Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Resumo

Autor: Daniel Rodriguez
Título(s): [pt] Efeito agudo de dois métodos treinamento de força no comportamento da pressão arterial e variabilidade da freqüência cardíaca
Resumo: [pt] INTRODUÇÃO: A Hipertensão Arterial Sistêmica afeta aproximadamente 40% da população acima de 40 anos, desta forma é de extrema importância o desenvolvimento de estratégias para prevenção e tratamento desta enfermidade. O Exercício Resistido (ER) vem sendo recomendado para esta população apenas de seus efeitos sobre o sistema cardiovascular ainda não terem sido completamente elucidados. OBJETIVO: Verificar o efeito de dois métodos de ER (circuito [C] e múltiplas séries [MS]) sobre a hipotensão pós-exercício (HPE) e a variabilidade da frequência cardíaca (VFC) de adultos de meia idade normotensos. MÉTODOS: Os voluntários (n = 15; 46,5 ± 4,9 anos; IMC 27,9 ± 2,6 Kg/m2; PAM 96,4 ± 4,0 mmHg; FC 66,5 ± 4,7 bpm) realizaram duas sessões experimentais (C e SM) compostas por 12 exercícios (3 séries; 14-17 rep; 60% de 1RM) com o mesmo trabalho total realizado. A pressão arterial (PA) e a VFC foram monitoradas antes (20 min) e depois (90 min) das sessões de exercícios. A função autonômica foi avaliada pelos componentes de baixa frequência (BFR-Rnu) e alta frequência (AF-Rnu) da VFC. RESULTADOS: A PAM permaneceu significativamente reduzida durante todo período de monitorização após o término de ambas as sessões de ER em relação ao repouso (C = - 6,1 ±1,3 mmHg e SM = - 6,3 ± 1,5 mmHg; p 0,05). Não houve diferença significativa na PAM quando comparada entre os métodos (C e SM). Foi verificada diferenças significativa na VFC (p < 0,05). O componente BFR-Rnu aumentou enquanto o AF-Rnu diminuiu para as duas sessões de ER. Para a análise dos dados foi utilizado Anova para medidas repetidas seguida do teste post-hoc de Bonferroni. Shapiro-Wilks foi empregado para verificar a homogeneidade dos dados. DISCUSSÂO: Apesar de algumas evidências indicarem que as variáveis do ER podem influenciar no comportamento da PA após seu término, em nosso trabalho ambos os métodos causaram a HPE de forma similar. Além disso, foi verificado que a HPE foi acompanhada de um aumento do componente BF-Rnu, responsável pela modulação simpática ao coração. Este comportamento já havia sido descrito anteriormente para o método MS mas não para o métodos C. CONCLUSÃO : Esta evidência nos permite especular que a HPE não é desencadeada por alterações do sistema nervoso central.
Abstract: [en] INTRODUCTION: Hypertension affects approximately 40% of the population over 40 years old; therefore it is extremely important to search strategies for prevention and treatment of this disease. Although the cardiovascular behavior is partially unknown, resistance exercise (RE) has been recommend for this population, especially, executed in circuit (C) and multiple sets (MS) training methods. PURPOSE: The aim of this investigation was to check the post RE hypotension (PREH) and heart rate variability (HVR) after different training methods (C and MS) in normotensive middle-aged men. METHODS: Volunteers (n= 15; 46,5 ± 4,9 years; BMI 27,9 ± 2,6 Kg/m2; MBP 96,4 ± 4,0 mmHg; HR 66,5 ± 4,7 bpm) performed two experimental RE sessions (C and MS) composed by 12 exercises (3 sets; 14-17 reps; 60 % of 1-RM) with the same total work. Blood pressure (BP) and HRV were monitored before (20 min) and after (90 min) the exercises sessions. Autonomic regulation was evaluated by normalized low-(LFR–Rnu) and high-frequency (HFR–Rnu) components of the R–R variability. RESULTS: The MBP remained significantly reduced throughout the monitoring period after the end of the exercise in relation to rest values for both RE training methods (C = - 6,1 ±1,3 mmHg and MS = - 6,3 ± 1,5 mmHg; p 0,05). There was no significant difference in the MBP when the methods were compared. Data showed significant changes in HRV (p < 0,05). LFR–Rnu increased, while HFR–Rnu decreased in both exercise sessions. DISCUSSION: Despite some evidences that the RE variables could influence the cardiovascular behavior after its end, both training methods caused PREH similarly. Furthermore, PREH is accompanied by an increase in sympathetic modulation to the heart observed by the HFR-Rnu increase. This behavior has been previously described for the MS but not for the C method. CONCLUSION: Additionally we can speculate that the PREH is not determined by the central nervous system.
Titulação: Mestre em Educação Física
Orientador (a): Aylton José Figueira Junior
Assuntos: [pt] Exercício resistido
[pt] Hipotensão pós-exercício
[pt] Variabilidade da frequência cardíaca
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)

Pesquisa Específica