recursos para análise do tempo de reação frente a estímulos visuais e auditivos. 

      No LPIS também temos um dos mais importantes softwares de avaliação de consumo alimentar o Nutrition Data System for Research e sala para a elaboração e aplicação de escalas, inventários e testes que podem ser utilizados nas pesquisas com às pessoas idosas para avaliação de estresse, depressão, ansiedade entre outros aspectos psicológicos.  

      No LPIS também foi organizada uma sala com refrigeração apropriada para manutenção de dois freezeres -80oC, utilizados para conservação adequada dos materiais biológicos coletados durante os estudos do PGCE (sangue, saliva, tecidos, fezes e bactérias).  

      Biotério de Criação e Manutenção de Animais de pequeno e Médio Porte  

      O Biotério da USJT conta com uma área de 110m2, onde são mantidos camundongos geneticamente modificados para o receptor LDL-colesterol, bem como ratos geneticamente hipertensos, além de modelos induzidos de ratos hiperglicêmicos e Parkinson. Todos os experimentos que necessitam de animais de pequeno e médio porte utilizam os animais do biotério, sendo realizados tanto estudos de células e tecidos em condições fisiológicas ou patológicas associadas ao envelhecimento, quanto modelos experimentais de intervenção farmacológica ou física com impacto no processo de envelhecimento. 

      Laboratórios Parceiros Internos 

      Com a implementação do Curso de Medicina Veterinária na USJT em 2017, foi criado o Hospital Veterinário (330 m2), composto por dois ambulatórios, duas UTIs (para doenças infecciosas e não infecciosas), uma sala de suporte para cirurgia, dois Centros cirúrgicos para pequenos animais com sala de preparo e de recuperação, uma área de internação, uma Sala de Raio X, um Laboratório de Diagnóstico por Imagem, no qual rotineiramente são atendidos os animais doentes trazidos pela comunidade. Neste setor, há o apoio de dois médicos veterinários contratados e um auxiliar de enfermagem e três estagiários, além de discentes do curso de graduação do Curso Medicina Veterinária que fazem Iniciação Científica com docentes do PGCE. Nesse hospital são realizados estudos com animais envelhecidos da comunidade, além da possibilidade de realização de experimentos com animais de maior porte.  

       

    • Processo Seletivo

      Processo seletivo para os Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da UNIVERSIDADE SÃO JUDAS, em São Paulo, Unidade Mooca, e para o curso de Mestrado Acadêmico em CIÊNCIAS DO ENVELHECIMENTO seguem os termos do art. 35 do Regimento Geral de Pós-graduação da Universidade São Judas. Aos interessados, as inscrições para o processo seletivo destinado ao preenchimento de vagas oferecidas para o 1º Semestre de 2021, conforme abaixo: 

      Curso/Programa: Mestrado em Ciências do Envelhecimento 

      Vagas: 20  

      Site: http://www.usjt.br/pps

      E-mail: [email protected]  

      Unidade de oferta: Mooca  

      1. Para participar do processo seletivo o candidato deve seguir três etapas: 

      a) pré-inscrição on-line;

      b) efetivação da inscrição (mediante a submissão dos documentos);

      c) etapa de avaliação, a qual somente poderá ser feita pelo candidato que cumprir o disposto nas alíneas (a) e (b), retro mencionadas.

      2. A primeira etapa consiste na pré-inscrição on-line, com preenchimento completo do formulário disponível no link contido no site (http://www.usjt.br/pgce)

      3. A segunda etapa consiste na efetivação da inscrição, através da entrega da documentação no período pré determinado pelo edital. Os documentos comprobatórios mencionados abaixo devem ser anexados ao formulário disponivel no edital;

      IMPORTANTE: Entregar toda a documentação comprobatória de publicações e certificados de participações em eventos (congressos, simpósios, colóquios, cursos etc.) e atividades acadêmicas (iniciação científica, monitoria etc.); 

      a) Curriculo Lattes atualizado. 

      b) Cópia simples da cédula de identidade ou CNH; 

      c) Cópia do histórico escolar do curso de graduação;

      d) Cópia (frente e verso) do Diploma de graduação;

      e) Projeto de pesquisa e/ou plano de trabalho claramente inserido em alguma das linhas de pesquisa e vinculado aos assuntos de pesquisa dos professores participantes do Programa.

      4. A terceira etapa consiste na avaliação final e compreenderá:

      a) Prova escrita será no dia determinado em edital específico, em ambiente virtual ou virtual, com duração de 4 horas. Os candidatos que cumpriram a primeira e segunda etapa, receberão suas provas em formato word por e-mail e, até o final do prazo determinado, deverão devolver suas provas à secretaria, pelo mesmo e-mail recebido em formato pdf. A secretaria retornará (via e-mail) a confirmação de recebimento da prova.  

      b) Avaliação do projeto de pesquisa e/ou plano de trabalho;

      c) Exame do currículo Lattes, que é uma etapa classificatória;

      d) As entrevistas serão realizadas no período determinado pelo Colegiado do Programa, em ambiente virtual, por meio de videoconferência, cujos links das salas serão encaminhados via e-mail, pela secretaria aos alunos aprovados nas fases anteriores.

      Os candidatos que não realizarem a prova no dia e horário determinado, e/ou não comparecerem na entrevista estarão automaticamente excluídos do processo seletivo referente ao período estipulado neste Edital.

      1. A reprovação do candidato em uma das etapas implica em sua reprovação no processo seletivo.
      2. Em nenhuma etapa da seleção haverá divulgação de notas ou conceitos obtidos pelos candidatos.
      3. Os resultados finais serão homologados pelos Colegiados dos Programas e sua divulgação ocorrerá no dia informado no edital, em comunicado oficial encaminhado a todos os candidatos, através de e-mail cadastrado pelo candidato na primeira etapa.

       

      MESTRADO EM CIÊNCIAS DO ENVELHECIMENTO  

      (Portaria MEC 656, D.O.U 22/05/2017) 

      a) O processo seletivo se refere ao acesso ao Curso de Mestrado em Ciências do Envelhecimento, tendo como área de concentração “Ciências do Envelhecimento”, no limite das vagas oferecidas, a ser ministrado na Unidade Mooca da Universidade São Judas, obedecida a classificação dos candidatos aprovados.

      b) As vagas oferecidas destinam-se à formação de pesquisadores e a qualificação de docentes para o ensino superior, com ênfase na produção de conhecimento interdisciplinar sobre questões relativas ao fenômeno do envelhecimento, na perspectiva da saúde, educação e qualidade de vida.

      c) Alunos que estiverem regularmente matriculados no último período de cursos de graduação poderão inscrever-se para o processo seletivo, mas só poderão matricular-se no Curso de Mestrado caso comprovem, até a data da matrícula, ter concluído o curso de graduação.

      d) As vagas oferecidas serão distribuídas em 3 (três) Linhas de Pesquisa, a saber:

      LP 1 – Aspectos educacionais, psicológicos e socioculturais do envelhecimento.  

      LP 2 – Doenças associadas ao envelhecimento 

      LP3 – Saúde e funcionalidade no envelhecimento 

      e) O Curso destina-se a graduados que tenham interesse e/ou experiência em temas do campo de orientação do corpo docente.

      f) A prova escrita, sem consulta, consiste em redação baseada nos textos indicados na bibliografia comum e específica das linhas de pesquisa pertinentes às Ciências do Envelhecimento. O candidato deve elaborar uma solução ao problema ou discussão crítica sobre o tema apresentado, baseando-se nas leituras feitas. 

      A análise da redação é pautada em três critérios básicos:  

      1) a capacidade de redigir um texto com clareza e coerência;  

      2) a compreensão da ideia fundamental apresentada no texto;  

      3) a capacidade de desenvolver uma solução ao problema, articulando as ideias propostas. 

      O projeto de pesquisa respeitada a Resolução CNS no 466, de 12 de dezembro de 2012 e Resolução CNS no 510 de 07 de abril de 2016, deve ser apresentado de forma resumida em até o máximo de dez páginas, contendo: 

      1. Título/Tema;
      2. Introdução (apresentar argumentação que compõe a problemática do estudo, fundamentada pela literatura disponível e culminando nas questões de pesquisa, em até o máximo de cinco páginas);
      3. Objetivo (apresentar em um parágrafo único o objetivo geral do trabalho);
      4. Procedimentos Metodológicos (apresentar de forma sucinta como pretende realizar a pesquisa, se necessário inserir os instrumentos em anexos);
      5. Cronograma de execução
      6. Referências bibliográficas consultadas para elaboração do projeto (pelo menos dez referências).
    • Bibliografia recomendada para a prova de ingresso

      ARAÚJO, Andrea Mendes; BÓS, Angelo José Gonçalves. Qualidade de vida da pessoa idosa conforme nível de institucionalização. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, v. 22, n.3, 2017. 

      BIANCHI, Patrícia Louis Dall’Agnol. Alterações fisiológicas da força muscular respiratória decorrente do envelhecimento sobre a funcionalidade de idosos. Fisioterapia Brasil, v. 15, n. 1, 2016. 

      BRANDÃO, Vera Maria Antonieta Tordino; DA CÔRTE PEREIRA, Beltrina da Purificação; FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. A INTERDISCIPLINARIDADE NA GERONTOLOGIA SOCIAL. Interdisciplinaridade. Revista do Grupo de Estudos e Pesquisa em Interdisciplinaridade. ISSN 2179-0094., n. 7, p. 61-70, 2015. 

      CARVALHO, Claudia Reinoso Araujo de; HENNINGTON, Élida Azevedo. A abordagem do envelhecimento na formação universitária dos profissionais de saúde: uma revisão integrativa. Rev. bras. geriatr. gerontol, v. 18, n. 2, p. 417-31, 2015. 

      COSTA, Milena Silva et al. Práticas interdisciplinares na promoção da saúde da pessoa idosa [Interdisciplinary practices in promoting the health of older adultsl. Revista Enfermagem UER], v. 23, n. 6, p. 773-779, 2016. 

      CRESWELL, John W.; CLARK, Vicki L. Plano. Pesquisa de Métodos Mistos-: Série Métodos de Pesquisa. Penso Editora, 2015.FONSECA, Cristiane Costa et al. Autoestima e satisfação corporal em idosas praticantes e não praticantes de atividades corporais. Rev. educ. fis. UEM, Maringá, v. 25, n. 3, p. 429-439, sept. 2014 

      de Santana Silva, M. L. F., Bezerra, E. N., Silva, E. A., Queiroz, E. P., Ribeiro, D. F., & Monteiro, E. M. L. M. Fatores predisponentes para a institucionalização do idoso no brasil: uma revisão da literatura. Revista Saúde-UNG-Ser, 11(1 ESP), 48, 2018. 

      FREIRE, Patrícia de Sá; TOSTA, Kelly Crisatina Tonani ; PACHECO, Robertio Carlos dos Santos.  Práticas para criação do conhecimento interdisciplinar: caminhos para inovação baseada em conhecimento. In A. PHILIPPI JR. e V. FERNANDES (Eds.). Práticas da interdisciplinaridade no ensino e pesquisa. Barueri, SP, Manole, 2015. 

      FREITAS, E.V. & P Y, L. (Eds.). Tratado de Geriatria e Gerontologia. 4 ed. Rio de Janeiro. Grupo Editorial Nacional (GEN)/ Guanabara Koogan, 2016. 

      GONÇALVES, Susana; OUTEIRO, Tiago Fleming. A disfunção cognitiva nas doenças neurodegenerativas. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, v. 12, n. 3, 2016. 

      PORTO, Maria Luiza Lucena; DA NÓBREGA, Maria Miriam Lima; SANTOS, Silvana Sidney Costa. Necessidades psicobiológicas e suas manifestações em idosos: revisão da literatura. Northeast Network Nursing Journal, v. 6, n. 1, 2016. 

      RESENDE-NETO, Antônio Gomes et al. Treinamento funcional para idosos: uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 24, n. 3, p. 177, 2016. 

      SELVA, Raimunda Magalhães da; BRASIL, Christina Cesar Praça. A quarta idade: o desafio da longevidade. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 11, p. 3631-3632, 2016. 

      TERRA, NEWTON LUIZ. Envelhecimento e suas múltiplas áreas do conhecimento. Edipucrs, 2016. 

      VIEIRA, Sonia; HOSSNE, William Saad. Metodologia científica para a área da saúde. Elsevier Brasil, 2015.

    • Matrícula

      A matrícula inicial é destinada aos candidatos aprovados e classificados na seleção específica do(s) curso(s) do Programa, conforme o limite de vagas estabelecido no edital. 

      Para efetivar a matrícula, o candidato deverá apresentar comprovação da conclusão do curso de graduação, para o nível mestrado, e também do curso de mestrado, para o nível doutorado, bem como os demais documentos exigidos. 

      Na documentação apresentada, as datas de conclusão devem, obrigatoriamente, ser anteriores às do início do período letivo para o mestrado e para o doutorado. 

      A não efetivação da matrícula no prazo fixado implica a desistência do candidato em matricular-se no Programa, perdendo todos os direitos adquiridos pela aprovação e classificação no processo seletivo. 

      A matrícula semestral é solicitada pelo aluno a cada período letivo, de acordo com seu plano de atividades, com o conhecimento de seu orientador e observando as condições estipuladas pelo Programa. 

      • Cópia (frente/verso) do Diploma de Graduação. Caso não possua o Diploma, apresentar cópia do Certificado ou Declaração de Conclusão constando a data de Colação de Grau e cópia do Histórico Escolar da Graduação. 
      • RG. 
      • CPF. 
      • Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento. 
      • 1 foto 3 x 4. 
      • Currículo Lattes atualizado. 
    • Aluno especial

      Os interessados em cursar até duas disciplinas, poderão ingressar como aluno Especial sem passar por processo seletivo, limitado a um máximo de 4 semestres letivos. O vínculo fica restrito às disciplinas cursadas, e não ao curso, caracterizando-se como aluno desvinculado do curso.

      As disciplinas cursadas nesta modalidade poderão ser convalidadas, mediante análise e aprovação da coordenação do curso, e o valor pago poderá ser abatido nas mensalidades conforme regra vigente no semestre, caso o aluno especial ingresse posteriormente via processo seletivo, no curso de mestrado ou doutorado. O aluno especial poderá requerer um certificado correspondente às disciplinas cursadas e nas quais tenha obtido aprovação. 

    • Eventos e notícias

      V Encontro Intergeracional e VII idosos 60+ em ação   8 de Outubro de 2022 

      O IV Encontro Intergeracional e VII idosos 60+ em ação é um evento coordenado por professores e alunos dos programas de Pós-Graduação em Ciências do Envelhecimento e o Programa de Pós-Graduação em Educação Física da USJT em parceria com o Instituto Amina. A proposta do evento é celebrar o dia internacional dos idosos e das crianças, bem como provocar a comunidade a refletir a respeito do tema: As relações Intergeracionais do Bem Viver e os Processos Socioculturais e Educacionais no Envelhecimento.  

      Nesta edição, a ênfase do evento foi visibilizar as discussões em torno da relevância da diversidade e da educação nas relações do Bem viver, neste cenário é fundamental refletirmos a respeito do que nos impulsiona na construção e defesa de uma sociedade justa e solidária para todas as idades. 

       O evento presencial criou espaços de escuta e reflexões entre as gerações a respeito do bem viver. Discutiremos temas relacionados a Universidade Aberta à Pessoa idosa, o conselho do idoso e atenção ao cuidado com a pessoa Idosa e as possibilidades do Esporte e do viver bem. Tivemos ainda, oficinas a respeito da diversidade, autocuidado e autoestima, cultura e arte, esporte, conselho gestor de São Paulo, feira do idoso empreendedor e o papel do ambiente como promotor do protagonismo intergeracional. 

    • Projetos desenvolvidos

      Projetos de Extensão 

      1) Conexão ILPI – Conexão Instituição de Longa Permanência (ILPI) 

      Realizador: Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências do Envelhecimento 

      Quando e onde acontece? Todas as terças-feiras das 15h às 16h. 

      Maiores informações: [email protected]; [email protected] 

       

      O projeto “Conexão ILPI” visa aproximar a pessoa idosa institucionalizada, com a sociedade. Surgiu em maio de 2020, onde em função das medidas restritivas da COVID-19, fez com que as ILPIs fossem obrigadas à fecharem suas portas para a sociedade, e por consequência para a relação dos idosos com familiares e a própria sociedade. Diante destas circunstâncias, o PGCE visualizou a necessidade de tentar se aproximar os idosos institucionalizados por meio de atividades por videochamdas. Neste sentido, foram realizados contatos com ILPIs parcerias para promover atividades com os idosos de forma remota. Estas atividades visam a promoção da sociabilização e da qualidade de vida, bem como o bem-estar dos idosos institucionalizados. Outra frente do projeto está sendo desenvolvida na criação e divulgação de conteúdo por meio de um “jornal”, além de informações e divulgação de conteúdo para as mídias sociais do programa. 

       

      2) Cuidando de quem cuida – curso livre de capacitação de cuidadores da pessoa idosa 

        

      Realizador: Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Envelhecimento 

      Quando e onde acontece? Quartas feiras, quinzenalmente, das 18h às 19:30h. 

      Como participar? https://animaeducacao.zoom.us/j/81899858005 

        

      Maiores informações: [email protected] 

       O presente projeto de extensão tem como objetivo a oferta de um curso livre de capacitação para cuidadores da pessoa idosa, promovendo conhecimentos e reflexões sobre a prática de cuidado ao idoso, em seu âmbito físico e emocional, assim como discussões sobre o autocuidado do cuidador de idosos. O projeto é produto de uma parceria da Universidade São Judas com a Associação de Cuidadores de Idosos da Região Metropolitana de São Paulo – ACIRMESP. São propostos encontros quinzenais na modalidade online, utilizando a plataforma de vídeo conferência Zoom. Os encontros possuem duração de 1 hora e 30 minutos, sendo conduzidos por professores e alunos do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Ciências do Envelhecimento da Universidade São Judas. O público alvo são cuidadores de idosos, sejam eles formais ou informais, que desejam adquirir novos conhecimentos a respeito do cuidado do idoso. 

       

      3) Envelhecer com Força  

      Efeitos do isolamento social no controle da pandemia do Covid-19 sobre a funcionalidade, o desempenho físico e a microbiota intestinal em idosos: idosos ativos fizeram avaliação clínica em Fev/2020 (antes do isolamento). Os testes serão refeitos  após 1 ano. Os idosos têm sido acompanhados semanalmente por Whatsapp por alunos e professores do PGCE.  

      4) O Projeto de Extensão COMENSAL_IDADE   

      A pandemia da COVID-19 trouxe um isolamento social que impactou na saúde física e mental, especialmente de pessoas idosas (acima de 60 anos de idade), e levou à necessidade de um maior uso das tecnologias de informação e comunicação, e o desenvolvimento de programas à distância cresceu de forma significativa. As tecnologias on-line passaram a ser aproveitadas para possibilitar a interação em tempo real e a viabilização da telesaúde. O Projeto de Extensão COMENSAL_IDADE  foi desenvolvido com o objetivo reunir idosos no ambiente virtual e discutir assuntos relacionados a saúde, alimentação e nutrição. A palavra comensalidade vem da palavra comensal, que significa “indivíduos que comem juntos” e é considerada o ato de comer em companhia. O Projeto é composto por cinco encontros (uma vez por semana), com duração de uma hora, cujo temas são: 1) Cultura, regionalidade, ancestralidade e comensalidade; 2) Guia Alimentar para a População Brasileira; 3) Envelhecimento saudável e escolhas alimentares; 4) Sal e Açúcar: como consumir?; 5) Gorduras saudáveis existe?. A avaliação dos encontros tem a finalidade de verificar o impacto de um programa de educação alimentar e nutricional. As atividades de avaliação são desenvolvidas a partir dos métodos CAPs “Conhecimento, atitude e prática” e com o uso de Escala de Likert. A estrutura dos encontros segue os conceitos de oficinas de Educação Alimentar e Nutricional e tem encontros divididos nas seguintes atividades: 1) Exposição teórica do tema do encontro; 2) Discussão do tema com a fala dos participantes; 3) Solicitação de uma atividade prática no encontro; 4) Solicitação de uma atividade prática no domicílio; 5) Apresentação de uma curiosidade do dia; 6) Solicitações para o próximo encontro; 7) Avaliação. A partir do segundo encontro as atividades se iniciam com resgate do conteúdo anterior com o objetivo de fixação (Resgate para fixação). O Projeto foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade São Judas Tadeu para aprovação (5.265.870).
       

      5) PGCE nas mídias sociais 

      Objetivo: Tem como objetivo criar, planejar e divulgar conteúdo nas mídias sociais do Programa Ciências do Envelhecimento da Universidade São Judas Tadeu.  

      Proposta: A proposta do projeto de extensão é de organizar encontros semanais, com os participantes do projeto, para definir estratégias de divulgação e criação de mídias sociais referente ao conteúdo científico produzido pelo programa Ciências do Envelhecimento, como palestras/eventos, disciplinas, editais e produções científicas. Neste sentido, será aberto um canal de comunicação com os integrantes (alunos e docentes) para que possamos receber o conteúdo científico produzido pelo programa, e transferir para uma mídia digital e vinculação nas redes sociais.  

      Neste projeto, em conjunto os profissionais responsáveis, será estruturado o cronograma de criação de conteúdo digital que possa ser divulgado nas mídias sociais do programa, que envolvam conceitos e atualizações da ciência relacionada ao processo de envelhecimento. Além disso, o projeto visa em um segundo momento, a criação de vídeos como tutoriais de orientação e capacitação de idosos, no sentido de melhorar o letramento em tecnologia digital. A proposta seria criar um cronograma de temas e propostas que possam ser úteis para idosos da comunidade com baixo letramento digital, ou com alguma dificuldade em algum assunto tecnológico específico. Neste sentido, será criado um canal de YouTube que visa facilitar o acesso destas informações para os idosos. Os alunos envolvidos com o projeto, ficarão responsáveis em criar vídeos com este propósito e senão publicados no canal de YouTube que será criado em nome do programa. 

      Mídias sociais: 

      • Instagram
      • YouTube

      Público-alvo: 

      • Alunos matriculados no programa Ciências do Envelhecimento;
      • Alunos matriculados no programa Iniciação Científica;
      • Alunos de graduação do Grupo Anima Educação.

       

      6) Cine Cultura 

       

      Objetivos: Proporcionar uma discussão direcionada com os idosos e adultos com mais de 50 anos sobre os problemas enfrentados no cotidiano em decorrência do envelhecimento, por meio das temáticas do cinema, também chamada de Sétima Arte. Além disso, promover a socialização do grupo de pessoas com mais de 50 anos. 

      Proposta de sequência de filmes: 

      Primeiro: Doce de mãe: a mudança de lugar no grupo familiar e o despreparo da família que encara inicialmente a velhice como um problema; 

      Segundo:  Senhor estagiário: a volta do aposentado ao mercado do trabalho e a interação com a nova geração.  

      Terceiro: Despedida em grande estilo: o propósito de vida que precisa fazer parte também da velhice. 

      Os encontros serão feitos uma vez por mês, no auditório da Reitoria – campus Mooca da USJT -, às sextas-feiras, no período das 14h às 17h. Os filmes selecionados têm como ponto central a velhice e suas peculiaridades, a fim de fomentar a discussão. 

       

      Projetos de Pesquisa  

      Projetos de Pesquisa Associados a Linha 1: Aspectos educacionais, psicológicos e socioculturais do envelhecimento 

      1. Avaliação das condições de trabalho e saúde de cuidadores de pessoas idosas
      2. Avaliação e Intervenção cognitiva em idosos: implicações interdisciplinares no desempenho e para os processos de aprendizagem
      3. Educação continuada de idosos: uso de tecnologias e equipamentos
      4. Envelhecimento e institucionalização
      5. Gerontologia LGBTQIA+
      6. Impacto das práticas integrativas e complementares (PICs) e dos tratamentos estéticos no processo de envelhecimento
      7. Bioética de intervenção, envelhecer no século XXI e Mistanásia
      8. Luto, morte e envelhecimento humano
      9. PROCAD – UNICAMP, UCB, UPF E USJT – Padrões de envelhecimento físico, cognitivo e psicossocial em idosos longevos que vivem em diferentes contextos comunitários

       

      Projetos de Pesquisa Associados a Linha 2 – Doenças associadas ao envelhecimento 

      1. Alterações neurodegenerativas no processo de envelhecimento
      2. Avaliação e intervenção interdisciplinar na baixa densidade óssea e hipovitaminose D
      3. Avaliação e intervenção interdisciplinar na COVID-19
      4. Avaliação e intervenção interdisciplinar no diabetes: modelos clínicos e experimentais
      5. Doença de Parkinson: aspectos nutricionais, físicos e psicológicos
      6. Metabolismo e Doenças Ósseas: avaliação e intervenção interdisciplinar
      7. Pacientes oncológicos: avaliação do estado nutricional, qualidade de vida, funcionalidade e imagem corporal
      8. Parâmetros anatomofisiológicos, físicos e nutricionais nas doenças cardiovasculares
      9. Produtos de Glicação Avançada associados às doenças: aspectos biológicos, nutricionais, físicos e cognitivos

       

      Projetos de Pesquisa Associados a Linha 3 – Saúde e funcionalidade no envelhecimento  

      1. Adaptações biomecânica, cognitivas e nutricionais associadas ao envelhecimento
      2. Aspectos interdisciplinares da relação entre microbiota e envelhecimento
      3. Avaliação multidimensional aplicada à pessoa com deficiência intelectual em processo de envelhecimento
      4. Efeitos dos exercícios associados à restrição do fluxo sanguíneo sobre variáveis fisiológicas, cognitivas e funcionais em idosos
      5. Imunossenescência
      6. Movimento e funcionalidade no envelhecimento
      7. Nutrição, exercício físico e funcionalidade no envelhecimento
      8. O motorista idoso: avaliação dos aspectos físicos, psicológicos e cognitivos
      9. Treinamento físico, aspectos nutricionais, cardiovasculares e funcionais na Menopausa

       

      Projetos com fomento público 

      Deixar espaço para colocar um link. 

      Foram aprovados um total de nove projetos e considerando a política nacional desde o ano de 2018, que reduziu drasticamente o investimento na Educação e na Pós-Graduação, o resultado obtido é muito importante e demonstra a competência do corpo docente e do programa na busca por financiamento para desenvolvimento dos projetos de pesquisa, conforme listado abaixo: 

      • PAEP Edital no. 25/2019 da CAPES 
      • Auxílio regular à pesquisa FAPESP- 2020/14516-2, 2020/09936-2 e 2019/20489-0 
      • Edital Acadêmico de Pesquisa 2021 
      • Edital 06/2020 da Secretaria de Cultura da Prefeitura da Estância Turística de Embu das Artes 
      • Chamada CNPq/MCTI/FNDCT no 18/2021 – Faixa A – Grupos Emergentes: Processos 406828/2021-0 e 422837/2021-0 
      • Chamada CNPq no 4/2021- Bolsas de Produtividade em Pesquisa – 313107/2021-1 
    • Parceiros
      1. REPRINTE – O programa de Pós-Graduação em Ciências do Envelhecimento pertence à Rede dos Programas Interdisciplinares em Envelhecimento (REPRINTE), criada em 2013, que une PPGs stricto sensu vinculados à área Interdisciplinar da Capes que estudam o envelhecimento no Brasil. Um total de onze PPGs  fazem parte da REPRINTE: PPG em Gerontologia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), PPG em Gerontologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFP), PPG em Envelhecimento Humano da Universidade de Passo Fundo (UPF), PPG em em Saúde e Envelhecimento da Faculdade de Medicina de Marília (FAMEMA), PPG em Promoção da Saúde da Centro Universitário de Maringá (UniCesumar), PPG em Gerontologia da Universidade Federal de São Carlos (UFsCar), PPG em Gerontologia da Escola de Artes, Ciencias e Historia (EACH) da Universidade São Paulo (USP), PPG em Gerontologia Biomédica da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), PPG em Gerontologia da Universidade Católica de Brasília (UCB), o PPG em Gerontologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e o PPG em Ciências do Envelhecimento da USJT (nota 5 pela avaliação quadrienal 2017/2020). Além dos programas citados acima, compõem a REPRINTE um PPG de área disciplinar associado, o PPG Profissional em Gerontologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). 
      2. ONG Eternamente Sou – O PGCE também participa de atividades com organizações sociais, como as atividades desenvolvidas com a ONG Eternamente Sou, que trabalha com o idoso LGBTQIA+. A. Em 2020, foi implementado na USJT, por iniciativa de alguns professores do PGCE e do curso de graduação em Medicina, o Núcleo LGBTQIA+ Colorir-se, com objetivo de tornar o ambiente universitário cada vez mais inclusivo, fazendo com que os estudantes LGBTQIA+ se sintam respeitados e livres para expor suas ideias e compartilhar suas experiências, contribuindo assim para o desenvolvimento pessoal e profissional de cada um. Por meio de atividades e projetos que englobam ensino, pesquisa e extensão, o núcleo pretende favorecer a disseminação de conhecimento acerca da comunidade LGBTQIA+, colaborando com a construção de um ambiente singular, onde todos possam se respeitar. 
      3. Universidade Aberta à Pessoa Idosa (UAPI) – Uma outra parceria do PGCE com o Instituto Ânima é a participação na Universidade Aberta à Pessoa Idosa (UAPI), que visa oferecer ações gratuitas de educação para pessoas com idade igual ou superior a 60 anos. O Programa é realizado em várias localidades, em parceria com as Instituições de Ensino Superior do Ecossistema Ânima Educação, os Conselhos de Direitos da Pessoa Idosa, e com apoio de diversas empresas que destinaram recursos via renúncia fiscal. Neste projeto, estão envolvidos, docentes, discentes e egressos do PGCE desenvolvendo ações para a pessoas idosas, com o objetivo de tratar questões fundamentais relacionadas à dinâmica de vida da pessoa idosa no que se refere às questões físicas, cognitivas, sociais e políticas. Além disso, visa a criação de uma comunidade de aprendizagem intergeracional, em consonância com os objetivos estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde e Organização Pan-americana de Saúde para a década do envelhecimento Saudável, cujas ações tragam reflexões e intervenções efetivas sobre as diversas dimensões do processo de envelhecer no nosso País e no mundo. 
      4. Bairro Amigo do Idoso no Brás e na Mooca – Desde 2019, o PGCE tem participado ativamente das atividades do Grupo de Estudos e Pesquisas (GT) do Bairro Amigo do Idoso no Brás e na Mooca, em parceria com a Escola de Artes e Humanidades (EACH) da USP (Profa. Dra. Bibiana Graff) e membros da sociedade civil local. O propósito primordial desse GT, é unir membros da sociedade e da Universidade visando a discussão para elaboração e implementação de propostas para intervenções variadas para as pessoas idosas dos referidos bairros. Após diversas incursões no poder público em diferentes instâncias, no mês de Julho de 2022 por meio da Portaria da Subprefeitura da Mooca (SUB-MO n 08 de 04/07/2022) foi oficializada a Criação e manutenção do Comitê Bairro Amigo do Idoso para os distritos Brás e Mooca, e assim oficialmente criado o Comitê Bairro Amigo do Idoso Brás/Mooca com intuito de facilitar o desenvolvimento de ações focais em tais bairros junto a prefeitura do município de São Paulo, com mediação da subprefeitura (Brás/Mooca) e suas secretárias. Destaca-se que a oficialização do Comitê e o local configurado para co-coordenação do Comitê, propiciou à Universidade São Judas, mais especificamente ao PGCE, um papel de destaque junto ao poder público em seus objetivos relacionados às linhas de pesquisas e inserção social. Mais uma vez, destacando a preocupação da USJT com seu entorno, e inserindo o PGCE nas ações da “Cidade Amiga do Idoso” estabelecida pela Organização Mundial da Saúde e Organização Pan-Americana de Saúde em relação ao Programa São Paulo Amigo do Idoso e do Selo Amigo do Idoso, instituídos pelo decreto Estadual no. 58.407 de 15/05/2012. Essas iniciativas visam tornar os espaços da cidade de São Paulo mais amigáveis a todas as idades, promovendo o envelhecimento ativo e participativo da população idosa em seus locais de moradia e vivências.
    • Contato

      Informações para contato: 

      Endereço: Rua Taquari, 546, Bloco 2C, Mooca, São Paulo/SP, CEP 03166-000  

      Telefone: 11 2799-1984 / 11 2799-1946 

      E-mail: [email protected] 

    • Banco - dissertações e teses

      Acesse


       

    • FAQ

      A solicitação de documentos acadêmicos é gratuita?
      A primeira via de documentos do semestre SIM. A solicitação de duas vias ou mais, dentro do mesmo semestre, acarretam em cobrança, conforme especificado no ato da abertura.

      Como solicitar carteirinha de estudante?
      Para solicitar a carteirinha e conseguir usufruir da possibilidade de pagar meia entrada e ter descontos para acadêmicos, é necessário acessar o U-Life: Menu > Vida Acadêmica > Identidade Acadêmica > Preencher o formulário e enviar uma foto com fundo claro ou branco. A previsão de retorno é de até 30 dias.
      Lembrando que a primeira via é gratuita.

      Como solicitar o bilhete único?
      Assim, como demais serviços da instituição, basta realizar a solicitação via U-Life em: Menu > Serviços > Solicitações Online > e selecionar um dos protocolos abaixo:

      • Passe Escolar – SPTRANS – Solicitação
        Esta solicitação é para você que deseja solicitar ou renovar o benefício do SPTrans.
        Obs: Somente alunos vinculados aos Campi/Unidades de São Paulo e interior de São Paulo podem solicitar este protocolo.
        Para que o seu protocolo seja analisado você deverá anexar sua Carteira de Habilitação ou Carteira de Identidade.
        Alunos vinculados aos Campi/Unidades de Santos, como: Vila Matias, Polo Santos não podem solicitar este protocolo, visto que a SPtrans é válida somente para alunos de São Paulo e interior de São Paulo.
        Iremos realizar/atualizar seu cadastro no site da SPTRANS, em até 10 dias úteis, quando o cadastro for realizado, você receberá um e-mail de confirmação.
      • Passe Escolar – EMTU – Requisição ou Revalidação
        Esta solicitação é para registrar o pedido de passe escolar da EMTU para os alunos regularmente matriculados.
        Se você já possui o Cartão EMTU: Após 48 horas, acesse o site www.emtu.sp.gov.br/passe para efetuar o pagamento da taxa de revalidação.
        Se você ainda não possui o Cartão EMTU: Dentro de 5 dias úteis, esse protocolo será respondido com as orientações necessárias para finalizar a sua requisição.
        O modo de requisição/ revalidação, a partir de 08/01/2018 é 100% digital. Dessa forma, o aluno não precisará entregar nenhuma documentação presencialmente na CAA.
        O acompanhamento do envio do cartão para Universidade poderá ser visualizado através do link: http://www.emtu.sp.gov.br/passe/estudante.htm
        O boleto da taxa de requisição/ revalidação só será disponibilizado no momento em que o aluno enviar a documentação completa.

        Acompanhe suas solicitações pelo: U-Life Aluno > Menu > Serviços > Solicitações Online.

      Meu boleto veio errado. O que devo fazer?
      De imediato, mesmo que o boleto esteja próximo do vencimento, não efetue o pagamento, se desconhece o valor, não prossiga com pagamento.
      Em seu U-Life, há o caminho para a solução. Segue: Menu > Serviços > Solicitação Online > buscar por: “Stricto Sensu – Revisões Financeiras” e descreva a situação no campo de observação.
      A sua ficha será analisada e corrigida, se for o caso. O prazo de retorno deste protocolo, é de até 5 dias úteis, sem custo para abertura de solicitação.

      Como validar o estágio de docência?
      Há dois períodos anuais para a comprovação do estágio de docência.
      Entre maio e junho e novembro e dezembro.
      O aluno realizará o preenchimento da declaração de cumprimento do estágio, especificando as atividades e depois realizará o envio (dentro do período especificado) e será analisado pela equipe de docentes e da secretaria.

      Solicitações pelo: U-Life Aluno > Menu > Serviços > Solicitações Online > “Stricto Sensu – Comprovação do Estágio de Docência”
      O prazo de retorno deste protocolo, é de até 20 dias úteis, sem custo para abertura de solicitação.

      Qual é o prazo para a defesa da dissertação de mestrado? E da tese de doutorado?
      A dissertação de mestrado deve ser apresentada em até 24 meses, a contar da data de matrícula no curso. Já a apresentação da tese de doutorado tem o prazo de 48 meses. Fique atento(a) ao calendário de atividades disponibilizado para você no ato da matrícula.

      Qual protocolo deve ser usado para cada caso?
      Para acesso ao diploma, é necessário abrir a solicitação no U-Life: “Stricto Sensu – Emissão e Registro de Diploma”. Esse protocolo é encaminhado ao setor responsável pela validação da sua formação. O período de retorno é de até 80 dias úteis.
      O primeiro protocolo é gratuito, se solicitar novamente, o protocolo possui a taxa.

      Como posso fazer o estágio de pós-doutoramento nos PPG da São Judas? Existem bolsas para esse estágio?
      Todos os PPG da São Judas têm vagas para estágios de pós-doutoramento. Se vocês está interessada ou interessado em realizar o estágio na São Judas, entre em contato com a coordenadora ou o coordenador do PPG para mais informações.

      Demais informações, clique aqui

      Atendimento > WhatsApp:
      +55 11 98712-1839 – Atendimento Aluno – Pós Graduação Stricto Sensu

      Plantão de dúvidas
      O plantão ocorrerá à cada 15 dias e será disponibilizado o link nos grupos de comunicados (Veteranos e Calouros).
      Links:

  • Área do candidato, estudante e docente