Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Resumo

Autor: Regina da Silva
Título(s): [pt] Kant e os paralogismos da razão pura
Resumo: [pt] Este trabalho tenciona mostrar, através da análise dos Paralogismos da Razão Pura, as dificuldades levantadas pela noção de eu penso apresentada por Kant na Dialética Transcendental e apontar as diferenças desse eu penso kantiano com relação ao eu penso cartesiano, a fim de que se possa, então, discutir quais foram as verdadeiras rupturas de Kant com a metafísica tradicional, em especial com a Psicologia Racional. Dessa forma, espera-se mostrar que, apesar do texto kantiano se afastar das teorias racionalistas, Kant jamais abandona a metafísica em si. Seu intento, porém, com a crítica das Idéias da Razão Pura, em especial da idéia de alma, seria redefinir a metafísica e, assim, situá-la novamente em seu verdadeiro domínio, que não é o domínio epistemológico, pois nada podemos conhecer da alma, de Deus e do mundo. Assim, Kant também seria um metafísico, pois assumiria que, mesmo que a metafísica não possa se constituir como objeto de conhecimento, ainda assim podemos pensar seus objetos e utilizá-la no campo ético. Parte disso se mostra de forma clara nos paralogismos, uma vez que Kant em nenhum momento rejeita o conceito de alma, mas nega somente que seja um sujeito absoluto que se pode conhecer como uma coisa em si.
Abstract: [en] The present work intends to show through the analysis of the Paralogisms of the Pure Reason the difficulties raised by the notion of I think introduced by Kant in the Dialectic Of Pure Reason. Its purpose is also to show until which extent this Kantian I think is actually different from the Cartesian one. Thus, the real ruptures with the traditional metaphysics can be discussed, especially the rupture with Rational Psychology. Although the Kantian text breaks with the racionalists' theories, Kant never left the field of metaphysics itself. His intention in criticizing the Ideas of Pure Reason, especially the Idea of the Soul, was to redefine metaphysics and, by doing this, relocate it to its real domain, which will not be the epistemological one any longer, once we cannot claim or obtain knowledge through the concepts of God, World and Soul. That is why Kant was himself a metaphysician, since he claims that, even though Metaphysics cannot be constituted as an object of knowledge, we can think about it and use it to guide our actions in the ethical field. This can be shown, at last partially, in the Paralogisms, where Kant never rejects the concept of Soul, but only denies it can be known as an absolute subject.
Titulação: Mestrado em Filosofia
Orientador: Prof. Dr. Plínio Junqueira Smith
Assuntos: [pt] Paralogismos
[pt] Psicologia racional
[pt] Metafísica
[pt] Kant, Immanuel, 1724 - 1804
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)

Pesquisa Específica