Biblioteca - Profª Alzira Altenfelder Silva de Mesquita

Resumo

Autor: Eduardo Victor Pianca
Título(s): [pt] Efeitos do exercício físico no envelhecimento inicial do nervo vago em rato Wistar: estudo morfométrico e quantitativo.
Resumo: [pt] Embora diversos trabalhos relatem as alterações fisiológicas que ocorrem em nervos periféricos com a senescência e com o exercício físico, poucos são os relatos morfológicos e quantitativos a respeito do efeito destas duas variantes sobre o nervo vago. O objetivo deste trabalho foi verificar qual a influência do envelhecimento e da atividade física (corrida em esteira) na medida da área total do nervo vago, na área das fibras mielinizadas, na densidade média número/área) de fibras mielinizadas, na espessura da bainha de mielina e na área das fibras não mielinizadas. Para tanto,foram utilizados 15 ratos Wistar, divididos em três grupos: Grupo 1 - Controle, com seis meses; Grupo 2 - Pouco ativos, com 12 meses e Grupo 3 - Ativos, com 12 meses. Todos os animais foram pesados no início do experimento, a cada mês e ao final do experimento. Os animais treinados foram submetidos a protocolo de corrida em esteira, sendo que, ao final de cada mês, era feito um novo teste de esforço máximo, para saber a velocidade máxima alcançada pelos animais, tendo sido utilizadas para o treinamento, velocidades correspondentes a 60 % das velocidades máximas obtidas nos testes de esforço. Os animais deste grupo correram uma hora por dia, durante cinco dias por semana, dos 6 aos 12 meses. Ao final do experimento, após anestesia, cada animal foi eutanasiado e um segmento com cerca de 1,0 cm de comprimento do nervo vago foi retirado. Este foi processado para estudos à microscopia eletrônica de transmissão, segundo técnicas de rotina do laboratório, resultando blocos de Araldite de cada fragmento. De cada bloco, foram feitos cortes semifinos, que foram utilizados para fazer a medida da área total do nervo. Cortes ultrafinos foram examinados ao microscópio eletrônico do Instituto de Ciências Biomédicas da USP (Jeol, JEM 1010). Foram fotografados 20 campos de cada peça, aleatoriamente, ao microscópio eletrônico, com aumento de 3000 X. As imagens foram capturadas em compact disc e, utilizando um sistema de análise de imagem (Axion Vision), foram contadas todas as fibras presentes inteiramente no campo e as que estavam parcialmente presentes nas linhas superior e lateral direita, desprezando as que estavam parcialmente presentes nas linhas inferior e lateral esquerda. Foram também medidas a espessura da bainha de mielina e as áreas das fibras mielinizadas e não mielinizadas inteiramente presentes em cada campo. Os resultados alcançados nos testes de esforço (TEMs) foram sempre maiores no grupo treinado (G3) do que no grupo não treinado (G2). O peso dos animais do grupo 3 foi menor que o do grupo 2. A área do nervo foi mensurada e não apresentou diferença significativa (P>0,05) entre os animais dos grupos 1, 2 e 3. Houve aumento na área das fibras mielinizadas no grupo 2 em relação ao grupo 1, não significante. No grupo 3, este aumento foi menor. Houve discreta redução no número de fibras por área no grupo 2 (não significante), mais acentuada no grupo 3. Detectamos uma tendência de aumento da espessura da bainha no grupo 3, embora sem diferença significante entre as médias (P>0,05). No grupo 2, houve aumento da área das fibras não mielinizadas em relação ao grupo 1 (não significante). No grupo 3, este aumento não ocorreu.
Abstract: [en] Although a large number of studies show the physiologic modifications that occur in peripheric nerves with aging and physical activity, there are few morphological and quantitative studies showing the effects of them both on the vagus nerve. The aim of this study was to verify which is the influence of aging and physical activity (running) on the total size of the vagus nerve, on the myelinated fibers, on the medium density (number/area) of the myelinated fibers, on the thickness of the myelin sheath and on the unmyelinated fibers areas. For this study were used 15 Wistar rats, separated in 3 groups: Group 1 - Control, with six months older rats, Group 2 - Sedentary, with twelve months older rats, and Group 3 - Trained, with twelve months older rats. All the animals were weighted at the beginning of the study, monthly and at the end of it. The trained animals were submitted to a protocol of running in ergometric wake, and monthly were done a new test of maximum effort to know the maximum speed reached by the animals. There were been used speeds that correspond to 60% of the maximum speeds reached in the effort tests. The animals of this group were running one hour a day, five days a week, from six to twelve months older. At the end of the experiment, after anaesthesia, each animal was killed, and a 1,0 cm portion of the vagus nerve was removed and processed at electronic transmission microscope, following routine laboratorial techniques, resulting blocks of cement (Araldite) of each piece. In each piece, were done semi-fine cuts, which were used to obtain the total size of the nerve. Ultra-thin cuts were examined at the electronic microscope of the USP's Biomedical Ciences Institute (Jeol, JEM 1010). Twenty fields of each fragment were photographed, randomized, at the electronic microscope with 3000x magnification. The images were recorded in CD and, using an imaging analysis system (Axio Vision), were counted every fiber totally present in the field and at the right side of it, despising the ones who were partially presents in the inferior and left lines of the field. There were also measured the thickness of the myeline sheath and the areas of the myelinated and unmyelinated fibers totally presents in each field. The results of the effort tests were always biggest among the trained group (G3), instead of the non trained group (G2). The weight of the animals in group 3 was inferior than in the group 2. The nerve area was measured and no significant differences were found (P>0,05) between the animals of the groups 1, 2 and 3. The myelinated fibers areas were increased in Group 2, if compared with Group 1, but not significantly. In the Group 3, this increase was even smaller. There was a little decrease in the number of fibers per area in Group 2 (non significant), more emphasizing in Group 3. We detected a tendency of increase of the sheath thickness in Group 3, although without significant difference between the averages (P>0,05). In Group 2 there was increase of the area of unmyelinated fibers, if compared with Group 1 (non significant). In Group 3, this increase did not occur.
Titulação: Mestrado em Educação Física
Orientador: Romeu Rodrigues de Souza
Assuntos: [pt] Nervos - Envelhecimento
[pt] Exercício Físico
[pt] Nervos periféricos
Arquivo(s): Abrir documento (PDF)

Pesquisa Específica