Alunos criam Liga Solidária e atuam de forma multidisciplinar na favela da Vila Prudente

Crianças e adolescentes de comunidade carente tiveram acesso a tratamento odontológico e acompanhamento nutricional nas clínicas e laboratórios do campus Mooca 

Alunos de diferentes cursos de graduação da unidade Mooca da Universidade São Judas participaram do projeto de extensão Liga Solidária Vozes das Periferias, em parceria com o Instituto Vozes das Periferias, que integra a rede Gerando Falcões. 

As ligas das atléticas da universidade formadas por cerca de 100 alunos dos cursos nas áreas de Saúde, Engenharia, Gestão, Comunicação e Tecnologia da Informação se reuniram para atuar em diversas frentes que visam melhorar a qualidade de vida de crianças e jovens que moram na favela da Vila Prudente, próxima do campus Mooca da São Judas.

O público-alvo são 300 crianças e jovens já atendidos em ações sociais pelo Instituto Vozes das Periferias. Com apoio dos alunos e professores da São Judas, os beneficiários passaram a desfrutar de outros serviços, como atendimento odontológico e acompanhamento nutricional, utilizando a infraestrutura de laboratórios e clínicas do campus. 

Cada grupo de universitários contribui com o projeto de acordo com sua expertise. Os alunos dos cursos de Gestão prepararam uma série de vídeos com dicas sobre como montar um currículo e se portar em uma entrevista, focados nos jovens que estão atrás de seu primeiro emprego. Já a liga da área de Tecnologia da Informação produziu conteúdos ligados à segurança na internet. 

Para o professor Wendell Cristiano Lepore, um dos coordenadores do projeto, o trabalho tem caráter transformador, e não é puramente assistencialista. Para ilustrar este impacto, Lepore conta a história de um garoto que, depois de aprender a receita de um bolo de banana saudável na consulta com o nutricionista da São Judas, reproduziu em casa e passou a vender na comunidade, aumentando o orçamento familiar. 

“Quando vejo o sorriso no rosto das famílias e das crianças, entendo que nós realmente ultrapassamos os portões da faculdade, e não só entramos, como fomos bem recebidos por esta comunidade. De alguma maneira estamos ajudando a transformar  vidas, não só dessas famílias, como a dos alunos e professores da São Judas.”

 

Continuidade em 2021

O Liga Solidária Vozes das Periferias continua neste ano com duas novidades: a equipe de alunos da São Judas será maior, composta por cerca de 200 pessoas, e as crianças atendidas pelo projeto passarão a ter acompanhamento psicológico, por meio da universidade. 

“Esta é uma demanda muito forte da comunidade e a coordenação do curso de Psicologia está bem envolvida. O projeto é transversal e passa por diversas áreas das atléticas e das coordenações dos cursos da universidade”, explica Lepore.

O desafio atual é desenhar o formato que as ações serão realizadas neste ano, por conta das dificuldades de encontros presenciais acarretadas pela pandemia. No ano passado, os únicos encontros presenciais aconteceram quando as crianças passaram por consulta com dentistas e nutricionistas. 

O professor afirma que a universidade também discute a possibilidade de a Liga Solidária Vozes das Periferias ser implementada em outras unidades da São Judas, para que as comunidades de outras regiões do Estado de São Paulo possam ser beneficiadas.