Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Autor: Paula Andréa Malveira Cavalcante
Título(s): [pt] Contratilidade miocárdica de ratos submetidos a protocolo de treinamento linear de natação: papel da intensidade do exercício
Resumo: [pt] Fundamentação: O treinamento físico aeróbio exerce influências fisiológicas positivas relacionadas ao remodelamento cardíaco, porém, pouco ainda se sabe sobre as alterações provocadas pelas diferentes intensidades. Objetivo: investigar as alterações estruturais e contráteis do miocárdio de ratas, após 12 semanas de treinamento de natação com diferentes intensidades de esforço. Métodos: Trinta ratas livres de agentes patogênicos foram randomizadas em três grupos: sedentário (SED), 10 animais permaneceram alojados em repouso durante 12 semanas, treinamento moderado (MOD), 10 animais foram submetidos a exercício físico de intensidade moderada durante 12 semanas, treinamento intenso (INT), 10 animais foram submetidos a exercício físico de alta intensidade durante 12 semanas. O protocolo de exercício físico consistiu de natação. Após uma semana de adaptação, os animais do protocolo de natação moderada treinaram com sobrecarga de 2% aderida a cauda do animal, já para o protocolo de alta intensidade, o percentual de carga foi controlado de maneira linear respeitando a seguinte ordem: 1º semana: sem carga; 2º semana: 5% do peso corporal, da 3º a 6º semana: 6% do peso corporal, 7º a 8º semana: 7% do peso corporal e da 9º a 12º semana: 8% do peso corporal fixado na cauda do animal. O treinamento foi continuado por período total de 12 semanas, 5 dias por semana, 60 minutos/dia. Foram analisadas as alterações dos parâmetros envolvidos no remodelamento cardíaco pela avaliação da biometria, ecodoplercardiografia e contratilidade miocárdica. Resultados: Após doze semanas de treinamento a capacidade física do grupo SED (141 ± 12 seg) foi inferior (p‹ 0,001) aos demais grupos, que também diferiram (p ‹ 0,01) entre si (MOD: 293 ± 10 vs. INT: 371 ± 20; seg). Todos os grupos aumentaram o peso corpóreo após doze semanas, contudo, não foram encontradas diferenças entre os grupos. O peso dos átrios e do VD dos grupos SED, MOD e INT não diferiram entre si, contudo, o peso tanto do VE quanto do coração do grupo SED, foi menor que os grupos MOD e INT que também diferiram entre si. Não foram encontradas diferenças entre os parâmetros biométricos do músculo papilar. Em relação aos parâmetros ecocardiográficos, não foram encontradas diferenças entre os grupos antes da randomização, mas após doze semanas de treinamento, os grupos MOD e INT apresentaram bradicardia, aumento na EPPD, DDfVE e DSfVE em relação ao grupo SED, sendo mais evidente no grupo INT. Não foram encontradas diferenças EPAD e na FE. Os valores da TD, +dT/dt e da –dT/dt do grupo SED (TD: 0,85 ± 0,4 g/mm2/mg; +dT/dt: 7 ± 0,97 g/mm2/mg/s; -dT/dt: 5 ± 0,34 g/mm2/mg) foram inferiores (p‹ 0,001) aos grupos MOD (TD: 1,07± 0,1 g/mm2/mg; +dT/dt: 11 ± 1,07 g/mm2/mg/s; -dT/dt: 7 ± 0,52 g/mm2/mg) e INT (TD: 1,27± 0,7 g/mm2/mg; +dT/dt: 15 ± 0,59 g/mm2/mg/s; -dT/dt: 10 ± 1,06 g/mm2/mg) que também diferiram (p‹ 0,01) entre si. Não foram encontradas diferenças entre os grupos na TR (SED: 0,20 ± 0,05, MOD: 0,21 ± 0,03, Int: 0,20± 0,02; g/mm2/mg), no TPT (SED: 183± 6, MOD: 172 ± 9, INT: 163 ± 5; ms) e na TR50% (SED: 142± 9, MOD: 148 ± 10, INT: 147 ± 4; ms). Foi possível visualizar o comportamento da TD após interrupções no tempo de estímulos. A força desenvolvida aumentou conforme aumentou o intervalo de estimulo, contudo, diferenças foram encontradas quando analisado o percentual de aumento quando comparados a 120 segundos de intervalo. Um aumento de 52  3% foi encontrado no grupo INT, estatisticamente diferente (p‹ 0,03) do aumento externado pelo grupo MOD. 12 Adicionalmente, ambos os grupos treinados foram superiores ao grupo SED que tiveram aumento de 32  4%. O desenvolvimento de força em todos os pontos percentuais diferiu (p‹ 0,01) entre os grupos MOD (92: 0,67  0,09, 94: 0,83  0,11, 96: 0,94  0,11, 98: 1,10  0,13, 100: 1,30  0,12; %) e Int (92: 0,89  0,12, 94: 1,06  0,13, 96: 1,21  0,14, 98: 1,38  0,15, 100: 1,57  0,11; %), contudo, ambos forma superiores (p‹ 0,001) ao grupo SED (92: 0,34  0,05, 94: 0,48  0,07, 96: 0,67  0,11, 98: 0,75  0,12; 100: 0,93  0,13; %). Não foram encontradas diferenças entre os grupos (figura 16) em relação aos pontos percentuais de Lmax da TR. Os valores dos coeficientes de correlação linear (r) variaram entre 0,9897 para o grupo SED, 0,9910 para o grupo MOD e 0,9986 para o grupo INT não diferiram entre si. Quando se consideram tanto os coeficientes angulares das retas de Frank-Starling quanto os coeficientes de rigidez da TR, não foram encontradas diferenças entre os grupos SED (0,072  0,012 e 0,545  0,061; g/mm2/mg/%Lmax), MOD (0,072  0,011 e 0,567  0,074; g/mm2/mg/%Lmax) e INT (0,083  0,003 e 0,0616  0,077 g/mm2/mg/% Lmax). Conclusão: O exercício aeróbio realizado de forma crônica é um eficiente aliado nas adaptações cardiovasculares, em alta e moderada intensidade, contudo, o treinamento físico aeróbio de alta intensidade foi mais favorável para adaptações na aptidão cardiorrespiratória e na função cardíaca do que o exercício de intensidade baixa a moderada.
Abstract: [en] The aerobic exercise has physiological positive influences related to cardiac remodeling, however, little is known about the changes caused by different intensities. Objective: The aim of this study was investigate the myocardial structural and contractile changes in rats after 12 weeks of swimming training with different intensities of effort. Methods: Thirty rats were randomized into three groups: sedentary (SED), moderate training (MOD) and intense training (INT) swimming for 12 weeks. In moderate swimming protocol, the animals were trained with overhead of 2%. In the high intensity protocol, the load was controlled linearly in the following order: 1st week: without load; 2nd week: 5% of body weight, 3 to 6 week: 6% of body weight, 7 to 8 week: 7% of body weight and 9 to 12 week: 8% of body weight. The changes of the parameters involved were analyzed in the evaluation of biometrics, ecodoplercardiografia and myocardial contractility. Results: After twelve weeks of training the physical capacity of the SED group (141 ± 12 sec) was lower (p ‹ 0.001) to the other groups, which also differ (p ‹ 0.01) between them (MOD: 293 ± 10 vs. INT: 371 ± 20; sec). All groups increased body weight after twelve weeks, however, no differences were found between groups. The weight of the atria and VD of the SED, MOD and INT did not differed, however, the weight of both,VE and the heart in the group SED was lower than the MOD and INT groups and which also differed from each other. No differences were found between the biometric parameters of the papillary muscle. Regarding echocardiographic parameters, there were no differences between the groups before randomization, but after twelve weeks of training, the MOD group and INT presented bradycardia, increased EPPD, DDfVE and DSfVE, being more evident in the group INT. It was possible to view of the TD behavior after interruption in stimulus time. The force increased with increased stimulation interval, however, differences were found when analyzed the percentage increase compared to interval of 120 seconds. An increase of 52 ± 3% was found in the INT group, statistically different (p ‹ 0.03) of MOD. Additionally, both the trained groups were higher than the SED group with 32 ± 4%. The development of strength in all percentage points were different (p ‹ 0.01) between the groups: MOD (92: 0,67  0,09, 94: 0,83  0,11, 96: 0,94  0,11, 98: 1,10  0,13, 100: 1,30  0,12; %) and INT (92: 0,89  0,12, 94: 1,06  0,13, 96: 1,21  0,14, 98: 1,38  0,15, 100: 1,57  0,11; %), however, both were higher (p ‹ 0.001), to the SED group (92: 0,34  0,05, 94: 0,48  0,07, 96: 0,67  0,11, 98: 0,75  0,12; 100: 0,93  0,13; %). Conclusion: Aerobic exercise performed chronically is an efficient ally in cardiovascular adaptations in high and moderate intensity, however, the 14 high-intensity aerobic training was more favorable for adaptations in cardiorespiratory fitness and cardiac function than intensity exercise low to moderate.
Titulação: Mestra em Educação Física
Orientador (a): Profª Danilo Sales Bocalini
Banca

-

Assuntos: Contratilidade miocárdica, Remodelamento cardíaco, Treinamento com natação, Intensidade do exercício.
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica