Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: Marisa Cecilia Loffredo
Título(s): Migração atlética internacional e aculturação de atleta de elite do handebol feminino brasileiro: estudo de caso
Resumo: [pt]O deslocamento de pessoas e populações ocorrido em fins do século XX e início deste repercutiu também no esporte, num importante movimento de atletas denominado migração atlética, em busca de seu desenvolvimento esportivo e ultrapassando os limites das fronteiras nacionais. Com a globalização do esporte, também migraram inúmeras atletas brasileiras de handebol feminino, e se constatou a influência desse processo no esporte contemporâneo, o que levou à necessidade de estudar a aculturação relativa a esse fenômeno. Este trabalho é um estudo de caso qualitativo cujo objetivo foi analisar a migração atlética e a aculturação num país culturalmente diverso e suas consequências. Foi escolhida uma atleta de elite do handebol feminino brasileiro que atuou em campeonatos mundiais e Jogos Olímpicos e teve experiências como migrante atlética internacional, que concedeu uma entrevista individual, aberta e com roteiro semiestruturado como técnica de coleta de informações. Na análise da entrevista foram identificados temas centrais do modelo de transição cultural de Ryba, Stambulova e Ronkainen (2016). Na fase de pretransição, revelou-se, por exemplo, que a atleta não foi preparação para enfrentar a migração atlética internacional. Na fase de adaptação cultural aguda, ficaram evidentes questões relativas ao choque cultural, pautadas em sofrimento e solidão. Por outro lado, a jogadora também mostrou vontade, disposição, entusiasmo e esperança de novas oportunidades. Na fase de adaptação sociocultural, ela claramente se mostrou mais bem ajustada aos novos ambientes e superou algumas das dificuldades experimentadas na fase anterior em relação ao idioma, a preconceito, solidão, saudade e uso da moeda local. Entre os principais pontos que poderiam dificultar o processo de aculturação na migração atlética, foram arroladas questões atinentes a informações sobre o futuro país/clube, o idioma, apoio e discriminação social, distância da família e diferenças culturais, que poder constranger o atleta a situações de isolamento ou dificuldade de estabelecer relações interpessoais.
Abstract: [en] The migration of people and population that took place at the end of the last century and beginning of this also promoted reverberations on the sport together with an important movement of athletes called athletic migration, that were in search of their improvement in sports, beyond national borders. With the globalization of the sport, this has also occurred with countless Brazilian female handball athletes, along with the confirmation and influence of this process in the contemporary globalized sport, which has promoted the need for studies on this diversity in relation to athletic migration. It is a qualitative case of study whose objective was to analyze the acculturation and athletic migration for a culturally diverse country and its consequences. The choice was made by a top female Brazilian handball athlete who participated in world championships, Olympic Games, and had experiences as an international athletic migrant. An open, individual and semi-structured interview was conducted as a technique for collecting data. By means of the analysis of the interview, central themes were analyzed by both Ryba’s, Stambulova e Ronkainen cultural transition model and collaborators (2016). In the pre-transition phase, the analysis reveals, among other aspects, that there was no preparation for the athlete's international athletic migration. In the phase of the acute cultural adaptation, the issues related to the cultural shock based on suffering and loneliness was evident. On the other hand, the willingness and disposition, enthusiasm and hope of new opportunities were some of the behavior presented by the player. In the socio-cultural adaptation phase, the athlete's better adjustment to new environments and the overcoming of some of the difficulties experienced in the previous phase regarding language, prejudice, loneliness, nostalgia and use of the local currency became evident. Among the main points identified that could at some point complicate the process of acculturation in athletic migration, questions related to future country / club information, language, social support and discrimination, family distance, cultural differences, the athlete going through situations of isolation and difficulties of establishing interpersonal relations.
Titulação: Mestrado em Educação Física
Orientador (a): Prof. Maria Regina Ferreira Brandão
Banca

-

Assuntos: Esporte, Aspectos psicológicos, Aculturação, Atleta, Handebol, Migração
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica