Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: Catarina de Andrade Barboza
Título(s): [pt] Treinamento físico aeróbico e resistido associado à estimulação colinérgica por brometo de piridostigmina previamente ao infarto do miocárdio em ratos: efeitos na função cardíaca, autonômica e perfil inflamatório
Resumo: [pt] No contexto das doenças cardiovasculares (DCV), a alta incidência do infarto do miocárdio (IM) consiste em um enorme problema de saúde pública, cujas complicações, como redução funcional do miocárdio, associado a disfunção autonômica e alterações no sistema imunológico elevam os índices de mortalidade em todo o mundo. Assim, diferentes estratégias terapêuticas tem sido estudadas afim de prevenir e/ou atenuar tais disfunções. Portanto, com intuito de obter redução na morbidade e mortalidade, o treinamento físico (TF), aeróbio e mais recentemente, o resistido, tem sido recomendado na prevenção/manejo das DCV por apresentar benefícios frente a diferentes fatores de risco. Por outro lado, a administração de brometo de piridostigmina (PIR), um inibidor da acetilcolinesterase, tem demonstrado potencial benéfico em diferentes patologias, dentre elas a insuficiência cardíaca, promovendo melhora na função cardíaca e autonômica. Nesse sentido, o objetivo principal do presente estudo foi avaliar os efeitos da estimulação colinérgica prolongada com o PIR, na função ventricular e autonômica, bem como o impacto no perfil inflamatório associado ao TF aeróbico ou resistido prévio ao IM. Para tal, foram utilizados ratos Wistar macho, dividido em (n=9, por grupo): controle (C), sedentário + IM (SI), sedentário + PIR + infarto (SPI), treinamento aeróbio + IM (TAI), treinamento aeróbio + PIR + infarto (TAPI), treinamento resistido + IM (TRI), treinamento resistido + PIR + infarto (TRPI), submetidos a 60 dias de TF aeróbico ou resistido associados ao tratamento farmacológico com PIR (0,14 mg/ml/dia). Como resultados, houve melhora adicional na capacidade física dos grupos treinados associados com tratamento. A área de IM foi menor nos animais tratados com PIR e de forma semelhante, a fração de ejeção foi aumentada nos grupos tratados com PIR. A sensibilidade barorreflexa também estava melhorada nos grupos treinados e tratados, tendo sido mais responsivo ao treinamento aeróbico. O que também foi observado no 15 tônus vagal, aumentada nos grupos tratados isoladamente. Já no tônus simpático, tanto o tratamento e o TF, isoladamente, quanto a associação, foram eficazes em prevenir o aumento dessa variável. No entanto, uma redução adicional do tônus simpático foi evidenciada nos grupos associação. Assim, tais dados sugerem que o efeito preventivo da estimulação colinérgica com PIR isoladamente foi evidenciado na redução das alterações cardíacas, melhora da função ventricular e das respostas imunológicas. Assim como a associação entre os tipos de TF e o tratamento com PIR se mostrou eficaz em prevenir a redução da capacidade física de acordo com as especificidade do treinamento, e do tônus. Dessa forma, a associação entre tais estratégias terapêuticas apresentam impacto relevante pelos benefícios do treinamento físico aeróbio/resistido na cardioproteção aos efeitos deletérios da isquemia miocárdica. No contexto das doenças cardiovasculares (DCV), a alta incidência do infarto do miocárdio (IM) consiste em um enorme problema de saúde pública, cujas complicações, como redução funcional do miocárdio, associado a disfunção autonômica e alterações no sistema imunológico elevam os índices de mortalidade em todo o mundo. Assim, diferentes estratégias terapêuticas tem sido estudadas afim de prevenir e/ou atenuar tais disfunções. Portanto, com intuito de obter redução na morbidade e mortalidade, o treinamento físico (TF), aeróbio e mais recentemente, o resistido, tem sido recomendado na prevenção/manejo das DCV por apresentar benefícios frente a diferentes fatores de risco. Por outro lado, a administração de brometo de piridostigmina (PIR), um inibidor da acetilcolinesterase, tem demonstrado potencial benéfico em diferentes patologias, dentre elas a insuficiência cardíaca, promovendo melhora na função cardíaca e autonômica. Nesse sentido, o objetivo principal do presente estudo foi avaliar os efeitos da estimulação colinérgica prolongada com o PIR, na função ventricular e autonômica, bem como o impacto no perfil inflamatório associado ao TF aeróbico ou resistido prévio ao IM. Para tal, foram utilizados ratos Wistar macho, dividido em (n=9, por grupo): controle (C), sedentário + IM (SI), sedentário + PIR + infarto (SPI), treinamento aeróbio + IM (TAI), treinamento aeróbio + PIR + infarto (TAPI), treinamento resistido + IM (TRI), treinamento resistido + PIR + infarto (TRPI), submetidos a 60 dias de TF aeróbico ou resistido associados ao tratamento farmacológico com PIR (0,14 mg/ml/dia). Como resultados, houve melhora adicional na capacidade física dos grupos treinados associados com tratamento. A área de IM foi menor nos animais tratados com PIR e de forma semelhante, a fração de ejeção foi aumentada nos grupos tratados com PIR. A sensibilidade barorreflexa também estava melhorada nos grupos treinados e tratados, tendo sido mais responsivo ao treinamento aeróbico. O que também foi observado no 15 tônus vagal, aumentada nos grupos tratados isoladamente. Já no tônus simpático, tanto o tratamento e o TF, isoladamente, quanto a associação, foram eficazes em prevenir o aumento dessa variável. No entanto, uma redução adicional do tônus simpático foi evidenciada nos grupos associação. Assim, tais dados sugerem que o efeito preventivo da estimulação colinérgica com PIR isoladamente foi evidenciado na redução das alterações cardíacas, melhora da função ventricular e das respostas imunológicas. Assim como a associação entre os tipos de TF e o tratamento com PIR se mostrou eficaz em prevenir a redução da capacidade física de acordo com as especificidade do treinamento, e do tônus. Dessa forma, a associação entre tais estratégias terapêuticas apresentam impacto relevante pelos benefícios do treinamento físico aeróbio/resistido na cardioproteção aos efeitos deletérios da isquemia miocárdica. .
Abstract: [en] In the context of cardiovascular diseases (CVD), the high incidence of myocardial infarction (MI) is a huge public health problem, whose complications such as functional reduction of the myocardium associated with autonomic dysfunction and alterations in the inflammatory profile raise the mortality worldwide. Thus, different therapeutic strategies have been studied in order to prevent and / or mitigate such dysfunctions. Therefore, in order to obtain a reduction in morbidity and mortality, exercise training (ET), aerobic and, more recently, resistance training, has been recommended in the prevention / management of CVD because it presents benefits against different risk factors. On the other hand, the administration of pyridostigmine bromide (PYR), an acetylcholinesterase inhibitor, has demonstrated beneficial potential in different pathologies, among them heart failure, promoting improvement in cardiac and autonomic function. In this sense, the main goal of the present study was to evaluate the possible effects of prolonged cholinergic stimulation with the PYR, in the ventricular and autonomic function, as well as the impact on the inflammatory profile associated with the aerobic or resistance training prior to MI. Male Wistar rats were divided in (n = 9, per group): control (C), sedentary + MI (SI), sedentary + PYR + infarcted (SPI), aerobic training + infarcted (TAI), aerobic training + PYR+ infarcted (TAPI), resistance +infarcted (TRI), resistance training + PYR + infarcted (TRPI), submitted to 60 days of aerobic or resistance training combined with pharmacological treatment with PYR (0.14 mg / ml / day). As results, there was an additional improvement in the physical capacity of the trained groups associated with treatment. The MI area was smaller in the PYR treated animals and similarly, the ejection fraction was increased in the PYR treated groups. Baroreflex sensitivity was also improved in trained and treated groups, and was 17 more responsive to aerobic training. This was also observed in the vagal tonus, increased in the groups treated alone. In the sympathetic tone, both the treatment and the ET, alone, as well as the combination, were effective in preventing the increase of this variable. However, an additional reduction of sympathetic tone was evidenced in the combined groups. Thus, such data suggest that the preventive effect of cholinergic stimulation with PYR alone was evidenced in the reduction of cardiac alterations and improvement of ventricular function. As well as the combined between ET types and PYR treatment has been shown to be effective in preventing physical capacity reduction according to training specificity and tone. Thus, the combined between such therapeutic strategies has a relevant impact by the benefits of aerobic / resistance training in cardioprotection to the deleterious effects of myocardial ischemia.
Titulação: Doutorado em Educação Física
Orientador (a): Prof. Érico Chagas Caperutoa
Banca

-

Assuntos: Treinamento físico prévio, Brometo de piridostigmina, Infarto do miocárdio.
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica