Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Resumo

Autor: Michelle Sartori
Título(s): [pt] Modulação autonômica cardiovascular em jovens sedentários e fisicamente ativos com história familiar positiva de diabetes : respostas a testes de estimulação simpática e ao exercício agudo
Resumo: [pt] Estudos têm demonstrado que o desenvolvimento do diabetes tipo II está fortemente associado com fatores genéticos. Existem evidências de que as disfunções metabólicas precoces associadas ao desenvolvimento do diabetes em indivíduos com história familiar positiva dessa doença são mais prevalentes em sedentários, sugerindo que a atividade física regular possa atenuar o risco de desenvolver o diabetes tipo II em pessoas geneticamente predispostas. Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi avaliar parâmetros metabólicos, hemodinâmicos e a variabilidade da freqüência cardíaca (VFC) em repouso e em resposta 1) a um teste de estresse mental, 2) ao exercício estático com um dinamômetro manual, 3) a uma sessão de exercício dinâmico aeróbio em indivíduos sedentários ou fisicamente ativos com história familiar positiva ou negativa de diabetes. Para isso, foram selecionados 48 homens, adultos jovens saudáveis, com idade entre 18 e 35 anos e com IMC dentro da faixa de normalidade. Os sujeitos foram divididos em 4 grupos (n=12 em cada grupo): filhos de pais normoglicêmicos sedentários (FNS) ou fisicamente ativos (FNFA) e filhos de pais diabéticos sedentários (FDS) ou fisicamente ativos (FDFA). Os grupos estudados foram semelhantes com relação à idade, a composição corporal, perfil lipídico e glicemia. Porém, os grupos treinados apresentaram valores de insulina plasmática menores quando comparados aos grupos sedentários. Conseqüentemente, os grupos fisicamente ativos apresentaram maior sensibilidade a insulina, avaliada através do índice HOMA em relação aos grupos sedentários. No repouso, os grupos foram semelhantes, com valores dentro da faixa de normalidade, em relação à pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD). Foi observada bradicardia de repouso nos grupos treinados em comparação aos grupos sedentários. Com relação à avaliação da VFC, os grupos treinados apresentaram maior variância do intervalo de pulso (VAR) quando comparado aos grupos sedentários. Adicionalmente, o grupo FDS apresentou VAR menor em relação ao grupo FNS. O grupo FDS apresentou maior modulação simpática cardíaca em comparação aos demais grupos estudados em repouso, demonstrada por maiores valores do balanço simpato/vagal do intervalo de pulso (BF/AF). Frente à estimulação simpática do teste de estresse mental (stroop test) observou-se aumento da PAS e da FC, porém resposta cronotrópica foi maior nesse grupo FDS e a PAD só aumentou nesse grupo. Adicionalmente, somente os grupos sedentários apresentaram aumento do BF/AF após o teste de estresse mental quando comparado aos seus valores de repouso. O exercício de preensão palmar com handgrip (3 minutos a 30% da carga voluntária máxima) induziu aumento da PAS e da FC em todos os grupos estudados. Observou-se aumento do BF/AF após esse exercício apenas no grupo FNS quando comparado ao período de repouso, atingindo valores semelhantes ao grupo FDS nessa condição. Em relação à sessão de exercício aeróbio dinâmico (30 min: 30-10% abaixo da FC do limiar anaeróbio), observou-se aumento da FC e da PAS a cada incremento de carga em todos os grupos, e a PAD não sofreu modificações. O grupo FDS apresentou resposta cronotrópica exacerbada nos primeiros 5 minutos desse exercício em relação aos demais grupos. Os grupos estudados apresentaram diminuição da VAR e aumento do BF/AF no início da recuperação do exercício. Esses parâmetros retornaram a valores semelhantes aos do repouso no final do período de recuperação (30 minutos pós exercício). Nesse momento não foram observadas diferenças na VAR e no BF/AF entre os grupos sedentários, mas os grupos fisicamente ativos apresentaram maior VAR em relação ao grupo FDS. Concluindo, esses resultados evidenciam que adultos jovens sedentários com história familiar positiva de diabetes do tipo II com sensibilidade à insulina normal apresentaram reduzida VFC e maior modulação simpática cardíaca em repouso, além de exacerbada resposta hemodinâmica a testes de estimulação simpática. Quando submetidos a uma sessão de exercício dinâmico aeróbio esses sujeitos apresentaram resposta cronotrópica exacerbada acompanhada de um aumento modulação simpática cardíaca pós exercício semelhante à de sujeitos sedentários com história familiar negativa de diabetes. Porém, no final do período de recuperação do exercício não foi observado prejuízo na VFC nos filhos de diabéticos em relação aos filhos de não diabéticos, sugerindo que tal prática é segura e pode induzir benefício discreto nessa população. No entanto, o resultado mais importante do presente estudo foi que filhos de diabéticos fisicamente ativos apresentaram melhora da sensibilidade à insulina acompanhada de normalização das disfunções hemodinâmicas e/ou na modulação autonômica cardíaca no repouso e após as manobras de estimulação simpática e a sessão de exercício físico, sugerindo que uma vida fisicamente ativa possa prevenir as disfunções precoces que podem estar associadas ao maior risco de desenvolver diabetes do tipo II em populações geneticamente predispostas.
Abstract: Studies have shown that the development of type II diabetes is strongly associated with genetic factors. There is evidence that the metabolic disorders associated with the early development of diabetes in subjects with positive family history of this disease are more prevalent in sedentary individuals, suggesting that regular physical activity can reduce the risk of developing type II diabetes in genetically predisposed individuals. Thus, the purpose of this study was to evaluate the metabolic and hemodynamic parameters and heart rate variability (HRV) at rest and in response 1) to a mental stress test, 2) a static exercise bout using a manual dynamometer, and 3) a session of dynamic aerobic exercise of sedentary or physically active subjects with positive or negative family history of diabetes. Males healthy young adults, aged between 18 and 35 years and with BMI in normal range were divided into four groups (n = 12 in each group): sedentary (SON) or physically active (PAON) offspring of normoglycemic parents and sedentary (SOD) or physically active (PAOD) offspring of diabetic parents . The groups were similar regarding age, body composition, lipid profile and blood glucose. However, the trained groups showed lower plasma insulin values when compared to sedentary ones. Consequently, the physically active groups had higher insulin sensitivity, assessed by HOMA index compared with sedentary groups. At rest, the groups were similar, with values within the normal range, in relation to systolic (SBP) and diastolic (DBP) blood pressure. Resting bradycardia was observed in trained groups (PAON: 63 ± 3 and PADN: 66 ± 2 bpm) in relation to sedentary groups. Regarding the assessment of HRV, trained groups showed enhanced pulse interval variance (VAR) when compared with sedentary groups. Additionally, the SON group presented reduced VAR than SOD group. The SON group had an increased cardiac sympathetic modulation compared to other groups at rest, demonstrated by higher values of sympathetic/vagal balance of pulse interval (LF/HF ratio). In response to the sympathetic stimulation induced by the mental stress test (stroop test), all groups presented an increase in SBP and HR; however, the chronotropic response was higher in SON group and DBP only increased in this group. Additionally, only the sedentary groups showed an increase in LF/HF ratio after the mental stress test compared to their baseline values. The static exercise using a handgrip (3 minutes, 30% of the maximal voluntary strength) induced increase in SBP and HR in all groups. There was an increase in LF/HF ratio after this exercise only in SOD group compared to their resting values, reaching values similar to the observed in SON group in this condition. Regarding to dynamic aerobic exercise session (30 min: at 30-10% lower HR observed in the anaerobic threshold) it was observed an increase in HR and SBP for each load increment in all groups, and DBP did not change. The SON group had exaggerated chronotropic response at five minutes of exercise in relation to the other groups. All groups showed a decrease in VAR and an increase in LF/HF ratio in the early recovery period of the exercise. At the end of the recovery period (30 minutes post exercise), these parameters returned to values similar to the observed at rest. At this time there were no differences in VAR and LF/HF ratio between sedentary groups, however the physically active groups had higher VAR than the SON group. In conclusion, the results suggest that sedentary young adults with positive family history of type II diabetes that presented normal insulin sensitivity showed reduced HRV and increased cardiac sympathetic modulation at rest, and also exacerbated hemodynamic response to sympathetic stimulation tests. These subjects submitted to a dynamic aerobic exercise session showed exacerbated chronotropic response accompanied by an increase in cardiac sympathetic modulation after exercise in similar levels observed in sedentary subjects with negative family history of diabetes. Importantly, at the end of the recovery period of exercise there was no difference in HRV between diabetic offspring and non-diabetic offspring, suggesting that this approach is safe and can induce a slight benefit in this population. However, the most important result of this study was that physically active offspring of diabetics showed improved insulin sensitivity accompanied by normalization of hemodynamic and/or cardiac autonomic modulation dysfunctions at rest and after the maneuvers of sympathetic stimulation and after the aerobic exercise session, suggesting that a physically active life can prevent early dysfunctions that may be associated with increased risk of developing type II diabetes in genetically predisposed populations.
Titulação: Mestrado em Educação Física
Orientador (a): Kátia de Angelis
Assuntos: [pt] Exercícios físicos – sistema cardiovascular
[pt] Diabetes – hereditariedade
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)

Pesquisa Específica