Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: Elisabete De Marco Ornelas
Título(s): [pt] Efeitos do treinamento resistido associado á dieta com proteína de origem animal ou vegetal no tecido adiposo visceral de ratas idosas ovariectomizadas.
Resumo: [pt] Estudos apontam que mulheres na menopausa apresentam maior deposição de gordura corporal, alterações no perfil lipídico, redução da capacidade oxidativa, aumento das concentrações de marcadores inflamatórios e de doenças cardiovasculares. Intervenções não farmacológicas como atividade física e dieta podem atenuar esse quadro. Dessa forma o objetivo do presente estudo foi avaliar os efeitos do treinamento resistido associado a fontes de proteínas de diferentes origens, no tecido adiposo visceral, em ratas idosas ovariectomizadas. Foram utilizadas 64 ratas Wistar adultas, divididas em 8 grupos (n = 8): Controle Vegetal Sedentário (CVS), Controle Vegetal Treinado (CVT), Vegetal Ovariectomizado Sedentário (VOS), Vegetal Ovariectomizado Treinado (VOT), Controle Animal Sedentário (CAS), Controle Animal Treinado (CAT), Animal Ovariectomizado Sedentário (AOS) e Animal Ovariectomizado Treinado (AOT). Os grupos treinados foram submetidos ao protocolo de exercício resistido em escada 3x por semana durante 12 semanas. Após o término do protocolo, os animais foram eutanasiados, coletado sangue, para análises bioquímicas, e o tecido adiposo visceral, para análises histomorfométricas, estereológicas e moleculares. Os resultados foram tratados e comparados estatisticamente pelo teste de análise de variância two way (ANOVA) e post-hoc (Tukey’stest) com nível de significância de p‹0,05. Os resultados obtidos mostraram que a ovariectomia promoveu aumento das massas corporal e do tecido adiposo visceral independente da dieta, e que o treinamento não reverteu esse resultado. Nos parâmetros bioquímicos estudados, as concentrações glicêmicas foram mais elevadas nos grupos ovariectomizados sedentários; e o treinamento mostrou-se eficaz no ajuste desse índice independente da dieta. A lipoproteína de alta densidade (HDL-c) apresentou aumento em sua concentração, nos grupos ovariectomizados tanto sedentário como treinado. A Homocisteína apresentou-se elevada em ambas as dietas, nos grupos treinados, sem intervenção da ovariectomia. A análise dos aspectos morfométricos, evidenciou um aumento na área e no diâmetro dos adipócitos induzido pela ovariectomia e o treinamento proporcionou uma redução nesses parâmetros tanto na dieta com proteína vegetal como na dieta com proteína animal. Ao analisarmos os parâmetros de densidade numérica de adipócitos e capilares, os grupos de controle treinado apresentaram um aumento e os grupos ovariectomizados uma diminuição; e o treinamento não promoveu alterações nestes parâmetros. Na dieta com proteína vegetal observamos que o treinamento apresentou redução na densidade de volume dos adipócitos e aumento nos capilares e interstício, e a ovariectomia não produziu alterações. Na dieta com proteína animal o treinamento não apresenta alterações e a ovariectomia apresenta aumento na densidade de volume de adipócitos e diminuição nos capilares e interstício, e essa diminuição foi maior no grupo que ingeriu dieta com proteína animal. Analisando as variáveis de expressão gênica (glutationa isoformas1 e 4-Gpx, catalase – CAT e superóxido dismutase - SOD) verificamos que tanto o treinamento quanto a dieta apresentaram diferença na expressão de Gpx4 na SOD. Os resultados desse trabalho revelaram que ambas as dietas com proteína vegetal e/ou animal associadas ao treinamento resistido sobre os parâmetros estudados podem ser um vantajoso tratamento não farmacológico para mulheres menopausadas uma vez que, diminui o tamanho dos adipócitos, o nível de glicemia e influencia a expressão dos genes do sistema antioxidante GPX4 e SOD.
Abstract: [en] Studies indicate that women during menopause show higher body fat deposition, altered lipid profile, reduced oxidative capacity, an increase in the concentration of inflammatory markers and cardiovascular diseases. Nonpharmacological interventions as physical activity and diet may attenuate this condition. Therefore, the aim of this study was to evaluate the effects of resistance training associated with different sources of protein in the visceral adipose tissue of old ovariectomized rats. 64 adult Winstar rats were used and divided into groups (n = 8): Sedentary Vegetable Protein Diet Control (CVS), Trained Vegetable Protein Diet Control (CVT),Sedentary Ovariectomized Vegetable Protein Diet Control (VOS), Trained Ovariectomized Vegetable Protein Diet Control (VOT), Sedentary Animal Protein Diet Control (CAT), Trained Animal Protein Diet Control (CAT), Sedentary Ovariectomized Animal Protein Diet (AOS) and Trained Ovariectomized Animal Protein Diet (AOT). The trained groups were submitted to a resistance training exercise protocol on a staircase for 3x a week during 12 weeks. After the protocol was finished, the animals were euthanized, had blood collected for biochemical analysis and also its visceral adipose tissue for histomorphometric, stereological and molecular analysis. The results were treated and statistically compared by the two-way analysis of variance test (ANOVA) and post-hoc (Tukey's test) with a significance level of p‹0,05. The obtained results showed that the ovariectomy has produced an increase in the body and visceral adipose tissue masses regardless of the diet, and the training has not reverted this result. On the biochemical parameters studied, the glycemic index concentration was high on the sedentary-ovariectomized groups and the training proved efficient on the adjustment of this index regardless of the diet. The High-density lipoprotein (HDL-c) presented in the ovariectomized groups,whether sedentary or trained,had an increase in its concentration level. The Homocysteine had high levels in both diets in all the trained groups without ovariectomy intervention. The analysis of the morphometric aspects indicated an increase in the area and diameters of the adipocytes induced by ovariectomy and the training provided a reduction of these parameters on both vegetable and animal-source protein diets. In the analysis of the adipocytes and capillaries volume density numbers, the trained control groups showed an increase whereas the ovariectomized groups a decrease and the training performed no alteration in these parameters. In the animal protein diet the training did not present any alteration and the ovariectomy indicates an increase in the volume density of adipocytes, and a decrease in the capillaries and interstice and this decrease was higher in the group that had animal-source protein diet.Analyzing the variant gene expression (Isoform glutathione 1-4 Gpx, catalase – CAT and Superoxide dismutase-SOD) was verified that both training and diet presented differences on the Gpx4 and SOD expression. The results of this work reveal that either vegetable or animal protein diets associated with resistance training under the studied parameters may be an advantageous nonpharmacological treatment for menopausal women once it decreases the size of the adipocytes, the glycemic index level and it influences the GPX4 and SOD antioxidant system genes expression.
Titulação: Doutor em Educação Física
Orientador (a): Prof. Dr. érico Chagas Caperuto
Banca

-

Assuntos: Dieta, Estresse, Menopausa, Exercício.
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica