Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: Márcio Flávio Ruaro
Título(s): Efeitos de uma sessão de treinamento de força com restrição de fluxo sanguíneo em diferentes intensidades e largura de manguitos sobre os parâmetros hemodinâmicos, desempenho e psicofisiológicos em adultos saudáveis
Resumo: [pt] Recentemente aumentou consideravelmente o número de estudos relacionados ao treinamento de força (TF) de baixa intensidade (20-50% de 1RM) associado a restrição de fluxo sanguíneo (RFS), demostrando adaptações semelhantes ao TF tradicional de alta intensidade (70-85% de 1RM) em diferentes variáveis. Entretanto, algumas questões metodológicas, tipos de manguitos, intensidades de carga, aplicação e segurança ainda necessitam serem investigadas. Objetivos: Comparar e analisar os efeitos de uma sessão de TF com RFS sobre os parâmetros hemodinâmicos, de desempenho e psicofisiológicos com diferentes intensidades (20 ou 50% de 1RM) e diferentes larguras de manguitos de RFS (7 ou 12 cm para os membros superiores e 12 ou 20 cm para os membros inferiores) em adultos saudáveis. Metodologia: A amostra foi composta por 14 sujeitos (Idade de 29,64 ± 9,16 anos e IMC de 26,33 ± 4,37 Kg/m²). Com delineamento cross-over, os sujeitos foram aleatoriamente randomizados para intervenção em quatro sessões experimentais de exercício resistido (ER) com RFS: a) 20% de 1RM e manguitos com largura de 7 cm e 12 cm (20%-SC); b) 50% de 1RM e manguitos com largura de 7 cm e 12 cm (50%- SC); c) 20% de 1RM e manguitos com largura de 12 cm e 20 cm (20%-LC); d) 50% de 1RM e manguitos com largura de 12 cm e 20 cm (50%-LC). Cada protocolo foi composto por quatro exercícios até a falha muscular. Utilizou-se as anovas two-way de medidas repetidas seguida pelo teste post hoc de Bonferroni. O nível de significância adotado para o estudo foi p<0,05 e utilizou-se o delta (Δ) percentual para comparar alterações geradas pelos protocolos. Resultados: Foram observados diferença significativa na PAS, PAD, FC, DP e PAM em todas as sessões do momento inicial para a média durante os exercícios e para o repouso final (RF) 30 minutos após a sessão. A sessão 20%-SC teve o maior efeito hipotensivo na PAS, PAD, FC, DP e PAM em relação as demais sessões no RF. A sessão 50%-SC obteve o maior delta (Δ= 22,5%) na PAS em relação ao repouso inicial (RI). A sessão 50%-LC obteve o maior delta (Δ= 53%) na PAD e (Δ= 37,3%) na FC em relação ao repouso inicial (RI). As sessões 20%-SC e 20%-LC tiveram um desempenho significativamente melhor no volume dos exercícios. Na percepção subjetiva de esforço (PSE), as sessões com manguitos mais largos (50%-SC e 50%-LC) se mostraram significativamente mais intensas. Em relação a dor (DMIT), os manguitos curtos mostraram valores significativamente maiores nas avaliações de 24h, 48h e 72h após a sessão. A sessão 50%-LC obteve o pior perfil total de humor (Δ = 11,7%). Conclusão: Pudemos concluir que as diferentes larguras de manguito e intensidades de exercício promovem diferentes respostas em relação aos parâmetros investigados. A utilização dos manguitos curtos com baixa intensidade promovem maiores alterações nas respostas hemodinâmicas. Os manguitos largos atrapalham a mecânica do exercício prejudicando o desempenho e piorando o estado de humor dos sujeitos
Resumo: [en] Recently, the number of studies related to low-intensity strength training (20-50% of 1RM) associated with blood flow restriction (BFR) increased considerably, showing similar adaptations to traditional high-intensity training (70- 85% of 1RM) in different variables. However, some methodological issues such as cuff types, load intensities, application and safety still need further investigation. Purpose: To compare and analyze the effects of a BFR exercise session on hemodynamic, performance and psychophysiological parameters with different intensities (20 or 50% of 1RM) and different BFR cuff widths (7 or 12 cm for the upper limbs and 12 or 20 cm for the lower limbs) in healthy adults. Methodology: The sample consisted of 14 subjects (Age 29.64 ± 9.16 years and BMI of 26.33 ± 4.37 Kg/m²). The study had a cross-over design, the subjects were randomized to intervention in four experimental sessions of resistance exercise (RT) with BFR: a) 20% of 1RM and cuffs 7 cm and 12 cm (20%-SC); b) 50% 1RM and cuffs 7 cm and 12 cm wide (50%-SC); c) 20% 1RM and cuffs 12 cm and 20 cm wide (20%-LC); d) 50% 1RM and cuffs 12 cm and 20 cm wide (50%-LC). Each protocol consisted of four RT exercises until muscle failure. Two-way repeated measures test was used followed by Bonferroni post hoc test. The significance level adopted for the study was p <0.05 and the percentage delta (Δ) was used to compare the changes promoted by the protocols. Results: Significant differences (p <0.05) were observed in SBP, DBP, HR, SD and MAP in all sessions from the initial moment to the average during the exercises and to the final rest (RF) 30 minutes after the session. The 20%-SC session had the greatest hypotensive effect on SBP, DBP, HR, DP and MAP compared to the other sessions at RF. The 50%-SC session obtained the largest delta (Δ = 22.5%) in SBP compared to the initial rest (IR). The 50%-LC session obtained the largest delta (Δ = 53%) in DBP and (Δ = 37.3%) in HR compared to initial rest (IR). The 20%-SC and 20%-LC sessions performed better (p <0.05) on exercise volume. In the rating of perceived exertion (RPE), the sessions with wider cuffs (50% -SC and 50% -LC) were significantly more intense. Regarding pain (DOMS), the shorter cuffs had significant higher values in the 24h, 48h and 72h evaluations after the session. The 50%-LC session obtained the worst total mood profile (Δ = 11.7%). Conclusion: We were able to conclude that the different cuff widths and exercise intensities promote different responses in relation to the investigated parameters. The use of short cuffs with low intensity promotes greater changes in hemodynamic responses. The wide cuffs interfere with the mechanics of the exercise, impairing performance and worsening the mood of the subjects.
Titulação: Doutorado em Educação Física
Orientador (a): Érico Chagas Caperuto
Banca

-

Assuntos: Treinamento de força. Restrição de Fluxo Sanguíneo. Força Muscular
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica