Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Resumo

Autor: Verena Junghähnel Pedrinelli
Título(s): [pt] A trajetória para a autonomia de atletas com deficiência intelectual na perspectiva bioecológica do desenvolvimento humano.
Resumo: [pt] O objetivo deste estudo foi investigar a percepção da autonomia de atletas com deficiência intelectual sob a perspectiva da teoria bioecológica do desenvolvimento humano. Entrevistaram-se dez atletas de natação com deficiência intelectual (cinco do programa esportivo paralímpico e cinco do programa da Special Olympics), de ambos os sexos, maiores de 18 anos, bem como suas respectivas mães (n = 10) e treinadores (n = 8) e um assistente. Um questionário semiestruturado foi utilizado para coletar suas opiniões. Os coordenadores (n = 5) de cada programa responderam a duas questões por escrito. A análise descritiva e interpretativa baseou-se no modelo processo-pessoa-contexto-tempo. Os resultados indicam que as disposições, os recursos e as demandas (atributos da pessoa) observados nos processos proximais do microssistema do ambiente lar/família e do ambiente esporte refletem especificidades que demandam uma abordagem contextualizada do modus operandi de cada atleta. Em alguns casos, os atributos se mostraram desenvolvimentalmente instigantes e, em outros, combinaram-se características pessoais positivas e negativas que influenciaram o comportamento autônomo. Os resultados também indicaram que atividades no ambiente lar/família, bem como treinamento e competições no ambiente esporte, têm um efeito importante na autonomia. As metas e ações institucionais se relacionaram com a intervenção profissional dos treinadores, refletindo interconectividade entre o meso e o exossistema. Apesar de participarem de discussões em grupo sobre direitos relativos à autonomia, mães, treinadores e mesmo atletas engajados em organizações em defesa dos direitos da pessoa com deficiência mencionam apenas poucos documentos existentes no macrossistema. Identificaram-se eventos com características microtemporais e mesotemporais nos processos proximais, mas, para o cronossistema, as expectativas deveriam contemplar mudanças de comportamento em longo prazo. Mães e treinadores têm um papel importante na mudança de comportamento dos atletas, mas a análise do mesossistema não confirma a transversalidade entre os ambientes lar/família e esporte. Aparentemente, prevalecem crenças pessoais nas ações adotadas pelas mães e treinadores, em detrimento de aspectos culturais e de normas nacionais relacionadas ao macrossistema. Desta forma, pode-se confirmar que os processos proximais são de fundamental importância em qualquer relação interpessoal. A perspectiva bioecológica adotada para compreender a autonomia de atletas com deficiência intelectual permite afirmar que o esporte pode ser considerado um ambiente favorável ao desenvolvimento humano.
Abstract: [en] This study´s aim was to investigate the perception of autonomy of athletes with intellectual disability under the perspective of the bioecological theory of human development. Ten athletes with intellectual disability (five attending a Paralympic sports program and five attending a Special Olympics program), from both genders and older than 18 years, were interviewed, as well as their respective mothers (n = 10), coaches (n = 8), and one assistant. A semi-structured questionnaire was used to collect their opinions. The coordinators (n = 5) of each program answered two written questions. The descriptive and interpretative analysis was based upon the process-person-context-time model. Results show that dispositions, resources and demands (personal attributes) observed in proximal processes in the microsystem of the home/family environment and the sport environment reflect specificities that demand a contextualized approach of the modus operandi of each athlete. In some cases it was possible to observe that all of the attributes were developmentally instigative, and in others positive and negative personal characteristics have been combined influencing autonomous behavior. Results also showed that activities in the home/family environment as well as training and competitions in the sport environment have an important effect on autonomy. Institutional goals and actions were related to professional intervention of coaches, reflecting interconnectivity between meso and exosystem. In spite of participating in group discussions about the rights toward autonomy, mothers, coaches and even athletes engaged in organizations in defense of the rights of people with disability do only mention a few existing documents in the macrosystem. Events with microtemporal and mesotemporal characteristics were noted in proximal processes, but for the chronosystem, expectations for changes in behavior in long-term should have been contemplated. Mothers and coaches have an important role in the change of athletes behavior, but the analysis of the mesosystem does not confirm transversality between home/family and sport environment. Apparently, personal beliefs prevail in actions adopted by mothers and coaches over cultural and national norms related to the macrosystem. Therefore it can be stated that proximal processes are of fundamental importance in any interpersonal relationship. The adopted bioecological perspective to understand autonomy of athletes with intellectual disability allows to state that sport can be considered a favorable environment for human development.
Titulação: Doutora em Educação Física
Orientador (a): Profª. Maria Regina Ferreira Brandão
Assuntos: [pt] Autonomia
[pt] Deficiência intelectual
[pt] Desenvolvimento humano
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)
   

Pesquisa Específica