Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Resumo

Autor: Vagner Nascimento da Silva
Título(s): [pt] Análise morfométrica, estereológica e ultraestrutural do músculo tríceps braquial de ratos idosos submetidos a um programa de treinamento de força muscular
Resumo: [pt] [pt] O processo de envelhecimento é inerente a todo ser vivo. Com o envelhecimento o corpo começa a sofrer alterações fisiológicas e morfológicas. Porém nesse estudo vamos tratar apenas das alterações morfológicas. No sistema músculo esquelético há uma perda da massa muscular que é denominada de sarcopenia e está associada ao envelhecimento. Dos 20 aos 80 anos de idade um indivíduo perde cerca de 40% de massa muscular e dessa maneira algumas fibras brancas entram em processo de atrofia total. Estudos mostram que o treinamento da força pode resultar em aumentos significativos na massa muscular, na hipertrofia das fibras musculares e no desempenho relacionado à força. Ao longo do tempo vários estudos com modelos animais têm tentado simular a resposta do treinamento físico em humanos, porém há grande dificuldade em realizar um treinamento de força muscular em animais que estimule a adaptação do músculo esquelético e essas dificuldades estão associadas com o modelo do programa de treinamento de força. Portanto o objetivo desse estudo foi testar a eficiência de um protocolo com uso de diferentes cargas aplicadas a ratos idosos, e analisar as possíveis alterações quantitativas e qualitativas que ocorrem no músculo tríceps braquial. Foram utilizados 15 ratos machos Wistar e divididos em 3 grupos: Controle inicial (CI), sacrificados aos 13 meses, controle Final (CF), sacrificados aos 16 meses e Treinados (T), sacrificados aos 16 meses. O treinamento foi realizado com a freqüência de 5 vezes por semana, 6 vezes ao dia, durante 16 semanas. As sobrecargas impostas aos animais foram estabelecidas a partir de uma tabela de sobrecarga para idosos proposto por HEYWARD (1998). Os resultados mostraram que o peso corporal inicial e o peso corporal final não apresentaram diferenças significativas no grupo e na comparação entre os grupos. Os animais apresentavam um nível de desempenho progressivo durante todo o protocolo de treinamento, no final das 16 semanas os animais carregavam 570 – 750g de sobrecarga, aproximadamente 161% á 201% da carga inicial de treinamento. Na comparação do tamanho da área dos miócitos do músculo tríceps braquial dos grupos CI e CF não houve diferenças significativas. Na comparação dos grupos CF e T foram verificados aumentos significativos no tamanho da área dos miócitos, o aumento foi de 45% em relação ao grupo CF. A análise estereológica vem confirmar o aumento da densidade dos miócitos do grupo T em relação ao grupo CF e uma semelhança com o grupo CI, contudo os espaços interticiais do grupo CI e T apresentaram uma diferença significativa em comparação ao grupo CF. Por meio de uma análise qualitativa da ultraestrutura do músculo tríceps braquial observamos uma maior quantidade no número de mitocôndrias no grupo CI e uma organização nas estruturas musculares. No grupo CF observamos uma desorganização nas estruturas musculares, um espaçamento entre as miofibrilas e as mitocôndrias eram raramente encontradas, já no grupo T a desordem das estruturas são menos pronunciadas e as mitocôndrias aparecem com mais freqüência. Nosso estudo mostrou que o treinamento de força aplicado segundo o protocolo descrito levou a uma diferença na área dos miócitos de cerca de 45% entre os grupos T , CI e CF, confirmando quantitativamente que idosos treinados são capazes de preservar sua massa muscular. Os ganhos na área do miócito de forma significativa dependem do programa de treinamento que deve conter cargas intensas e progressivas, pois cargas leves e moderadas possivelmente não são suficientes para minimizar a perda da massa muscular com o envelhecimento. Entretanto são necessários mais estudos que viabilizem a utilização segura dos dados em animais para o humano.
Abstract: [en] The aging process is inherent to every living being, as the body starts to grow old it goes through physiological and morphological alterations, however we will only consider the morphological alterations in this study. In the skeletal muscular system there is a loss of muscular mass which is called Sarcopenia and it is related to aging. From 20 to 80 years old, an individual loses about 40% of his muscular mass. In this way, some white fibers develop a total atrophy process. The strength program can result in meaningful increases in the muscular mass, in the hypertrophy of muscular fibers and in the performance related to strength. Throughout time many studies with animal models have been trying to simulate a response to the physical training in human beings, however it is very difficult to accomplish an ideal muscular strength training that stimulates the muscular skeletal adaptation. These difficulties are associated with the strength training program for rat model. Therefore the objective of this study was to test the efficiency of a protocol using different loads applied to elderly rats and analyse the possible quantitative and qualitative alterations that may occur in the brachial triceps muscle. 15 male Wister rats were used which were divided into 3 groups: Initial Control (CI), sacrificed at 13 months, Final Control (CF), sacrificed at 16 months and Trained (T) sacrificed at 16 months. The trainings took place 5 times a week, 6 times a day for 16 weeks. The overload imposed to the animals was established according to an overload table for elderly proposed by HEYWARD (1998). The results showed that the initial corporal mass and the final corporal mass didn’t present any meaningful difference in the group and in the comparison between groups. The animals presented a progressive performance level during the whole training protocol, by the end of week 16; the animals were carrying 570 - 750g of overload, about 161% to 201% of the initial training load. In comparison of the area size of the brachial triceps muscle myocytes from groups CI and CF there weren’t meaningful differences. In comparison of the groups CF and T was verified a meaningful increase in the myocytes area size, the increase was 45% compared to group CF. The stereological analysis confirms the density increase of the myocytes of group T in relation to group CF and a similarity with the group CI, although the interstitials spaces of the groups CI and T presented a meaningful difference in comparison to group CF. By means of a qualitative analysis of the brachial triceps muscle ultra structures carried in an electronic microscope, was observed a bigger quantity of mitochondrias in group CI and an organization in the muscular structures, in group CF was observed a disorder in the muscular structures, a space among the myofibrils and mitochondrias were rarely found. In group T the structure disorder is less expressive and the mitochondias are shown more frequently. Our study showed that the strength training applied according to the described protocol led to a 45% difference in the myocytes area between groups T and groups CI and CF, confirming quantitatively that elderly trained are capable of preserving their muscular mass. The meaningful gains in the myocytes area depend on the training program that must contain progressive and intense loads. Light and moderate loads possibly aren’t enough to minimize the muscular mass loss caused by aging. Nevertheless, more studies are required to make the safe usage of the animal data in human beings practical.
Titulação: Mestrado em Educação Física
Orientador (a): Dra. Eliane Florêncio Gama
Assuntos: [pt] Morfometria
[pt] Estereologia
[pt] Músculo esquelético
[pt] Treinamento de força
[pt] Idosos
[pt] Ratos
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)

Pesquisa Específica