Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Resumo

Autor: Juliana Valente Francica
Título(s): [pt] Ajustes cardiovasculares induzidos pelos exercícios resistidos em jovens com história familiar positiva de hipertensão
Resumo: [pt] Diversos estudos familiares demonstraram a agregação familiar da hipertensão arterial, tanto entre irmãos, quanto entre pais e filhos. Trabalhos demonstraram que jovens normotensos, filhos de hipertensos, apresentam aumento da PA, dos níveis séricos de catecolaminas, redução da resposta barorreflexa e anormalidades metabólicas e endócrinas quando comparados a jovens filhos de normotensos. O objetivo do presente estudo foi avaliar as respostas hemodinâmicas, autonômicas e metabólicas induzidas pelo teste de estresse mental (TEM) e pelos testes de força máxima (TFM) isométrica e isotônica, bem como por sessões de exercícios isotônicos ou isométricos em jovens com história familiar positiva de hipertensão. Foram sujeitos da pesquisa
25 homens, com idade variando entre 18 e 35 anos, e com pressão arterial (PA) abaixo de 140/90mmHg, divididos em 2 grupos: 1) História Familiar Positiva de Hipertensão (HFP, n=13), indivíduos que pelo menos um dos pais fazia uso de medicamento para controle da hipertensão, e 2) História Familiar Negativa de Hipertensão (HFN, n=12), os pais eram normotensos e não faziam uso de medicação para controle da PA. O protocolo foi composto por três fases: 1. Coleta de sangue para avaliações bioquímicas; medidas de composição corporal; respostas hemodinâmicas (PA e freqüência cardíaca) e autonômicas (análise da variabilidade da freqüência cardíaca, VFC) ao TEM; 2. Avaliação das respostas hemodinâmicas e da VFC ao TFM isométrica e isotônica no dinamômetro isocinético (cotovelo e joelho); 3. Respostas hemodinâmicas, da VFC e metabólicas (lactato, glicemia, colesterol e triglicerídeos) a sessões de exercícios (30 minutos) isométricos ou isotônicos (joelho e cotovelo) com 50% da carga voluntária máxima obtida na fase 2. Os resultados obtidos demonstram que a composição corporal, a glicemia e o perfil lipídico plasmático em jejum, as catecolaminas, a PA sistólica (HFN:113±4 vs. HFP:110±2mmHg), a PA diastólica (HFN:77±4 vs. HFP: 76±2mmHg) e a freqüência cardíaca (FC) (HFN:71±2 vs. HFP:78±2bpm) foram semelhantes entre os grupos no repouso. Houve redução na variância do intervalo RR (HFN: 5933±693 vs. HFP: 2967±390ms2) e no componente de alta freqüência do RR (AF) (HFN:33±4 vs. HFP:21±3%), além de aumento no componente de baixa freqüência do. RR (BF) (HFN:66±4 vs. HFP:78±3%) e na relação BF/AF (HFN:2,3±0,7 vs. HFP:4,6±0,8) no grupo HFP em relação ao grupo HFN no repouso. Em resposta ao TEM, ambos os grupos apresentaram aumento da FC no 2º e 3º minutos de teste, no entanto, o grupo HFP apresentou maiores valores de FC no 1ºmin (HFN:77±1 vs. HFP:86±2bpm) e na recuperação (HFN:70±1 vs. HFP:79±2bpm) do TEM em relação ao grupo HFN. Após o TEM não houve diferenças na VFC entre os grupos estudados. Durante os TFM isométrica e isotônica observou-se aumento na FC máxima em ambos os grupos em relação aos respectivos valores de repouso, com aumento adicional no grupo HFP em relação ao grupo HFN após o TFM isométrico para membros inferiores. No entanto, a PAS apresentou-se maior imediatamente após os TFM somente no grupo HFP quando comparado ao seu repouso. No período de recuperação destes testes (15 min), a PA e a FC retornaram aos valores basais. No entanto, observou-se aumento da banda de BF e da relação BF/AF do RR somente no grupo HFN em relação aos seus valores de repouso após o TFM isométrico; não havendo diferenças na VFC entre os grupos nos períodos de recuperação dos TFM isométrico ou isotônico. Imediatamente após as sessões de exercícios isométricos e isotônicos a FC foi maior em ambos os grupos quando comparados aos respectivos valores de repouso. A PA diastólica não se alterou significativamente após as sessões de exercício e a PA sistólica foi semelhante entre os grupos após a sessão de exercícios isométricos, mas foi maior no grupo HFP em relação ao grupo HFN após a sessão de exercícios isotônicos. A glicemia, maior no grupo HFP (115±2mg/dl) em relação ao grupo HFN (105±1mg/dl) no repouso, foi normalizada após ambas sessão de exercícios. Os triglicérides, o colesterol e o lactato sanguíneos foram semelhantes entre os grupos no repouso e após as sessões de exercícios. As catecolaminas estavam aumentadas imediatamente após a sessão de exercícios isotônicos. Aos 90 minutos de recuperação da sessão de exercícios isométricos, observou-se valores semelhantes de PAS e de PAD entre os grupos; aumento na FC no HFP quando comparado ao seu repouso e ao HFN; aumento na variância do RR (6091±976 vs. 3296±385ms2) e na banda de AF (49±2 vs. 31±3%) no HFP quando comparado aos seus valores de repouso; além de diminuição da banda de BF (51±2 vs. 68±3 %) e na relação BF/AF (1,03±0,1 vs. 3,1±0,7) no grupo HFP quando comparado aos seus valores de repouso. Não foram observadas diferenças na VFC no grupo HFN em relação aos valores de repouso no período de recuperação (90 min) após a sessão de exercícios isométricos. Aos 90 minutos de recuperação da sessão de exercícios isotônicos, observou-se valores semelhantes de PAD entre os grupos; aumento da PAS no grupo HFP em relação ao grupo HFN; aumento da FC em ambos os grupos quando comparados aos respectivos valores de repouso; aumento na variância do RR do HFN quando comparado ao repouso (6904±441 vs. 5332±544ms2) e quando comparado ao HFP (4448±558ms2); aumento do componente de AF (49±2 vs. 31±3%) no HFP quando comparado aos seus valores de repouso; diminuição no componente de BF (51±2 vs. 68±3 %) e na relação BF/AF (1,03±0,1 vs. 3,1±0,7) no grupo HFP quando comparado aos seus valores de repouso. A PA sistólica, diastólica e a FC aferida pelos próprios avaliados através do uso de um medidor automático de pulso de PA não foi diferente entre os grupos, ou em relação aos valores de repouso, 4, 8, 12, 16, 20 e 24 horas após as sessões agudas de exercícios isométricos ou isotônicos. Os resultados demonstram que filhos de hipertensos, mesmo com valores de PA e de variáveis metabólicas semelhantes a filhos de normotensos, apresentam aumento na modulação simpato/vagal cardíaca em repouso o que provavelmente está relacionado a alterações na resposta cronotrópica e/ou pressórica nos testes fisiológicos de estimulação simpática. Todavia, o achado mais importante do presente estudo foi que filhos de hipertensos tiveram atenuação na reduzida VFC e melhora do balanço simpato/vagal cardíaco após uma única sessão de exercícios isométricos ou isotônicos, sugerindo que esta abordagem possa ser importante no manejo do risco cardiovascular em populações geneticamente predispostas.
Abstract: [en] Many studies demonstrated the familiar aggregation of arterial hypertension, between brothers, as well as between parents and sons. Scientific papers demonstrated that normotensive youngs, offspring of hypertensive parents, presented increase in arterial pressure, in seric levels of catecholamines, decrease in baroreflex responses, and metabolic and endocrines abnormalities as compared to offspring of normotensive parents. The objective of present study was to evaluate hemodynamic, autonomic and metabolic responses induced by a mental stress test (MST) and by an isometric and an isotonic maximal strength tests (MPT), as well as induced by sessions of isotonic or isometric exercises in youngs with positive familiar history of hypertension. Twenty five young men (18-35 years), with arterial pressure (AP) <140/90mmHg were divided into 2 groups: 1) Positive familiar history of hypertension (HFP, n=13), subjects that parents used medication for hypertension control, and 2) Negative familiar history of hypertension (HFN, n=12), parents were normotensive and did not use medications to AP control. The protocol was composed by 3 phases: 1. Blood collection for biochemistry measurements; body composition evaluation; hemodynamic (AP and heart rate, HR) and autonomic (analysis of heart rate variability, HRV) responses to a (MST); 2. Hemodynamics and HRV responses evaluations to an isometric and to an isotonic MPT on an isokinetic dynamometer (elbow and knee); 3. Hemodynamic, HRV and metabolic (blood lactate, glucose, cholesterol and triglycerides) responses to a single session of isometric or isotonic exercises (30 minutes) (knee and elbow) with 50% of the maximal strength obtained in the phase 2. The obtained results demonstrated that body composition, glicemia and plasma lipid profile after fasting, systolic AP (HFN:113±4 vs. HFP:110±2mmHg), diastolic AP (HFN:77±4 vs. HFP: 76±2mmHg) and HR (HFN:71±2 vs. HFP:78±2bpm) were similar between groups at rest. There were reduction in RR variance (HFN: 5933±693 vs. HFP: 2967±390ms2) and in high frequency (HF) component of RR (HFN:33±4 vs. HFP:21±3%), and increase in low frequency (LF) component of RR (HFN:66±4 vs. HFP:78±3%) and in LF/HF relation (HFN:2.3±0.7 vs. HFP:4.6±0.8) in HFP group in relation to HFN group at rest. In response to the MST, the two groups presented HR increase in the 2nd e 3rd minutes of this test, however, the HFP presented higher HR values in the 1stmin (HFN:77±1 vs. HFP:86±2bpm) and in the recovery period (HFN:70±1 vs. HFP:79±2bpm) of the MST as compared to HFN group. After the MST, there was no difference in HRV between study groups. During the isometric and isotonic MPT increase in maximal HR was observed in both groups in relation to their resting values, with adictional increase in HFP group in comparison to HFN after the legs isometric MPT. However, the systolic AP was increased immediately after MPT only in HFP group as compared to its resting values. In the recovery period of these tests (15 minutes), the AP and the HR restored basal levels. Neverthless, increase in LF component and in LF/HF relation were observed only in HFN group in relation to its resting values after the isometric MPT; no difference was observed in HRV between groups in the recovery periods of the isometric and isotonic MPT. Immediatly after the isometric and isotonic acute exercise sessions the HR was higher in both groups as compared to their resting values. The diastolic AP was unchanged after the exercise sessions, and the systolic AP was similar between groups after the isometric exercise sessions, but was higher in HFP group in relation to HFN group after the isotonic exercise session. The blood glucose, increased in HFP group (115±2mg/dL) as compared to HFN group (105±1mg/dL) at rest, was normalized after both exercise sessions. The blood triglycerides, cholesterol and lactate were similar between groups at rest and after the exercise sessions. In the recovery period (90 minutes) of the isometric exercise session we observed similar values of systolic AP and diastolic AP between groups; increased HR in HFP group as compared to its resting values and to HFN group; increased RR variance (6091±976 vs. 3296±385ms2) and HF band (49±2 vs. 31±3%) in HFP in relation to its values at rest; and also decreased LF band (51±2 vs. 68±3 %) and LF/HF relation (1.03±0.1 vs. 3.1±0.7) in HFP group as compared to its values at rest. No difference was obtained in HRV in HFN group in the recovery period (90 min) after the isometric exercise session in relation to its values at rest. In the recovery period (90 min) of the isotonic exercise session we observed similar values of diastolic AP between groups; increase in systolic AP in HFP group in relation to HFN group; increase in HR in both groups as compared to their resting values; increase in RR variance of HFN group as compared to its rest values (6904±441 vs. 5332±544ms2) and as compared to HFP group (4448±558ms2); increase in HF component (49±2 vs. 31±3%) in HFP group as compared to its resting values; decrease in LF component (51±2 vs. 68±3 %) and in LF/HF relation (1.03±0.1 vs. 3.1±0.7) in HFP group as compared to its resting values. The systolic and diastolic AP and the HR, measured by the evaluated subjects at home using a wrist automatic sphygmomanometer, were similar between groups and as compared to their resting values 4, 8, 12, 16, 20 e 24 hours after the acute isometric or isotonic exercise sessions. The results demonstrated that offspring of hypertensive parents, despite showed similar AP values and metabolic parameters levels as compared to offspring of normotensive parents, presented increase in cardiac sympathetic/parassympathetic modulation at rest, that probably is related to chronotropic and/or pressoric responses alterations in sympathetic stimulation physiological tests. However, the most important finding of this study was that offspring of hypertensive parents presented attenuation of the reduced HRV and an improvement in cardiac sympathetic/parassympathetic balance after a single session of isometric or isotonic exercises, suggesting that this approach may be important in the management of cardiovascular risk in genetically predisposed populations.
Titulação: Mestrado em Educação Física
Orientador (a): Kátia De Angelis
Assuntos: [pt] Hipertensão
[pt] Hereditariedade
[pt] Exercícios Resisitidos
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)

Pesquisa Específica