5 razões para fazer parte de uma empresa júnior na universidade

Imagine poder contratar os serviços de uma empresa com profissionais qualificados e excelente infraestrutura, por um preço bem abaixo do mercado. Isso é possível graças às empresas juniores, implantadas dentro das universidades de todo o país.

A ideia foi importada da França, mas o sucesso é tamanho que o Brasil já é o líder mundial em número de empresas com esse formato. Os dados são da pesquisa realizada pelo jornal Bom Dia Brasil, que revelam ainda números promissores: são cerca de 1200, com abertura anual de vagas. Nelas os estudantes têm a oportunidade de criar projetos e prestar serviços para micro e pequenas empresas, organizações não-governamentais, startups e comunidades de empreendedores.

O funcionamento costuma ser semelhante ao de uma empresa normal, com CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) e remuneração para os seus colaboradores. A principal vantagem de uma empresa júnior é ser administrada pelos próprios estudantes, sob a orientação de um professor — um diferencial importante que o dia a dia no mercado de trabalho não oferece.

As funções são semelhantes, e os estudantes são constantemente colocados em situações desafiadoras. O trabalho em equipe e os cargos de liderança, gestão e direção, são muito comuns. Os assuntos aprendidos em sala de aula também podem ser colocados em prática já a partir do primeiro semestre da graduação.

Se você ainda está em dúvida se deve ingressar ou não em uma empresa júnior, confira o nosso post com as 5 principais vantagens desse tipo de experiência!

Possibilidade de pôr em prática conhecimentos da graduação

Não é incomum ouvir de estudantes que participam de uma empresa júnior que essa é uma das experiências mais enriquecedoras da faculdade. Mesmo com as oficinas, cases, seminários e projetos exigidos na sala de aula, é muito mais fácil colocar em prática o conhecimento teórico aprendido quando você vivencia a realidade da sua profissão.

A principal vantagem desse tipo de trabalho em relação a um estágio tradicional é que, na empresa júnior, um professor estará orientando diretamente as suas atividades, sugerindo mudanças e apontando os melhores caminhos. Esse é um benefício que não é oferecido no mercado de trabalho.

Preparação para o mercado de trabalho

Muitos estudantes só têm a oportunidade de se ambientar com o dia a dia da sua profissão por meio de um estágio — e, para muitos cursos, essa experiência só ocorre nos semestres finais da graduação. Uma das principais vantagens de uma empresa júnior é justamente a possibilidade de se preparar diretamente para o mercado logo nos primeiros semestres da faculdade.

Como em uma empresa comum, a júnior pode estar dividida em diversos departamentos, como financeiros, de administração, comunicação e marketing. Os alunos candidatos também passam por um processo seletivo com testes e entrevistas. Essa experiência traz subsídios essenciais para estudantes que acabaram de sair do ensino médio e nunca tiveram contato com qualquer tipo de trabalho em uma empresa.

Como regra geral, as empresas júnior também são administradas pelos próprios graduandos, o que torna possível desenvolver o lado empreendedor, além de aprender na prática temas como gestão financeira e de qualidade, desenvolver protótipos de novos produtos, atuar com recursos humanos, consultoria, planejar projetos para instituições públicas, privadas ou organizações não-governamentais. Esse é o primeiro contato do estudante com o mercado de trabalho e com as funções exigidas pela sua profissão no futuro.

Chances de aumentar o networking

As empresas juniores trabalham com clientes reais, normalmente micro e pequenas empresas que estão em ascensão e precisam do auxílio de estudantes de áreas como administração, marketing, direito e comunicação em seu crescimento. Esse tipo de trabalho é uma oportunidade para estudantes aumentarem o seu networking, visando o futuro na carreira profissional.

Além dessa experiência, os participantes têm a oportunidade de ir para conferências, reuniões com outras empresas (juniores ou não) e ingressar na federação do seu estado. Essa é uma forma de aumentar a rede de relacionamentos não só com profissionais de destaque da sua profissão mas também de outras áreas.

Enriquecimento do currículo

Para estudantes recém-formados, a falta de experiência no currículo é um dos principais complicadores na hora da contratação. Mesmo que você seja um aluno excelente, o mercado de trabalho costuma dar preferência a pessoas que já tenham atuado profissionalmente, principalmente em período de crise, em que as contratações costumam ser mais escassas.

Atuar em uma empresa júnior é uma forma de enriquecer o currículo e facilitar a entrada no mercado de trabalho, seja em um estágio ou trabalho fixo.

Vantagem na competição com outros profissionais

Além de enriquecer substancialmente um currículo, a experiência em uma empresa júnior coloca o estudante e futuro profissional à frente dos concorrentes em processos seletivos.

O espírito empreendedor cultivado nesse tipo de trabalho também é maior do que em estágios comuns. Essa é uma característica que tem sido muito valorizada pelas empresas, que buscam cada vez mais futuros líderes globais, que tragam ideias inovadoras e um diferencial para o seu quadro de colaboradores.

Entre os candidatos comuns, que seguiram o curso natural de uma graduação, e aqueles que têm em seu currículo experiências em empresas juniores — ou seja, foram colocados frente a frente com constantes desafios, aprenderam a trabalhar em equipe, conviveram com empresários de verdade, desenvolveram projetos importantes e assumiram cargos de liderança —, a segunda opção costuma ser muito mais requisitada.

Antes de ingressar em uma universidade, não deixe de conferir a grade curricular e oportunidades profissionais oferecidas para o seu curso. Além de todos os ganhos profissionais, participar de uma empresa júnior é uma experiência enriquecedora também no campo pessoal. Cursos como Administração, Ciências Contábeis, Direito e Marketing são os que mais desenvolvem esse tipo de trabalho, mas outras áreas já estão enxergando as vantagens de investir nessa qualificação.

Os processos seletivos para a contratação de novos membros acontecem anualmente e em algumas universidades até mesmo a cada semestre. Se você deseja ser um empreendedor após a sua formação, essa oportunidade pode ser ainda mais interessante.

Gostou do artigo de hoje? Está pensando em participar de uma empresa júnior? Compartilhe a sua opinião com a gente nos comentários!



Deixe uma resposta