Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Resumo

Autor: Silvana Pitombo Bixilia
Título(s): [pt] Como se configura o PORTAL "INSTANTE"?
Resumo: [pt] Esta dissertação examina a configuração do PORTAL “INSTANTE” do capítulo “Da visão e enigma”, de Assim falou Zaratustra. Considera-se a possibilidade de destacar dois modos de desenvolvimento do texto de Zaratustra: “discurso” e “vivência”. Ambos os aspectos entrecruzam-se na preparação de Zaratustra para sua tarefa. Zaratustra (seu corpo) realiza uma viagem por montanhas e abismos com destino ao mar. Através desse percurso, ele alcança, em seu último cume, o PORTAL “INSTANTE”, esta é a imagem da visão e enigma a ser decifrada. As “transmutações do espírito” (primeiro capítulo) podem ser apreendidas, ouvindo-as por meio dos discursos e olhando-as através da jornada de Zaratustra. O PORTAL “INSTANTE” apresenta-se como um ponto crítico desse percurso. O percurso, em sua característica espaço-temporal, é interrompido pelo instante; ele apresenta-se como um limite que se aplica ao tempo, mas sem fazer parte dele. Nesse sentido, pode ser considerado como um artifício não temporal, capaz de capturar a eternidade. Desde outra perspectiva, esse artifício constituiria um recurso de linguagem capaz de apresentar a imagem da visão e enigma. Em se tratando da linguagem, observa-se como esta se insere no pensamento nietzscheano, tanto na forma da materialização escrita, como na efetivação do pensamento filosófico. Segue-se uma referência à escrita propriamente dita, aos estilos, à leitura, à relação com o leitor e à cultura. Considera-se que a linguagem para Nietzsche constitui um instrumento de crítica à cultura moderna e à tradição filosófica, além de ser reguladora do pensamento, permitindo-lhe desconstruir dogmas e pressupostos filosóficos. Em “um diálogo” com Platão, registra-se um dos distanciamentos de Nietzsche ao rejeitar, mediante a valorização da origem metafórica da linguagem, a possibilidade de um conhecimento verdadeiro. A partir do caráter de tropus da palavra, Nietzsche faz uso das figuras e, num âmbito mais geral, da retórica como expressão e persuasão. Ao atribuir um novo poder à linguagem, utiliza-se também da imagem e do mito.
Abstract: [en] This dissertation seeks to examine the configuration of the PORTAL “INSTANT” in the chapter “Of the vision and enigma” of Nietzsche’s Thus Spoke Zarathustra. It is considered the possibility to detach two ways of development of the text of Zarathustra, which is: “speech” and “experience”. These two aspects are intercrossed in the preparation of Zarathustra for his task. Zarathustra (his body) carries through a trip beyond mountains and abysses, to the sea. Through this passage he reaches in its last top the PORTAL “INSTANT”. This is the image of the vision and the enigma to be deciphered. The “transmutation of the spirit” (first chapter) can be apprehended, hearing them through the speeches and looking at them through the journey of Zarathustra. The PORTAL “INSTANT” is presented as a critical point of this passage. The passage in its characteristic space-time is interrupted by the instant. The instant is a limit applied to the time, but is not part of it. It is an artifice not secular, capable to capture the eternity. As another perspective, this artifice consists in a resource of language, capable to present the image of the vision and enigma. Being about language, it is observed as it is inserted in the nietzschean thought, as much in the forms of the written materialization, as in the accomplishment of the philosophical thought. Refer it the writing properly said, the styles, the reading and the relation with the reader and the culture. The language for Nietzsche, is an instrument to criticize the modern culture and the philosophical tradition. By means of the language, that Nietzsche considers to be regulating of the thought, he disassembles the dogmas and the philosophical estimated. In “a dialogue” with Plato the removal of Nietzsche is registered, rejecting, since the metaphoric origin of the language, the possibility of a true knowledge. From the character of tropos of the word, Nietzsche makes use of the figures and in a more general scope, of the rhetoric as expression and persuasion. Attributing a new power to the language, he also uses the image and the myth.
Titulação: Mestrado em Filosofia
Orientador (a): Yolanda Glória Gamboa Muñoz
Assuntos: [pt] Espaço e tempo
[pt] Linguagem
[pt] Mito
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)

Pesquisa Específica