Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: Almir de Fran├ža Ferraz
Título(s): [pt] Fatores de risco associados às doenças metabólicas e cardiovasculares em policiais militares do Estado de Mato Grosso.
Resumo: INTRODUÇÃO: Os fatores de risco são responsáveis pelo aumento da prevalência de doenças crônicas não comunicáveis (DCNC) trazendo prejuízos à saúde para uma considerável parcela de adultos. OBJETIVO: Identificar os fatores de risco associados ao desenvolvimento das doenças metabólicas e cardiovasculares em policiais militares de diferentes unidades do Estado de Mato Grosso. METODOLOGIA: Foram avaliados 146 policiais militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (policiais militares do especializado) e do 3° Batalhão de Polícia Militar (policiais do patrulhamento ostensivo), todos do sexo masculino, com média de idade de 33,49 ± 7,25 anos, compostos por: Soldados (41,10%), Cabos (26,70%), Sargentos (16,44%), Subtenentes (4,80%), Tenentes (4,80%), Capitães (2,74%), Majores (2,74%) e Tenente Coronel (0,68%). Utilizou-se questionário de levantamento transversal para coletar informações do estilo de vida dessa amostra referente ao consumo de álcool (AUDIT), utilização do tabaco (protocolo de Fargerström), hábitos alimentares (protocolo de frequência alimentar), qualidade de sono (protocolo de Pittsburgh), utilização de remédio, questionário de atividade física (IPAQ) versão 8 - longa. Foram realizadas avaliações antropométricas (Massa Corporal, Estatura, IMC, RCQ e percentual de gordura) e testes de aptidão física por meio de exercícios físicos de corrida 12 minutos, barra fixa, flexão de braço e abdominal remador. Os resultados foram analisados, estatisticamente, pelo Teste T e U Mann-Whitney, Qui quadrado com nível de significância de p‹0,05. RESULTADOS: Encontramos média amostral da idade de 33 7 anos, tempo de serviço de 11 7 anos, massa corporal de 85,70 13,61 Kg; estatura 1,76 0,06 m; circunferência abdominal 0,92 0,01 cm; IMC 27,00 0,32 kg/m² e RCQ 0,92 0,18. O tempo médio acumulado de atividade física foi 122,72 90,79 min/sem. A média do tempo sentado entre ¼ a ½ do dia foi 356 165 min/dia, com 80% desses com alta prevalência de inatividade física. A classificação do nível de atividade física demonstrou que policiais militares ativos 59,6% e insuficientemente ativos 40,4%. Em relação aos testes de aptidão física, encontramos valores médios da corrida 12’ (2.242±341,78) metros, barra fixa (8±4) repetições, flexão de braço (35±14) repetições e abdominais (40±13) repetições. Resultados do estilo de vida demonstraram que o consumo de álcool obteve elevada prevalência (p=0,04; OR=0,50; IC 0,26-0,98), bem como, as quantidades de doses (p=0,00; OR=0,40; IC 0,20-0,79), demonstrando consumo de risco de policiais, “binge drinking”. O uso de tabaco teve associações entre grupos de policiais muito expressivas: fumantes e não fumantes (p=0,01); quantidade de cigarros (p=0,02). Com relação aos hábitos alimentares demonstraram várias associações e baixo consumo de frutas e verduras, com 78,1%, (p=0,00; OR=0,30; IC 0,13-0,72). A inatividade física influencia na associação dos fatores de risco de policiais de patrulhamento ostensivo e especializado com tabaco (p=0,03), excesso de massa corporal (p=0,03), circunferência abdominal (p=0,01), hábitos alimentares (p=0,01) e aptidão cardiorrespiratória (p=0,00). A análise bivariada demonstrou que os fatores de risco acumulados apresentaram associações com: tipo de serviço com álcool-inativo (p=0,00; OR=0,39; IC=0,20-0,78) e a circunferência abdominal com inativo-hábito alimentar (p=0,03; OR=0,48; IC=0,25-0,94). A capacidade funcional e vitalidade apresentaram as maiores médias de escore dos domínios da qualidade de vida. Não houve associação bivariada e somatórios de comportamento de risco com as variáveis de qualidade de vida e de sono. Os determinantes socioambientais apresentaram associações com inatividade física e as análises bivariadas e somatórios de comportamento de risco com o uso de transporte público, locomoção, moradia e condições e segurança para pratica de atividade física. CONCLUSÃO: Os resultados demonstraram que a associação entre o estilo de vida do policial militar, aspectos bio-socio-ambientais e fatores de risco contribui no possível desenvolvimento de doenças crônicas metabólicas e cardiovasculares em policiais militares, atribuindo resultados diferentes para as análise segmentadas e bivariadas/somatórias.
Abstract: [en] INTRODUCTION: Risk factors are responsible for the increase in the prevalence of chronic noncommunicable diseases (NCD), resulting in health damages for a considerable portion of adults. OBJECTIVE: To identify the risk factors associated with the development of metabolic and cardiovascular diseases in military police officers from different units of the State of Mato Grosso. METHODS: A total of 146 military police officers from the Battalion of Special Police Operations (military police officers) and the 3rd Military Police Battalion (ostensible patrol officers) were evaluated, all males, with a mean age of 33.49 ± 7, (4,80%), Lieutenants (4,80%), Captains (2, 3, 74%), Majores (2.74%) and Lieutenant Colonel (0.68%). A cross-sectional questionnaire was used to collect lifestyle information from this sample regarding alcohol consumption (AUDIT), tobacco use (Fargerström protocol), eating habits, sleep quality (Pittsburgh protocol), Use of medication, physical activity questionnaire (IPAQ) version 8 - long. Anthropometric evaluations (Body Mass, Stature, BMI, WHR and percentage of fat) and physical fitness tests were performed through 12 - minute physical exercise, fixed bar, arm flexion and abdominal rower. The results were statistically analyzed by the Mann-Whitney T-test and U-test, Chi-square with significance level of p ‹0.05. RESULTS: We found a sample mean age of 33 7 years, length of service of 11 7 years, body mass of 85.70 13.61 kg; Stature 1.76 0.06 m; Abdominal circumference 0.92 0.01 cm; BMI 27.00 0.32 kg / m² and WHR 0.92 0.18. The mean accumulated physical activity time was 122.72 90.79 min / wk. The mean of sitting time between ¼ and ½ of the day was 356 165 min / day, with 80% of those with a high prevalence of physical inactivity. The classification of the level of physical activity showed that active military police 59.6% and insufficiently active 40.4%. In relation to physical fitness tests, we found mean values of running 12 '(2,242 ± 341,78) meters, fixed bar (8 ± 4) repetitions, arm flexion (35 ± 14) repetitions and abdominal (40 ± 13) repetitions . Results of lifestyle showed that alcohol consumption had a high prevalence (p = 0.04, OR = 0.50, CI 0.26-0.98), as well as the dose amounts (p = 0.00 , OR = 0.40, CI 0.20-0.79), showing police risk consumption, "binge drinking". Tobacco use had associations among very expressive police groups: smokers and nonsmokers (p = 0.01); Number of cigarettes (p = 0.02). Regarding dietary habits, there were several associations and low consumption of fruits and vegetables, with 78.1% (p = 0.00, OR = 0.30, CI 0.13-0.72). Physical inactivity influences the association of risk factors for ostensible and specialized police patrols with tobacco (p = 0.03), excess body mass (p = 0.03), abdominal circumference (p = 0.01), habits (P = 0.01) and cardiorespiratory fitness (p = 0.00). The bivariate analysis showed that the accumulated risk factors presented associations with: type of service with alcohol-inactive (p = 0.00, OR = 0.39, CI = 0.20-0.78) and waist circumference with inactive (P = 0.03, OR = 0.48, CI = 0.25-0.94). The functional capacity and vitality presented the highest mean scores in the domains of quality of life. There was no bivariate association and sum of risk behavior with the variables of quality of life and sleep. The socioenvironmental determinants presented associations with physical inactivity and bivariate and summative analyzes of risk behavior with the use of public transportation, locomotion, housing and conditions and safety for physical activity practice. CONCLUSION: The results showed that the association between the military police lifestyle, bio-socio-environmental aspects and risk factors contributes to the possible development of chronic metabolic and cardiovascular diseases in military police officers, assigning different results to segmented and bivariate analyzes / Sums.
Titulação: Mestrado em Educação Física
Orientador (a): Prof. Aylton José Figueira Júnior
Banca

-

Assuntos: Policiais, Atividade Física, Aptidão Física, Qualidade de Vida, Doenças Crônicas
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica