Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Resumo

Autor: Paulo Ricardo Gerardo Guerreiro
Título(s): [pt] Análise biomecânica da resposta muscular induzida por ações excêntricas
Resumo: [pt] Este estudo investigou, através da Eletromiografia (EMG) e do torque, a resposta muscular antes, durante e após a execução de ações excêntricas (AE), já que essa resposta induz a adaptações neuromusculares ainda pouco conhecidas. Além das alterações que podem ocorrer ao longo de três sessões de 30 AE, pôde-se avaliar também o reflexo dessas em outras formas de ação muscular (isométrica, concêntrica 60º/s e concêntrica 180º/s). A amostra consta de 15 indivíduos, não treinados, com idade entre 20 e 35 anos, todos do gênero masculino, divididos em 2 grupos, AEV1 (n=7, massa= 86,71kg +/- 12,64, estatura= 179,14cm +/- 6,61), cuja AE foi realizada a 60º/s, e AEV2 (n=8, massa =75,55kg +/- 8,88, estatura= 176,55cm +/- 6,93), cuja AE foi realizada a 180º/s. As avaliações dinamométricas e eletromiográficas foram realizadas antes, imediatamente após, 48h após e 96h após as sessões. Os resultados mostraram que ao final das AEs, ocorre uma queda no torque quando comparado ao início das mesmas. Além disso, há aumento do torque excêntrico ao longo das semanas; imediatamente as AEs ocorre queda no torque isométrico, que é seguida por um aumento, mais evidente na terceira semana; e, ocorre aumento do torque concêntrico entre as semanas, particularmente na mensuração realizada 96h após a terceira AE. Por outro lado, a intensidade do sinal eletromiográfico durante as AEs sofre uma queda na terceira semana para o grupo treinado a 60º/s; não ocorrem alterações no sinal eletromiográfico nas mensurações isométricas; as alterações no sinal eletromiográfico registrado durante as ações concêntricas ocorrem mais no grupo treinado a 180º/s do que naquele a 60º/s. Tais resultados evidenciam que as AEs induzem a alterações tanto elétricas quanto mecânicas nas ACs, mas, em altas velocidades, ocorrem mais alterações elétricas, o que é compatível com uma adaptação neural.
Abstract: [en] This study investigated, using electromyography (EMG) and torque, the muscle response before, during and after the implementation of eccentric actions (EA), since this response induces neuromuscular adaptations still little known. Besides the changes over three sessions of 30 AE, we tried to see the reflection of these on other forms of muscle action (isometric, concentric 60°/s concentric 180°/s). The sample consists of 15 individuals, untrained, aged between 20 and 35 years, all males, divided into 2 groups, AEV1 (n = 7, weight = 86.71 kg + / - 12.64, height = 179, 14cm + / - 6.61), the AE was performed at 60°/s, and AEV2 (n = 8, mass = 75.55 kg + / - 8.88, height = 176.55 cm + / - 6.93), AE which was held at 180 º/s. Torque and EMG evaluations were performed before, immediately, 48h after and after 96h of the AEs sessions. The results showed that the end of the AEs, there is a drop in torque when compared to the begining of them. Moreover, there is an increase in eccentric torque over the weeks, occurs a decrease in isometric torque immediately to AEs, which is followed by an increase, more evident in the third week, and there is an increase in concentric torque between weeks, specially in measurement performed 96h after the third AE. Moreover, the intensity of the EMG during the AEs suffer a drop in the third week for the group trained at 60°/s, no changes occur in the EMG signal in isometric measurements, the changes in the EMG signal recorded during concentric actions occur more with the group trained at 180 º/s than that at 60°/s. The results showed an increase in concentric torque between weeks. Changes in the EMG signal recorded during AC occur more in AEV2 thanAEV1, with increasing intensity 96h after the third AE.
Titulação: Mestrado em Educação Física
Orientador (a): Rubens Corrêa Araújo
Assuntos: [pt] Electromiografia
[pt] Torque
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)

Pesquisa Específica