Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: Fabio Luis Ceschini
Título(s): DIFERENÇAS REGIONAIS INTERFEREM NO NIVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE ADOLESCENTES? EVIDÊNCIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO SÃO PAULO
Resumo: [pt] INTRODUÇÃO: O período da adolescência é caracterizado por alterações biológicas, psicológicas e sociais, resultando em novos comportamentos com potencial de transferência para a vida adulta. Dentre os comportamentos mais estudados em adolescentes, destaca-se a prática de atividade física espontânea, em que evidências científicas apontam para redução dos minutos semanais gastos em atividade física durante a adolescência.OBJETIVO: Descrever a prevalência de atividade física em adolescentes do Estado de São Paulo de acordo com fatores demográficos, socioeconômicos e ambientais e investigar os fatores de influência. METODOLOGIA:Estudo transversal de base escolar, com amostra representativa de adolescentes entre 14 e 18 anos de ambos os sexos, residentes em 15 municípios do Estado de São Paulo. O processo de amostragem foi a estratificada com reposição, sendo selecionados 5.147 adolescentes estudantes de escolas públicas do Estado de São Paulo. A partir da estratificação dos municípios do Estado de São Paulo em quinze conglomerados, o processo de seleção amostral foi realizado em três fases: 1) Sorteio dos municípios dentro de cada conglomerado; B) seleção das escolas dentro de cada conglomerado e C) seleção das turmas dentro de cada escola. Via survey online por e-mail, os adolescentes responderam questionários sobre: A)características socioeconômicas; B) nível de atividade física; C) comportamentos sedentários e D) percepção das características do ambiente construído. Foram considerados adolescentes ativos aqueles que acumularam pelo menos 300 minutos de atividade física por semana. As associações entre a atividade física total (total de minutos semanais acumulados) e as variáveis demográficas, econômicas, sociais, comportamentais e ambientais foram realizadas pelo teste Qui-Quadrado emodelos de regressão logística hierarquizados e múltiplos. RESULTADOS: A prevalência de atividade física total em adolescentes foi de 52,4% (IC95%: 48,2-56,6%). Residir em municípios com menos de 100 mil habitantes (OR=1,70), receber apoio social dos pais (OR= 1,58), dos amigos (OR=1,15), do professor de Educação Física (OR= 1,41), ficar entre 4 e 8 horas por dia sentado em dia da semana (OR= 2,16) e utilizar o celular mais de três horas por dia (OR= 2,54) estiveram positivamente associado com a prevalência de atividade física total. Independentemente do sexo e número de habitantes no município, utilizar o celular mais de 3 horas por dia esteve associado positivamente à atividade física total e ao tempo sentado em dia da semana. Observou-se simultaneidade de comportamento (ativo e sedentário) em mais da metade dos adolescentes avaliados, independentemente do número de habitantes do município. No modelo de regressão múltiplo, considerando o sexo e o número de habitantes no município, diferentes variáveis ambientais estiveram associadas à atividade física total. Adolescentes residentes em municípios com mais de 1 milhão de habitantes as variáveis ambientais associadas a atividade física total foram a presença de academias, parques, áreas de lazer ciclovias e calçadas. Por outro lado, residentes em municípios com menos de 1 milhão de habitantes, a presença de comércio e de escolas próximas a residência foram associadas a atividade física total. CONCLUSÃO: Variáveis demográficas, econômicas, sociais e ambientais de acordo com o sexo e do número de habitantes do município, se associaram à atividade física total sendo, levando-nos a hipotetizar, que programas de intervenções considerem a relação dos determinantes apresentados em função do sexo e das características demográficas do município.
Abstract: [en] INTRODUCTION: The adolescence is characterized by biological, psychological and social changes resulting in new behaviors with transfer potential for adult life. Among the behaviors most studied in adolescents, we highlight the practice of spontaneous physical activity, where scientific evidence points to a reduction in the weekly minutes spent on physical activity during adolescence. OBJECTIVE: Describe the prevalence of physical activity in adolescents from the State of São Paulo according to demographic, socioeconomic and environmental factors as well investigate the influence factors. METHODS: Cross-sectional study with a representative sample of adolescents between 14 and 18 years of age, male and female, living in 15 municipalities in the State of São Paulo. The sampling process was stratified with replacement, being selected 5,147 adolescents students from public schools in the State of São Paulo. From the stratification of the municipalities of the State of São Paulo in fifteen conglomerates, the sampling selection process was carried out in three phases: 1) Drawings of the municipalities within each conglomerate; B) selection of schools within each conglomerate and C) selection of classes within each school. Via online survey via e-mail, adolescents answered questionnaires about: A) socioeconomic characteristics; B) level of physical activity; C) sedentary behaviors and D) perception of the characteristics of the built environment. Active adolescents were those who accumulated at least 300 minutes of physical activity per week. The associations between total physical activity (total accumulated weekly minutes) and demographic, economic, social, behavioral and environmental variables were performed by the Chi-Square test and hierarchical and multiple logistic regression models. RESULTS: The prevalence of total physical activity in adolescents’ students of state schools in the morning period of the State of São Paulo was 52.4% (95% CI: 48.2-56.6%). Resident in municipalities with less than 100,000 inhabitants (OR = 1.70), receive social support from parents (OR = 1.58), friends (OR = 1.15), physical education teacher (OR = 1, 41), being between 4 and 8 hours per day sitting on the day of the week (OR = 2.16) and using the cell phone more than three hours per day (OR = 2.54) were positively associated with the prevalence of total physical activity. Regardless of sex and number of inhabitants in the municipality, using the cell phone more than 3 hours a day was positively associated with total physical activity and sitting time on the day of the week. Concurrent behavior (active and sedentary) was observed in more than half of the adolescents evaluated, regardless of the number of inhabitants of the municipality. In the multiple regression model, considering the gender and the number of inhabitants in the municipality, different environmental variables were associated with total physical activity. Adolescents living in municipalities with more than 1 million inhabitants the environmental variables associated with total physical activity were the presence of gyms, parks, leisure areas, bike paths and sidewalks. On the other hand, residents in municipalities with less than 1 million inhabitants, the presence of commerce and schools close to home were associated with total physical activity. CONCLUSION: Demographic, economic, social and environmental variables according to sex and the number of inhabitants of the municipality were associated with total physical activity, leading us to hypothesize that intervention programs consider the relation of the determinants presented in function of the and demographic characteristics of the municipality.
Titulação: Mestrado em Educação Física
Orientador (a): Prof. Dr. Aylton Figueira Júnior
Banca

-

Assuntos: atividade física, adolescente, ambiente e fatores associados.
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica