Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: Caroline Leonor da Silva
Título(s): [pt] Vida adulta e envelhecimento com TEA: tratamento, prognóstico e dificuldades segundo profissionais
Resumo: [pt] O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é um distúrbio que afeta o desenvolvimento neurológico de indivíduos desde a infância, cujos sintomas envolvem a presença de comportamentos, atividades e interesses restritos e estereotipados e déficits na comunicação e interação social. Os sintomas variam em graus de severidade e se estendem por toda a vida, prejudicando o desenvolvimento e o funcionamento diário do indivíduo. O prognóstico varia de acordo com o grau dos sintomas e do tratamento recebido, que deve ser multidisciplinar. Tendo em vista a longevidade do TEA e suas possíveis implicações no envelhecimento dos indivíduos é que este estudo teve por objetivo geral investigar as características do envelhecimento de pessoas com TEA e dos tratamentos oferecidos a indivíduos adultos com esse transtorno sob a visão de profissionais. Mais especificamente, objetivou-se investigar: o perfil profissional dos participantes; o perfil sintomatológico e sóciodemográfico dos adultos assistidos por esses profissionais; a percepção dos profissionais quanto aos cuidados fornecidos pelos cuidadores dos assistidos; as características das intervenções realizadas; as dificuldades encontradas no trabalho com adultos com TEA; e as expectativas dos profissionais quanto a seus assistidos. Participaram da pesquisa 109 profissionais da saúde e da educação que trabalharam nos últimos dez anos com pessoas adultas com TEA, e que responderam, voluntariamente, a um questionário online, com 53 questões. Os resultados foram analisados por meio de estatística descritiva e da Análise de Correspondência Múltipla. Também foi utilizada a Análise de Conteúdo proposta por Bardin (2011). A maioria dos participantes era do gênero feminino (82,6%), da área da psicologia (52,3%), com idade entre 30 e 59 anos (62,4%) e residente do estado de São Paulo (65,1%). As pessoas atendidas por esses profissionais eram majoritariamente homens (96,3%), cuidados por ambos os pais (45,9%) ou somente pela mãe (47,7%). Os assistidos mais velhos dos participantes tinham entre 30 e 59 anos (54,1%), moravam com familiares (93,6%), tinham grau severo de TEA (41,3%), eram dependentes de outras pessoas em algumas tarefas (57,8%). As intervenções realizadas eram na maioria em equipes (86,2%), aplicadas individualmente (43,2%) com base na Análise do Comportamento (62,4%), com objetivo de promover independência e autonomia. Por meio dos resultados, conclui-se que o envelhecimento dessa população ainda é pouco explorado e que é preciso estudar mais este processo, visto as modificações nas classificações, na epidemiologia e nos tratamentos. Sugere-se a realização de estudos longitudinais para averiguar os efeitos das intervenções a longo prazo visando obter dados sobre a efetividade das terapêuticas, para adequar os serviços oferecidos a essa população e aumentar a qualidade de vida e oportunidades deles e de suas famílias.
Abstract: [en] The Autism Spectrum Disorders (ASD) is a neurodevelopmental disorder, present since the childhood, whose symptoms involve restrict, repetitive patterns of behavior, interests, or activities and deficits in social communication and social interaction. This symptoms vary in degrees of severity and extends throughout the individual's life, impairing in his development and daily operation. The prognosis varies according to the degree of symptoms and treatment received, which should be multidisciplinary. In view of the longevity of ASD and its possible implications in the aging of individuals, this study aimed to investigate the characteristics of the aging of people with ASD and the treatments offered to adults with this disorder by he vision of professionals. More specifically, the objectives were to investigate: the participant’s professional profile; the symptomatic and socioeconomic profile of the adults assisted by these professionals; the professional’s perception regarding the care provided by individual’s caregivers; the intervention’s characteristics performed; difficulties encountered in working with adults with ASD; and the professional’s expectations regarding their learner. A total of 109 health and education professionals that working in the last 10 years with adults with ASD participated in the study, voluntarily answering an online questionnaire with 53 questions. The results were analyzed through descriptive statistics and the Multiple Correspondence Analysis. We also used the Content Analysis proposed by Bardin (2011). The majority of participants were female (82, 6%) psychologist (52, 3%) aged between 30 and 59 years (62, 4%) and resident on São Paulo’s state (65,1%). The people attended by these professionals were mostly men (96, 3%); care by both parents (45.9%) or only by the mother (47.7%). The older people attended by participants were between 30 and 59 years of age (54.1%), lived with relatives (93.6%), had a severe grade of ASD (41.3%), and were dependent by other people for some tasks (57.8%). The interventions were mostly in teams (86.2%), applied individually (43.2%) based on Behavior Analysis (62.4%), with the aim of promoting independence and autonomy. Through the results, it is concluded that the aging of this population is still little explored and that it is necessary to study this process more, considering the changes in classifications, epidemiology and treatments. Longitudinal studies are suggested to investigate the effects of long-term interventions in order to obtain data on the effectiveness of therapies, to adapt the services offered to this population, and to increase the quality of life and opportunities for them and their families.
Titulação: Mestrado em Ciências do Envelhecimento
Orientador (a): Profa. Carla Witter
Banca

-

Assuntos: Senescência, Autismo, Envelhecer, Cuidados com a saúde.
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica