Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: Elias de França
Título(s): [pt] Efeitos do treinamento físico associado ou não a suplementação com aminoácidos de cadeia ramificada em fatores de risco cardiovascular.
Resumo: [pt] Atualmente, no Brasil e no mundo, as doenças cardiovasculares (DCV) são as principais causas de morte. Apesar de haver uma previsão da redução de morte por DCV, em áreas desenvolvidas, há previsão de aumento da prevalência de doenças desse foro e dos seus fatores de risco, o que acarretará demasiado gasto público e diminuição da qualidade de vida da população. Diversos estudos com modelo animal têm demonstrado que a suplementação crônica com altas doses de aminoácidos de cadeia ramificada (AACR) promove a diminuição da resistência á insulina, como melhora o perfil lipídico. Também é bem sabido que o treinamento físico (TF) melhora esses paramentos metabólicos. Nesse sentido, o objetivo deste estudo é observar a influência da suplementação de AACR associada ou não ao TF em biomarcadores metabólicos relacionado ao risco de DCV. 40 sujeitos, sedentários de ambos os sexos, IMC ≥ 25, foram distribuídos aleatoriamente em 4 grupos (G): G1= Placebo; G2= Suplementado/BCAA; G3= Treino + Placebo; G4= Treino + BCAA. A suplementação foi de 300mg/kg-1/dia-1 de BCAA ou waxy maize (placebo), dividida em três doses diárias. O TF foi 8 semanas de treinamento intervalado de alta intensidade, num cicloergômetro, 3 vezes por semana, com séries de esforço máximos de 30 segundos, sendo 4 séries nas semanas 1-2, 5 séries nas semanas 3-4 e 6 séries nas semanas 5-8, com carga de 0,075 kg/kg de peso corporal. O tempo de descanso (ativo ou passivo) entre as séries form de 4,5 minutos. Antes e após da intervenção foram avaliados o VO2pico, Razão de troca respiratória (RER, em repouso e em atividade física), colesterol total (CT) e frações (LDL, HDL), triglicérides (TAG), proteína C reativa (PCR), HbA1c e percentual de gordura (%G). Não houve alterações (p> 0,05) no %G devido ao tratamento em nenhum dos grupos. O VO2pico aumentou (p‹ 0,01) somente nos grupos treinado (G3 e G4), mas sem diferença entre si (p> 0,05), mas estes valores de VO2pico ficaram superiores quando comparados aos grupos G1 e G2 (P‹ 0,01). Em relação ao Pré tratamento a 3 suplementação isolada de AACR promoveu diminuição do QR em exercício no G2 e G4 (p‹ 0,05), entretanto, somente no G4 o QR diminuiu em situação de repouso (p‹ 0,05); não houve diferença entre os grupos. Houve diminuição da HbA1c (p‹ 0,01) e LDL (p‹ 0,05) somente no grupo G4. O TAG diminuiu significantemente no grupo G2 (p‹ 0,05) e G4 (p‹ 0,01). O HDL aumentou somente no G4 (p‹ 0,05). O CT e a PCR não alteraram (p> 0,05) em nenhum dos tratamentos. Conclusão: a suplementação de AACR associada ao TF pode promover um efeito sinergista em direção da melhora da saúde metabólica.
Abstract: [en] Currently, in Brazil and world wide, cardiovascular diseases (CVD) are the main causes of death. While there is a forecast reduction of death from CVD in developed areas, there is expected to increase the prevalence of such diseases and their risk factors, which will cause too much public spending and decrease the population's quality of life. Has been demonstrated in animal model that chronic high dose loading of branched-chain amino acids (BCAA) supplementation improve insulin resistance as well as lipid profile. Also has been known that physical training (PT) improve these metabolic parameters. The aims of this study was evaluate the influence of BCAA supplementation associated or not with PT in CVD biomarkers risk related. In this study 40 subjects, sedentary both males and females, BMI ≥ 25 were randomly distributed into 4 groups (G): G1= Placebo; G2= Supplemented/BCAA; G3= Placebo + Training; G4= Training + BCAA. The supplementation were 300 mg/kg-1/dia-1 of BCAA or waxy maize (placebo), distributed 3 times-a-day. The PT consisted of sets of 30-s “all-out” bouts of cycling (Wingate tests) on an ergometer (intensity at 0.075 kg / kg of body weight) 3 days/wk (Monday, Wednesday, Friday) for 8 wk. The numbers of Wingate sets were performed during each training session increasing from 4 (during wk 1–2) to 5 (during wk 3–4) and from 5 to 6 during wk 5–8. For all training sessions, the recovery interval 4 between Wingate tests was fixed at 4.5 min (with passive or active recovery). Before and after the intervention were evaluated VO2max., respiratory exchange ratio (RER, at rest and during exercise), total cholesterol (TC) and fractions (HDL and LDL), triglycerides (TAG), protein C-reactive (PCR), HbA1c and body fat percentage (BF%). There were no changes in BF% due treatments in any groups (p> 0.05). The VO2peak increased (p‹ 0.05) significantly only in the trained groups (G3 and G4) with no difference between them, but these values were higher than G1 and G2 (p‹ 0.05). Isolated BCAA supplementation (G2) or training (G3) promoted changes in RQ during exercise (p‹ 0.05); the strategies combination (in G4) promoted RQ decrease both at rest and in exercise (p‹ 0.05); The were a decrease in HbA1c (p‹ 0,01) and LDL (p‹ 0.05) only in G4 group. TAG decreased significantly in G2 (p‹ 0.05) and G4 (p‹ 0.01). HDL increased significantly only in G4 (p‹ 0.05). The TC and PCR did not change significantly in any of the treatments. We conclude that BCAA supplementation associated with PT can promote a synergistic effect toward metabolic health.
Titulação: Mestre em Educação Física
Orientador (a): Prof. Dr. érico Chagas Caperuto
Banca

-

Assuntos: Colesterol, Doenças cardiovasculares, Exercícios físicos.
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica