Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: João Marcelo de Queiroz Miranda
Título(s): Efeito de nove semanas de treinamento periodizado linear e ondulatório no rendimento esportivo de tenistas adolescentes.
Resumo: [pt] A exigência física durante uma partida de tênis pode ser determinante para a vitória ou derrota contra o oponente e o treinamento físico tem assumido fator importante nesse processo. Dessa forma, o objetivo deste projeto foi verificar o efeito de dois modelos de periodização de treinamento de força após nove semanas sobre indicadores de desempenho no jogo de tênis, aptidão física e velocidade das habilidades específicas em tenistas adolescentes. Foram selecionados 27 tenistas divididos em três diferentes grupos de investigação: grupo controle (GC) e os grupos de treinamento de força com periodização linear (GL) e periodização ondulatória (GO), todos compostos por adolescentes com idade de 14 a 18 anos do sexo masculino. Antes (PRÉ) e depois (PÓS) da intervenção de 9 semanas foram avaliados a composição corporal, capacidades físicas, velocidades do saque, forehand (FH) e backhand (BH). Antes, durante e após a partida de tênis foi monitorado a intensidade por meio da frequência cardíaca (FC), nível de lactato sanguíneo (LAC) e percepção subjetiva de esforço (PSE). Foram analisados pelo scout e por meio da videografia o número de troca de bolas nos ralis, a duração dos ralis e os intervalos entre ralis. Além disso, a distância total percorrida na partida foi mensurada pelo GPS Garmin modelo Forerunner 610. Os resultados foram expressos pela média e desvio padrão. A normalidade dos dados foi verificada pelo Software Prism, versão 5, pelo teste Shapiro-Wilk. Os testes Kruskal Walis seguido do post hoc de Dunns e Anova Two Way utilizado para comparação dos grupos nos momentos PRÉ e PÓS. Foram considerados valores de p <0,05 significantes e calculado a magnitude do efeito (ME) da intervenção de treinamento nas variáveis considerando os tenistas treinados recreacionalmente. Os principais achados mostraram que GO E GL melhoraram os indicadores de desempenho ao longo da partida em relação ao GC. O GO apresentou redução de LAC (%) e FC (%) antes do início da partida, menor PSE (%) no trigésimo minuto da partida e menor FC (%) no sexagésimo minuto da partida. Os ralis foram mais longos (%) entre 30 e 60 minutos no GO e o número de trocas de bola aumentou (%) entre 60 e 90 minutos no GO. A distância percorrida e o número de passos foram maiores no GL e GO durante o jogo. Observamos melhor desempenho do GO vs GL nos testes de velocidade e resistência anaeróbia, aumento da potência aeróbia máxima em ambos grupos de treinamento, melhora nos testes das diferentes manifestações de força no GL e GO e redução da flexibilidade apenas no GO. Embora o estudo apresente algumas limitações metodológicas, consideramos que o programa de treinamento físico promoveu alterações positivas, considerando os diferentes modelos de periodização na força muscular e desenvolvimento da especificidade da modalidade e resistência. Desta forma podemos concluir que o GO apresentou mudanças significantes em 11 variáveis de aptidão física enquanto que o GL em 8 variáveis. Em relação a velocidade de execução dos fundamentos técnicos, GO apresentou magnitude moderada-grande no saque, FH e BH, enquanto GL apresentou pequena-moderada em saque e FH. Ainda ressaltamos que o estudo estabeleceu uma relação entre a melhora das capacidades físicas e os indicadores de desempenho antes, durante e após a partida, o que pode fornecer aos técnicos e preparadores físicos subsídios mais concretos para o planejamento do treinamento em longo prazo assim como a escolha da participação do atleta em competições mais ou menos importantes.
Abstract: [en] The physical requirement during a tennis match can be decisive for the victory or defeat against the opponent and physical training has assumed an important factor in this process. Thus, the objective of this project was to verify the effect of two strength training periodization models after nine weeks on performance indicators in the game of tennis, physical fitness and speed of specific skills in adolescent tennis players. We selected 27 tennis players divided into three different research groups: control group (CG) and strength training groups with linear periodization (GL) and wave periodization (GO), all composed of adolescents aged 14 to 18 years of age male. Pre (PRE) and post (POS) of the intervention of 9 weeks were evaluated the body composition, physical capacities, service speeds, forehand (FH) and backhand (BH). Before, during and after tennis match, intensity was monitored by means of heart rate (HR), blood lactate level (BLL) and subjective perception of effort (SPE). The scout and videography were analyzed by the number of ball changes in rallies, the duration of rallies and the intervals between rallies. In addition, the total distance traveled in the match was measured by the Garmin GPS model Forerunner 610. The results were expressed by means and standard deviation. The normality of the data was verified by Software Prism, version 5, by the Shapiro-Wilk test. The Kruskal Walis tests followed by the post hoc Dunns and Anova Two Way used for comparison of groups in the PRE and POS moments. Significant p <0.05 values were considered and the effect size (ES) of the training intervention in the variables considering the recreationally trained tennis players was calculated. The main findings showed that GO E GL improved the performance indicators throughout the game compared to the CG. The GO showed a reduction of BLL (%) and HR (%) before the start of the match, lower SPE (%) in the thirtieth minute of the match and lower HR (%) in the sixtieth minute of the match. The rallies were longer (%) between 30 and 60 minutes in the GO and the number of ball changes increased (%) between 60 and 90 minutes in the GO. The distance traveled, the number of steps, were higher in GL and GO during the game. We observed better performance of the GO vs GL in the tests of anaerobic velocity and resistance, increase of the maximum aerobic power in both groups of training, improvement in the tests of the different manifestations of strength in the GL and GO and reduction of the flexibility only in the GO. Although the study presents some methodological limitations, we consider that the physical training program promoted positive changes, considering the different models of periodization in muscular strength and development of the specificity of the modality and resistance. In this way we can conclude that the GO showed significant changes in 11 physical fitness variables while the GL in 8 variables. Regarding the speed of execution of the technical fundamentals, GO showed moderate-large magnitude in the serve, FH and BH, while GL presented small-moderate in serve and FH. We also pointed out that the study established a relationship between the improvement of physical capacities and performance indicators before, during and after departure, which can provide technicians and physical trainers with more concrete subsidies for long-term training planning as well as choice of the athlete's participation in more or less important competitions.
Titulação: Doutorado em Educação Física
Orientador (a): Prof. Aylton Figueira Junior
Banca

-

Assuntos: Tênis de campo, Periodização de treinamento físico, Força muscular, Respostas fisiológicas
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica